saneamento basico

Controle de Indicadores por Áreas de Abastecimento – Ferramenta para o Gerenciamento de Redes

Introdução

Atualmente no setor de saneamento, as bombas submersas instaladas operam no regime máximo ou estão desligadas. Isto para operação em áreas de abastecimento cuja demanda de consumo é constante, é válido, o que não ocorre naquelas áreas onde a variação de consumo é grande.

Nestes casos, onde a variação da demanda é significativa, cria-se para o operador de redes uma situação bem incômoda, no sentido de que se ele operar a bomba com a sua capacidade máxima, ela irá sobrecarregar as redes com pressões elevadas, aumentando a probabilidade de haver mais rompimentos de redes. Por outro lado, dependendo da configuração da malha de distribuição, mantendo desligada a bomba, haverá desabastecimento.

Com a vinda dos variadores de freqüência e a sua utilização nas unidades de recalque que caracterizam esta situação, pode-se ajustar a operação destas bombas de acordo com a demanda existente, regulando a freqüência de operação da bomba. Isto, além de diminuir o consumo de energia, possibilita diminuir as pressões e as vazões disponibilizadas para a rede. 2)

Objetivo:

Mostrar os ganhos hidráulicos e elétricos que se tem com a instalação de variadores de freqüência em áreas atendidas exclusivamente por eles e que possuem variação de consumo.

Metodologia:

Quando se aborda a discussão de adotar ou não variadores de velocidade em uma unidade de recalque, o primeiro passo a ser adotado é analisar o histograma de vazões da região, de forma a ser analisado a sua variação de consumo. Desta forma, a unidade que estudaremos é a UC05 – Magalhães Calvet localizada na malha de Novo Hamburgo.

Autores: 

MÁRCIO MARTINEZ KUTSCHER
[email protected]
Responsável pela automação e manutenção de sistemas eletromecânicos. Eng° Eletricista formado pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul ( UFRGS )

JOÃO RICARDO LETURIONDO PUREZA
[email protected]
Responsável pela operação do sistema de distribuição de Novo Hamburgo, Eng° Civil formado pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul ( UFRGS ).

baixe-aqui
Indicadores por áreas de abastecimento
Últimas Notícias:
Risco Ambiental Fármacos Esgoto

Avaliação de risco ambiental de fármacos e desreguladores endócrinos presentes no esgoto sanitário brasileiro

Este estudo investigou a ocorrência, remoção e impacto na biota aquática de 19 contaminantes de preocupação emergente (CEC) comumente reportados no esgoto brasileiro bruto e/ou tratado. Para 14 CEC (E1, E2, EE2, GEN, DCF, PCT, BPA, IBU, NPX, CAF, TMP, SMX, CIP, LEV), sua presença em esgoto tratado apresentou um alto risco ambiental em pelo menos 2 dos 6 cenários de diluição considerados.

Leia mais »
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »