saneamento basico
Colaboradores da Agreste Saneamento e representante da Prefeitura de Arapiraca na reunião que debateu as propostas de reuso do material orgânico - Foto: Assessoria

Agreste Saneamento e Prefeitura de Arapiraca debatem reuso de material orgânico na recuperação de área da Caatinga

Material Orgânico Residual

Primeiramente, a Agreste Saneamento, operação do Grupo Iguá em Alagoas, tem como um de seus pilares fundamentais a sustentabilidade.

Por isso, pretende expandir as suas ações em prol do meio ambiente com a diversificação do uso do material orgânico residual proveniente dos processos de tratamento da água, para a recuperação de áreas da Caatinga. Assim sendo, o assunto foi discutido em reunião com o superintendente de Meio Ambiente e Sustentabilidade, Fellipe Barbosa, da Prefeitura de Arapiraca.

Então, por seu alto teor de umidade e sua diversidade mineral, novos estudos de viabilidade estão sendo feitos para utilização do material orgânico, popularmente chamado de Lodo de ETA, para enriquecimento de solo.

Esses estudos sugerem uma contribuição significante para a regeneração da área do bioma na região. O objetivo desta colaboração entre a Agreste e a Prefeitura é consolidar uma parceria estratégica e explorar oportunidades mútuas no desenvolvimento e na ampliação de projetos ambientais em Arapiraca, que beneficiarão a população.

Material Orgânico Residual

O Lodo de ETA já é utilizado como matéria prima para confecção de tijolos ecológicos, um projeto impulsionado pela Agreste Saneamento. Evitando a destinação deste material em aterros sanitários.

Material orgânico (lodo proveniente do processo de tratamento da água da ETA). Foto: Assessoria
Material orgânico (lodo proveniente do processo de tratamento da água da ETA). Foto: Assessoria

“A Agreste é referência local no uso sustentável do Lodo das estações de tratamento de água como insumo para a produção de tijolos ecológicos. Agora, a ideia é expandir estas iniciativas sustentáveis e sugerir outras formas de reutilização dessa matéria-prima. Essa parceria com a Prefeitura de Arapiraca é fundamental, pois saímos da reunião com grandes ideias para fortalecer esse projeto e ampliar as ações de sustentabilidade em benefício da comunidade agrestina”, detalhou Erika Fiel, supervisora Ambiental e de Responsabilidade Social da Agreste Saneamento.

Erika apontou que, ainda durante a reunião, também foram abordados temas como o Programa de Recuperação de Nascentes e o Saneamento Ecológico. A expectativa é que essa colaboração resulte em grandes projetos e iniciativas sustentáveis. Isso porque a contribuição para a recuperação de um bioma não só beneficia a cidade de Arapiraca, mas também toda a comunidade que depende dele.

Tijolo ecológico feito também com Lodo da ETA, em projeto impulsionado pela Agreste Saneamento). Foto: Assessoria
Tijolo ecológico feito também com Lodo da ETA, em projeto impulsionado pela Agreste Saneamento). Foto: Assessoria

Sobre a Iguá Saneamento

Companhia controlada pela IG4 Capital, a Iguá atua no gerenciamento e na operação de sistemas de abastecimento de água e esgotamento sanitário por meio de concessões e parcerias público-privadas.

Uma das principais empresas do setor no país, está presente em 27 municípios, de seis estados brasileiros – Alagoas, Mato Grosso, Paraná, Rio de Janeiro, Santa Catarina e São Paulo – com 16 operações que beneficiam 3 milhões de pessoas.

Signatária da Rede Brasil do Pacto Global (iniciativa da Organização das Nações Unidas), a companhia participa dos Movimentos 2030. Com foco na universalização do saneamento, na segurança hídrica, na redução das emissões de CO2, no aumento de mulheres na liderança e na transparência da gestão do negócio.

Em suma, por sua gestão sustentável, desde 2021 figura no ranking do GRESB (Global Real Estate Sustainability Benchmark). A Iguá também se destacou como líder na categoria de saneamento, gestão de resíduos e infraestrutura no TOP Open Corps 2023. Ranking nacional que avalia a relação com startups. Recebeu duas certificações das normas ISO (International Organization for Standardization) ISO 37001 e 37301. Que abrangem, respectivamente, Sistemas de Gestão Antissuborno e Sistemas de Gestão Compliance. Reforçando os altos padrões éticos e legais aplicados nas operações.

Em conclusão, ainda em 2023, a companhia alcançou pelo 3° ano consecutivo o Selo Ouro do Programa Brasileiro GHG Protocol, da Fundação Getúlio Vargas (FGV). Que consagra empresas que alcançam o nível mais alto de qualificação e transparência nos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE), e foi eleita pelo 7° ano consecutivo como excelente empresa para se trabalhar pela consultoria Great Place to Work (GPTW).

Mais informações em www.igua.com.br.

Fonte: Jornal de Alagoas

Últimas Notícias:
Risco Ambiental Fármacos Esgoto

Avaliação de risco ambiental de fármacos e desreguladores endócrinos presentes no esgoto sanitário brasileiro

Este estudo investigou a ocorrência, remoção e impacto na biota aquática de 19 contaminantes de preocupação emergente (CEC) comumente reportados no esgoto brasileiro bruto e/ou tratado. Para 14 CEC (E1, E2, EE2, GEN, DCF, PCT, BPA, IBU, NPX, CAF, TMP, SMX, CIP, LEV), sua presença em esgoto tratado apresentou um alto risco ambiental em pelo menos 2 dos 6 cenários de diluição considerados.

Leia mais »
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »