saneamento basico
preservação ambiental

Governo de SP apresenta balanço das ações para preservação ambiental

preservação ambiental

O Governo do Estado de São Paulo chega à COP27, na cidade de Sharm El Sheik, no Egito, com o objetivo de manter os compromissos assumidos com entidades internacionais e com a Associação Brasileira de Entidades Estaduais de Meio Ambiente (ABEMA) para redução, mitigação e adaptação às mudanças climáticas. São Paulo estará ao lado de outros 18 estados brasileiros que confirmaram participação na Conferência.

São Paulo é signatário das Campanhas da ONU para reduzir emissões de carbono e promover medidas de adaptação às mudanças no clima; também faz parte do movimento Governadores Pelo Clima que reúne os estados brasileiros em prol da agenda climática

Além disso, o Governo de SP fará um balanço das principais políticas públicas de preservação ambiental em andamento em todo o estado. São medidas inovadoras de sustentabilidade que colocam São Paulo à frente da pauta ambiental em todo o país.

abema

Entre as ações estão, por exemplo, o Plano de Ação Climática, que estará em consulta pública; o programa Refloresta que vai recuperar 1,5 milhão de hectares degradados; o Renasce Tietê que já garantiu financiamento no valor de R$500 milhões para revitalização das nascentes de um dos rios mais importantes do estado, além do programa Novo Rio Pinheiros com um conjunto de medidas que estão contribuindo para a despoluição do rio paulistano.

“Levaremos à COP27 um balanço das ações climáticas e economia verde que são SP vem realizando e abrange governança climática; biodiversidade e bioeconomia; agricultura sustentável; energia e transporte; recursos hídricos, além de pesquisa e inovação”, explica o secretário de Infraestrutura e Meio Ambiente, Fernando Chucre.

Em 2019, o Governo do Estado lançou o Acordo Ambiental São Paulo. Inicialmente com 55 aderentes, hoje conta com 1.660 e tem como objetivo incentivar empresas paulistas, associações e municípios a assumirem compromissos voluntários de redução de emissão de gases de efeito estufa.

A iniciativa agrega, ainda, entidades estrangeiras convidadas como “Observadores Internacionais” visando fortalecer a sua cooperação. Estão entre elas estão o Consulado Geral Britânico, em São Paulo, o Consulado Geral da França, em São Paulo, os escritórios regionais do PNUD – Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento e o PNUMA – Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente.


LEIA TAMBÉM: COP27: Amapá apresenta projeto do maior parque ambiental do mundo


Compromissos internacionais

No âmbito das campanhas da ONU, SP foi escolhido como coordenador da América Latina pela Under2 Coalition que promove a campanha Race to Zero com o objetivo de zerar as emissões líquidas de gases de efeito estufa até 2050. Também é membro ativo da organização mundial Regions4 que reúne estados subnacionais a fim de promover o Race to Resilience que tem o compromisso de elaborar ações para adaptação e resiliência.

“O Estado é signatário das campanhas da ONU Race to Zero e Race to Resilience que visa reduzir as emissões de poluentes. Também firmou acordos importantes para a política ambiental paulista, o que garantiu financiamentos, troca de experiências e capacitação técnica das equipes. Nós entendemos que são ações importantes de Governo que devem ser continuadas”, explica o subsecretário Eduardo Trani.

O programa Municípios Paulistas Resilientes em parceria com a GIZ (Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit), agência técnica do governo alemão no Brasil, permitiu a implementação do projeto pioneiro no país que vem capacitando municípios para que desenvolvam os planos de adaptação de seus territórios e adotem medidas frente aos impactos das mudanças climáticas.

A agência alemã também possui cooperação técnica para o Plano de Ação Climática – Net Zero 2050 – que entrará em consulta pública no Brasil durante a COP-27.

Preservação ambiental

No campo da energia, a estatal sueca Swedfund aporta R$ 3 milhões no estudo sobre tecnologias para produção de biogás e biometano, provenientes de aterros, lodo de estações de tratamento de esgoto e resíduos do setor sucroenergético com potencial de uso no estado com o objetivo de descarbonizar o transporte.

Em 2021, a Sabesp, terceira maior Companhia de Saneamento do mundo, firmou uma parceria inédita com a Convenção‐Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (UNFCCC) e tem participado do amplo debate mundial. A empresa investe em ações que compõe a agenda ESG, especialmente com relação à segurança hídrica uma vez que é responsável pelo abastecimento de 28 milhões de paulistas. A Companhia possui ainda convênio com a Fundação Amazônia Sustentável que permite doações para populações ribeirinhas e indígena na região para conservação da floresta, além de atuar no reaproveitamento dos resíduos para geração de energia e massa asfáltica.

Ao lado de França e Alemanha, São Paulo conta ainda com acordos bilaterais firmados pela SERI com Estados Unidos, Canadá e Reino Unido no tocante ao meio ambiente.

“Iniciativas paulistas inseriram o Brasil como membro da comunidade de líderes em mudanças climáticas. O Estado assume sua responsabilidade e protagonismo na implementação de novas tecnologias e soluções em busca da preservação e recuperação do meio ambiente. Temos compromissos assumidos mundialmente com o desenvolvimento sustentável”, afirma o secretário Julio Serson.

Os secretários de Infraestrutura e Meio Ambiente, Fernando Chucre, e de Governo, Marcos Penido, estarão presentes na conferência durante a primeira semana do encontro. A segunda semana contará com o subsecretário de Meio Ambiente, Eduardo Trani, e os presidentes da Sabesp, Benedito Braga, e da Cetesb, Patrícia Iglecias.

Fonte: Meio Ambiente SP.

Últimas Notícias:
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »
Lei do Bem Cagece

Lei do Bem: Cagece alcança R$ 3,6 milhões em benefícios fiscais através de investimentos em projetos de inovação tecnológica

A Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) é pioneira no Ceará em aliar os investimentos em projetos de inovação tecnológica e transformá-los em benefícios fiscais. Por meio da chamada “Lei do Bem” (nº 11.196/2005), a companhia conseguiu rastrear e inserir junto ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação um total de R$ 17 milhões, aportados em projetos de inovação nos últimos três anos, rendendo um retorno total de R$ 3,6 milhões em benefícios.  

Leia mais »
Política de Gerenciamento Resíduos Sólidos

Política de gerenciamento de resíduos sólidos em instituições públicas

O presente estudo aborda a problemática ambiental da geração de resíduos sólidos e a inadequação do gerenciamento destes nas instituições públicas. Considerando as limitações das opções de destinação final para os resíduos, é imprescindível minimizar as quantidades utilizadas dentro destas organizações por meio da redução, reutilização e reciclagem. Diante da Política Nacional de Resíduos Sólidos e em consonância com a agenda 2030, busca-se contribuir e apontar caminhos para o enfrentamento da grave questão.

Leia mais »