saneamento basico

Crescimento de eólica desacelera pela 1ª vez em 20 anos

Londres – O crescimento do mercado de energia eólica desacelerou em 2013 pela primeira vez em mais de 20 anos, liderado por uma queda nos projetos nos Estados Unidos, enquanto investimentos recuaram em 600 milhões de dólares, para 80,3 bilhões de dólares, apontou um relatório anual do setor nesta quarta-feira.

Foram adicionados cerca de 35 gigawatts (GW) de capacidade, ante os mais de 45 GW do ano anterior.

A capacidade instalada mundial ficou em cerca de 318 GW no fim de 2013.

“O mercado global anual para energia eólica recuou em 2013. Nós sabíamos que esse provavelmente seria o caso … mas não esperávamos que a queda nos EUA fosse tão dramática quanto foi, indo de 13 GW em 2012 para apenas 1 GW em 2013”, disse o relatório Global Wind Report.

Para 2014, o documento afirma que pode haver um recorde de empreendimentos de energia eólica construídos.

A empresa alemã de engenharia Siemens disse no relatório que a energia renovável irá gerar um quarto da eletricidade global dentro dos próximos 20 anos.

“Pelos nossos cálculos, até 2035, as energias renováveis irão gerar mais de 25 por cento da eletricidade do mundo, com um quarto disso vindo de eólicas”, disse Markus Tacke, presidente-executivo da divisão de energia eólica da Siemens Energy.

O relatório afirma que a maior parte desse crescimento deve vir de mercados emergentes na América Latina e África, enquanto a Europa deve registrar maior crescimento na Alemanha e Grã-Bretanha.

A indignação pública na China com a chocante fumaça que envolve grandes cidades também deverá ser um gatilho para renovar o crescimento para a energia eólica, disse o relatório.

A Europa permanece sendo o maior mercado para a energia eólica, com 121,5 GW de capacidade instalada.

A Ásia tem 116 GW, enquanto a América do Norte possui 70,8 GW, a América Latina e o Caribe possuem 4,8 GW e a região do Pacífico outros 3,9 GW. Na África e Oriente Médio há 1,3 GW.

Fonte: Exame
Veja mais: http://exame.abril.com.br/mundo/noticias/crescimento-de-eolica-desacelera-pela-1a-vez-em-20-anos

Últimas Notícias:
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »
Lei do Bem Cagece

Lei do Bem: Cagece alcança R$ 3,6 milhões em benefícios fiscais através de investimentos em projetos de inovação tecnológica

A Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) é pioneira no Ceará em aliar os investimentos em projetos de inovação tecnológica e transformá-los em benefícios fiscais. Por meio da chamada “Lei do Bem” (nº 11.196/2005), a companhia conseguiu rastrear e inserir junto ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação um total de R$ 17 milhões, aportados em projetos de inovação nos últimos três anos, rendendo um retorno total de R$ 3,6 milhões em benefícios.  

Leia mais »
Política de Gerenciamento Resíduos Sólidos

Política de gerenciamento de resíduos sólidos em instituições públicas

O presente estudo aborda a problemática ambiental da geração de resíduos sólidos e a inadequação do gerenciamento destes nas instituições públicas. Considerando as limitações das opções de destinação final para os resíduos, é imprescindível minimizar as quantidades utilizadas dentro destas organizações por meio da redução, reutilização e reciclagem. Diante da Política Nacional de Resíduos Sólidos e em consonância com a agenda 2030, busca-se contribuir e apontar caminhos para o enfrentamento da grave questão.

Leia mais »