saneamento basico

Lixo: Promotores vão avaliar documentos sobre licitação

Audiência no MPE não conseguiu fechar acordo entre envolvidos

Após quase quatro horas de audiência no Ministério Público Estadual (MPE/SE), não se chegou a qualquer acordo quanto à coleta de lixo em Aracaju. Os promotores dos Serviços de Relevância Pública, Mônica Hardman e Carlos Henrique Siqueira vão analisar toda a documentação entregues por representantes da Prefeitura de Aracaju e da Administração Estadual de Meio Ambiente (Adema), para tomar as medidas cabíveis quanto à regularização dos serviços de limpeza na cidade.

“A gente está tentando mediar na condição de promotores de justiça, uma conciliação das partes envolvidas, porque é um interesse público que está em jogo. O serviço de coleta de lixo repercute em toda a sociedade sergipana. Escutamos as partes, colhermos os elementos de prova e incitamos ao diálogo, para que a sociedade saia ganhando. Vamos analisar toda a documentação e todos os elementos colhidos hoje para ai sim, se for necessário ajuizar alguma medida junto ao Poder Judiciário sergipano, assegurando o direito à população”, destaca a promotora Mônica Hardman.

Na ocasião, o presidente da Adema, José Almeida Lima, destacou que “a ordem de serviço foi apresentada pela Emsurb, sem assinar o contrato”.

Pela Emsurb foi dito ao final da audiência, que “a proposta do Ministério Público era fazer com que a Emsurb acatasse a recomendação do TCE para que cancelasse o contrato feito com a empresa Cavo. Mas, o advogado da empresa e o presidente, João Paulo se colocaram contrários, entregaram a documentação e o Ministério Público ficou de analisar os documentos sobre a legalidade do contrato emergencial”.

Além dos representantes da Adema e da Emsurb, participaram da audiência, integrantes da Secretaria de Meio Ambiente, da Torre Empreendimentos Rural e Construção e da Empresa Cav Serviços e Saneamento.

“Nós viemos acompanhar porque toda essa problemática só causa transtornos para a população. Em todas as áreas e todos os bairros, os problemas da falta de coleta persistem e a discussão não deve ficar apenas no âmbito dos contratantes [empresas e Prefeitura] e a população sofrendo com isso. Nos bairros Coroa do Meio e Zona de Expansão, a coleta de lixo foi feita até agora de forma muito superficial”, completa José Firmo, integrante do Fórum em Defesa da Grande Aracaju, que também participou da reunião juntamente com o ambientalista Lizaldo Vieira e com Joseilton Neri.

Últimas Notícias:
Concessão Saneamento Itaú de Minas

Concessão do saneamento de Itaú de Minas já tem interessadas

Pelo menos duas empresas de saneamento do setor privado manifestaram interesse na concessão do serviço em Itaú de Minas, no Sul do Estado, durante a etapa de consulta pública, concluída em 21 de janeiro deste ano. As empresas são a Cristalina Saneamento e a Orbis Ambiental, que também disputou a licitação do serviço em Alpinópolis, cidade da mesma região e de tamanho similar a Itaú.

Leia mais »
Serviços de Coleta de Lixo

Mais de 90% dos brasileiros contam com serviço de coleta de lixo

Os serviços de coleta de lixo, direta ou indireta, beneficiavam 90,9% dos brasileiros em 2022, segundo dados do Censo 2022 divulgados na sexta-feira (23) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A pesquisa mostra que 82,5% dos moradores têm seus resíduos sólidos coletados diretamente no domicílio por serviços de limpeza.

Leia mais »
Risco Ambiental Fármacos Esgoto

Avaliação de risco ambiental de fármacos e desreguladores endócrinos presentes no esgoto sanitário brasileiro

Este estudo investigou a ocorrência, remoção e impacto na biota aquática de 19 contaminantes de preocupação emergente (CEC) comumente reportados no esgoto brasileiro bruto e/ou tratado. Para 14 CEC (E1, E2, EE2, GEN, DCF, PCT, BPA, IBU, NPX, CAF, TMP, SMX, CIP, LEV), sua presença em esgoto tratado apresentou um alto risco ambiental em pelo menos 2 dos 6 cenários de diluição considerados.

Leia mais »