saneamento basico
UFG

Prefeitura assina parceria com UFG para elaboração de plano de drenagem urbana

A medida visa conter estragos decorrentes das tempestades em período chuvoso no contexto da crise climática

O prefeito de Goiânia, Rogério Cruz (Republicanos), assina protocolo de intenções com a Universidade Federal de Goiás (UFG) para elaboração de Plano Diretor de Drenagem Urbana (PDDU),  segunda-feira (27/02). A medida tem o objetivo de conter estragos decorrentes de tempestades em período chuvoso no contexto da crise climática.

Antes da assinatura da parceria com a UFG, Rogério Cruz aponta que o planejamento de ações será decisivo para evitar novas ocorrências de alagamentos, enchentes e fortes enxurradas na capital.

“O Plano Diretor de Drenagem Urbana vai estabelecer as bases das políticas públicas do município para a área. Vamos buscar uma parceria com a UFG para que possamos desenvolver um projeto que atenda às necessidades da capital para as próximas décadas”, diz o prefeito.

Nas últimas semanas, a capital sofreu episódios em que as fortes chuvas deixaram estragos prejuízos e uma morte, a do motociclista Warley de Melo Adorno, de 22 anos. Ele foi levado pela enxurrada quando trafegava pela Avenida C-107 no Jardim América.

LEIA TAMBÉM: BRASIL TEM 13,5 MIL ÁREAS DE RISCO MAPEADAS PARA DESASTRES NATURAIS 

Já na semana passada, o Lago das Rosas, no Setor Oeste, transbordou. De modo que pedalinhos foram encontrados na Avenida Anhanguera.

O plano atual foi elaborado ainda em 2005 e abrange, segundo informações da Secretaria de Infraestrutura, apenas 60% do município.

Pesquisa realizada pela Universidade Federal de Goiás e divulgada em 2015 apontava que a estrutura de drenagem não captava de forma eficiente o volume do escoamento superficial.

A situação já era mais grave em áreas próximas aos córregos que, “em função do relevo, declividade e rampas longas, tendem a acelerar o fluxo das águas em direção aos canais de drenagem, o que contribui para causar transtornos em alguns pontos da cidade”.

Esses fatores, associados às chuvas rápidas e intensas, favorecem também o aumento do volume das águas dos córregos e, consequentemente, a eclosão de inundações e alagamentos das várzeas.

O secretário de Infraestrutura (Seinfra), Denes Pereira, e a reitora da UFG, Angelita Pereira de Lima, assinam o documento. Também participam da solenidade o presidente da Agência de Regulação de Goiânia, Hudson Rodrigues de Novais, e a presidente da Fundação de Apoio à Pesquisa (Funape/UFG), Sandramara Matias Chaves.

Fonte: maisgoiás

Últimas Notícias:
Concessão Saneamento Itaú de Minas

Concessão do saneamento de Itaú de Minas já tem interessadas

Pelo menos duas empresas de saneamento do setor privado manifestaram interesse na concessão do serviço em Itaú de Minas, no Sul do Estado, durante a etapa de consulta pública, concluída em 21 de janeiro deste ano. As empresas são a Cristalina Saneamento e a Orbis Ambiental, que também disputou a licitação do serviço em Alpinópolis, cidade da mesma região e de tamanho similar a Itaú.

Leia mais »
Serviços de Coleta de Lixo

Mais de 90% dos brasileiros contam com serviço de coleta de lixo

Os serviços de coleta de lixo, direta ou indireta, beneficiavam 90,9% dos brasileiros em 2022, segundo dados do Censo 2022 divulgados na sexta-feira (23) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A pesquisa mostra que 82,5% dos moradores têm seus resíduos sólidos coletados diretamente no domicílio por serviços de limpeza.

Leia mais »
Risco Ambiental Fármacos Esgoto

Avaliação de risco ambiental de fármacos e desreguladores endócrinos presentes no esgoto sanitário brasileiro

Este estudo investigou a ocorrência, remoção e impacto na biota aquática de 19 contaminantes de preocupação emergente (CEC) comumente reportados no esgoto brasileiro bruto e/ou tratado. Para 14 CEC (E1, E2, EE2, GEN, DCF, PCT, BPA, IBU, NPX, CAF, TMP, SMX, CIP, LEV), sua presença em esgoto tratado apresentou um alto risco ambiental em pelo menos 2 dos 6 cenários de diluição considerados.

Leia mais »