saneamento basico

Ceará terá duas Centrais de Tratamento até o início de 2019

Os CTRs são soluções para 28 dos 178 municípios cearenses que ainda destinam o lixo inadequadamente

Duas Centrais de Tratamento de Resíduos (CTRs) devem ser implantadas no Ceará até o início de 2019, uma em Sobral e outra em Limoeiro do Norte. Após iniciarem as operações, os equipamentos beneficiarão as populações de 28 municípios (17 no primeiro consórcio e 11 no segundo), além de promoverem o encerramento de 29 dos mais de 300 lixões que o Estado tem atualmente. As informações foram dadas por representantes da Agência Reguladora do Estado do Ceará (Arce) durante o 5º Seminário sobre Política Nacional de Resíduos Sólidos, iniciado ontem na Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL).

O presidente da Arce, Hélio Winston Leitão, destacou que o CTR de Sobral está na fase de licitação da empresa que operará o consórcio. Já o de Limoeiro tem a construção “bem adiantada” e terá licitação de operação lançada, provavelmente, no segundo semestre deste ano. Alceu Galvão, analista de regulação da Agência Cearense, complementa armando que o intuito é iniciar os trabalhos “no primeiro semestre de 2019”. “Será um grande avanço onde, antes, havia lixões. O Governo apostou nisso a partir de iniciativas das prefeituras, que vão chamar as empresas operadoras. A Arce entra na normatização e na fiscalização”, explica Hélio Leitão.

Conforme Alceu Galvão, serão aplicados cerca de R$100 milhões nas Centrais. “Todo esse investimento foi pensado na gestão integrada, desde à ‘rota marrom’, que envolve os resíduos misturados, quanto à ‘rota verde’, que envolve a coleta seletiva e a reciclagem, com a participação dos catadores”, detalha, lembrando que os CTRs são soluções de curto prazo para 28 dos 178 municípios cearenses que ainda destinam o lixo de forma inadequada. No Estado, atualmente, existem apenas sete aterros sanitários em operação, conforme levantamento da Secretaria das Cidades do Ceará.

Prevista para julho de 2018, um ano após a assinatura da ordem de serviço, a CTR de Sobral recebeu investimento de R$39,7 milhões, por meio do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e contrapartidas do Governo do Estado. A área de 100 hectares, que beneciará quase 430 mil habitantes, terá um aterro sanitário com capacidade de aterramento de quase dois milhões de toneladas de resíduos sólidos, além de unidades de compostagem, processamento de resíduos da construção civil e tratamento de resíduos de serviços da saúde.

Limoeiro do Norte

Já a CTR de Limoeiro é desenvolvida pela Secretaria das Cidades, por meio do Programa de Desenvolvimento Urbano de Polos Regionais, e vai receber recursos do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e do Tesouro Estadual. A CTR inclui a construção de seis Estações de Transbordo (ETR) e vai atender aos 11 municípios do Consórcio Municipal para Aterro de Resíduos Sólidos (Comares-UL).

Outro projeto para resíduos citado por Hélio Leitão vem sendo desenvolvido pelo Núcleo de Tecnologia Industrial do Ceará (Nutec), com o objetivo de instalar um sistema fotovoltaico para aplicações em áreas de aterros sanitários encerrados. Durante o dia, o sistema injetaria a energia produzida na rede elétrica e a empresa faria a compensação no consumo elétrico de escolas municipais, hospitais ou prédios públicos da Prefeitura e do Governo do Estado, por exemplo.

Atualmente, estuda-se a viabilidade de implantação no Aterro Sanitário Municipal Oeste de Caucaia (Asmoc). Caso o projeto se concretize, ele será o primeiro aterro do Brasil com esse tipo de inovação tecnológica. A proposta é captar o biogás gerado pelo aterro, puricáfi-lo e, depois, injetá-lo na rede da Companhia de Gás do Ceará (Cegás).

Tecnologia

A Marquise, empresa que realiza a coleta de lixo em Fortaleza, arma que tem buscado diariamente tecnologias que permitam o descarte de lixo sem perder a reutilização, segundo o diretor presidente de serviços ambientais da Marquise Ambiental, Hugo Nery. Atualmente, um dos sistemas usados em alguns pontos da cidade, como no Centro, são os contêineres subterrâneos, que, quando cheios, enviam uma notificação à Ecofor para serem descarregados. Dessa forma, não há o acúmulo de lixo.

“Além disso, estamos buscando tecnologias para energia renovável cujo valor de implantação se encaixe com a nossa capacidade de pagar, mas elas ainda estão em desenvolvimento”, informa Hugo Nery.

O 5º Seminário é uma realização da Arce, com promoção do jornal Diário do Nordeste, Fundação de Cultura e Apoio ao Ensino de Pesquisa e Extensão (Funcepe) e Instituto Future. Tem ainda apoio institucional da Associação dos Municípios do Estado do Ceará (Aprece) e apoio da Prefeitura de Fortaleza, da Enel Distribuição Ceará, da CDL Fortaleza e do Sindicato da Indústria da Construção Civil no Ceará (SindusconCE). Os patrocinadores são o Grupo Marquise, a Ecofor, o Banco do Nordeste do Brasil e a Indaiá. A organização é da Decora Eventos.

Fonte: diário do nordeste

Últimas Notícias:
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »
Lei do Bem Cagece

Lei do Bem: Cagece alcança R$ 3,6 milhões em benefícios fiscais através de investimentos em projetos de inovação tecnológica

A Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) é pioneira no Ceará em aliar os investimentos em projetos de inovação tecnológica e transformá-los em benefícios fiscais. Por meio da chamada “Lei do Bem” (nº 11.196/2005), a companhia conseguiu rastrear e inserir junto ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação um total de R$ 17 milhões, aportados em projetos de inovação nos últimos três anos, rendendo um retorno total de R$ 3,6 milhões em benefícios.  

Leia mais »
Política de Gerenciamento Resíduos Sólidos

Política de gerenciamento de resíduos sólidos em instituições públicas

O presente estudo aborda a problemática ambiental da geração de resíduos sólidos e a inadequação do gerenciamento destes nas instituições públicas. Considerando as limitações das opções de destinação final para os resíduos, é imprescindível minimizar as quantidades utilizadas dentro destas organizações por meio da redução, reutilização e reciclagem. Diante da Política Nacional de Resíduos Sólidos e em consonância com a agenda 2030, busca-se contribuir e apontar caminhos para o enfrentamento da grave questão.

Leia mais »