saneamento basico
Confederação Nacional da Indústria

Para brasileiros, tratamento de água e esgoto deve ser prioridade na agenda ambiental

Agenda Ambiental

Nesse momento em que o país passa por registros de secas extremas e recordes de calor, o investimento em saneamento básico entrou para o topo das preocupações do brasileiro.

Essa é uma das conclusões da pesquisa Sustentabilidade e Opinião Pública, da Confederação Nacional da Indústria (CNI), segundo a qual a população brasileira coloca o tratamento de água e esgoto como prioridade para a conservação do meio ambiente no país. Na sequência, estão o combate ao aquecimento global e ao desmatamento.

A despoluição das águas aparece em quarto lugar.

A sondagem também mostra um aumento expressivo na preocupação com o aquecimento global. Em 2022, o combate às mudanças climáticas aparecia em sexto lugar no ranking de prioridades, mencionado por 16% dos entrevistados. No ano passado, saltou para o segundo lugar, sendo citado por 27% dos entrevistados.

Saneamento básico

Ademais em 2022, quando o país registrou alto número de queimadas na Amazônia, o combate ao desmatamento liderava as prioridades. O tratamento de água e esgoto estava em segundo lugar na lista e a despoluição em terceiro. Já em 2023, com a melhora nos índices de desmatamento, o tratamento de água e esgoto passou para o topo do ranking. Investimento em saneamento básico é um dos temas defendidos pela CNI que resultam em benefício para a população e competitividade para as indústrias.

Como explica o gerente-executivo de Meio Ambiente e Sustentabilidade da Confederação, Davi Bomtempo, “investimentos em infraestrutura e saneamento básico são essenciais, trazem resultados positivos não só para a saúde pública, como também para a indústria, com auxílio na redução de gastos com tratamento de água e estímulo à diminuição do consumo”.

Em suma os dados foram levantados pelo Instituto de Pesquisa de Reputação e Imagem (IPRI), da FSB Holding, com base em entrevistas face-a-face com 2.021 cidadãos com idades acima de 16 anos nas 27 unidades da Federação. A margem de erro é 2 pontos percentuais.

Fonte: RL.

Últimas Notícias:
Risco Ambiental Fármacos Esgoto

Avaliação de risco ambiental de fármacos e desreguladores endócrinos presentes no esgoto sanitário brasileiro

Este estudo investigou a ocorrência, remoção e impacto na biota aquática de 19 contaminantes de preocupação emergente (CEC) comumente reportados no esgoto brasileiro bruto e/ou tratado. Para 14 CEC (E1, E2, EE2, GEN, DCF, PCT, BPA, IBU, NPX, CAF, TMP, SMX, CIP, LEV), sua presença em esgoto tratado apresentou um alto risco ambiental em pelo menos 2 dos 6 cenários de diluição considerados.

Leia mais »
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »