saneamento basico
Dmae Drenagem Porto Alegre

DMAE trabalha para melhorar sistema de drenagem em Porto Alegre

DMAE Drenagem Porto Alegre

Por: Jessica Sampaio

A forte chuva que atingiu a Capital na tarde da terça-feira (02) alagou as principais ruas e avenidas.

A drenagem urbana é um dos grandes desafios da cidade, que já vem sendo um grande problema toda vez que chove.

A estrutura atual conta com 23 estações de bombeamentos de águas pluviais, 40 quilômetros de diques de proteção e 42 mil bocas de lobo espalhadas pelos mais de 2 milhões e 800 mil metros de tubulação. O diretor geral do Dmae, Maurício Loss, afirma que o departamento está investindo para tentar minimizar os problemas toda vez que chove.

“Uma grande pancada de chuva, intensa, a rede não suporta. No momento estamos com obras do arroio areia. Esperamos finalizar este ano vários projetos de macro e micro drenagem que envolvem R$550 milhões em investimentos, além das limpezas de valas da cidade”, citou.

LEIA TAMBÉM: Drenagem urbana: entenda qual é a sua importância para as cidades

Dmae Drenagem Porto Alegre

Contudo para a retirada de lixo das estruturas de drenagem, é preciso de uma força-tarefa. São pneus, carrinhos de supermercado, bicicletas, roupas além de garrafas pet e sacolas plásticas que não são descartados corretamente. O diretor afirma que a população também precisa colaborar, evitando que o lixo fique espalhado pela cidade, pois quando chove a situação fica ainda mais crítica.

“A ajuda da população é fundamental. Todo o lixo colocado na rua vai para as bocas de lobo. Manter a cidade limpa é o passo principal para tentar diminuir os impactos quando chove. Esse trabalho em conjunto com a população é essencial”, explica.

Ainda de acordo com o Dmae, o volume de chuva que totalizou 54 milímetros acumulados em 90 minutos, é muito acima do que a rede de drenagem de Porto Alegre pode suportar. Somente após cerca de uma hora e meia a rede consegue drenar toda a chuva acumulada. Além disso o Dmae, está executando projetos que vão comtemplar novas casas de bombas nos bairros Humaitá e Navegantes.

Fonte: Guaíba.

Últimas Notícias:
Risco Ambiental Fármacos Esgoto

Avaliação de risco ambiental de fármacos e desreguladores endócrinos presentes no esgoto sanitário brasileiro

Este estudo investigou a ocorrência, remoção e impacto na biota aquática de 19 contaminantes de preocupação emergente (CEC) comumente reportados no esgoto brasileiro bruto e/ou tratado. Para 14 CEC (E1, E2, EE2, GEN, DCF, PCT, BPA, IBU, NPX, CAF, TMP, SMX, CIP, LEV), sua presença em esgoto tratado apresentou um alto risco ambiental em pelo menos 2 dos 6 cenários de diluição considerados.

Leia mais »
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »