saneamento basico
Seca em Sergipe

Governo fixa regras de programa para despoluir bacias hidrográficas; veja os principais pontos

Governo Bacias Hidrográficas

Por: Rafaela Soares

Primeiramente o Governo Federal publicou o regulamento do Novo Programa Despoluição de Bacias Hidrográficas (PRODES).

O texto fixa os principais objetivos da ação, como aumentar o acesso ao saneamento básico e melhorar os índices de qualidade das águas. Além das regras que empresas interessadas devem seguir para receberem o financiamento público.

Contudo um estudo de 2022 realizado pela ONG SOS Mata Atlântica mostrou que mais 20% dos pontos de rios analisados não possuem condições para usos múltiplos da água, como o emprego na agricultura e indústria. Ademais a pesquisa analisou 90 rios em 16 estados onde o bioma da Mata Atlântica é encontrado.

Portanto a resolução nº 171 passa a valer em janeiro de 2024, e também estabelece que os recursos da iniciativa serão provenientes do Orçamento Geral da União, da arrecadação das contas de água, e de doações.

Ainda segundo a publicação, os empreendimentos que podem participar do PRODES são aqueles que visam construir, recuperar ou ampliar as Estações de Tratamento de Esgotos Sanitários. Projetos que já foram beneficiados em anos anteriores vão ser desclassificados.

LEIA TAMBÉM: Por que privatização da Sabesp coloca Brasil na contramão de outros países

Governo Bacias Hidrográficas

Em suma uma pesquisa da ONG SOS Mata Atlântica de 2022 analisou 146 pontos de coleta de 90 rios e corpos d’água de 65 municípios. O resultado mostrou que apenas 10 deles estão com média de qualidade em boa condição. O número corresponde a 6,9% das amostras analisadas.

Então outro ponto destacado pelos pesquisadores é que mais de 20% da água analisada não possui condição para o chamado “uso múltiplo”, ou seja, não pode ser utilizada na agricultura, na indústria ou no abastecimento humano.

“A perda de qualidade da água e de condição para usos múltiplos e essenciais pode ser consequência de uma série de fatores presentes no bioma e no país, como a poluição, as precárias condições de saneamento, além da degradação dos solos e das matas nativas em suas bacias hidrográficas”, ressalta o estudo.

Fonte: R7.

Últimas Notícias:
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »
Lei do Bem Cagece

Lei do Bem: Cagece alcança R$ 3,6 milhões em benefícios fiscais através de investimentos em projetos de inovação tecnológica

A Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) é pioneira no Ceará em aliar os investimentos em projetos de inovação tecnológica e transformá-los em benefícios fiscais. Por meio da chamada “Lei do Bem” (nº 11.196/2005), a companhia conseguiu rastrear e inserir junto ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação um total de R$ 17 milhões, aportados em projetos de inovação nos últimos três anos, rendendo um retorno total de R$ 3,6 milhões em benefícios.  

Leia mais »
Política de Gerenciamento Resíduos Sólidos

Política de gerenciamento de resíduos sólidos em instituições públicas

O presente estudo aborda a problemática ambiental da geração de resíduos sólidos e a inadequação do gerenciamento destes nas instituições públicas. Considerando as limitações das opções de destinação final para os resíduos, é imprescindível minimizar as quantidades utilizadas dentro destas organizações por meio da redução, reutilização e reciclagem. Diante da Política Nacional de Resíduos Sólidos e em consonância com a agenda 2030, busca-se contribuir e apontar caminhos para o enfrentamento da grave questão.

Leia mais »