saneamento basico

Minas e Energia aposta no uso de térmicas e nuclear nas próximas décadas

A próxima década será marcada por uma virada no planejamento energético do Brasil, que passará a dar mais peso às usinas térmicas com o esgotamento das possibilidades de se construir hidrelétricas de grande porte. A avaliação é do secretário de Planejamento e Desenvolvimento do Ministério de Minas e Energia, Altino Ventura, que abriu hoje (14) o 5º Seminário Internacional de Energia Nuclear, no Rio de Janeiro.

“É possível que as fontes renováveis percam participação depois de 2030, porque não teremos mais hidrelétricas de grande porte para construir e essa expansão vai ser substituída por gás, carvão e nuclear, que não são renováveis. O Brasil começará a se aproximar mais do resto do mundo, que usa combustíveis fósseis para atender a suas necessidades, inclusive para energia elétrica”, disse Ventura.

Altino afirmou que o Brasil tem uma matriz energética mais limpa porque teve oportunidades e fez investimentos desde a década de 1980, após a crise com o petróleo obrigar o país a repensar a importação do combustível para a produção de energia elétrica. Hoje, cerca de 70% da energia elétrica gerada no Brasil vem das hidrelétricas. O potencial do país permitiria ter uma capacidade de até 260 gigawatts (GW), mas apenas 150 GW devem ser atingidos até 2025-2030. Nesse período, avalia, serão esgotadas as possibilidades de expansão hidrelétrica por questões ambientais e de viabilidade econômica.

O Brasil tem que buscar outras soluções, como o gás natural e carvão mineral“, exemplificou, afirmando que o gás só não é mais utilizado no país por falta de oferta, o que acredita que será solucionado com a exploração da camada pré-sal e o resultado dos leilões para a produção de gás em terra.

A energia nuclear, ao lado dessas duas fontes térmicas, terá um papel mais ativo do que hoje, quando responde por 2,7% da geração nacional. Além da usina de Angra 3, prevista para entrar em operação em 2018, com 1.245 megawatts (MW) de capacidade instalada, mais quatro usinas estão em estudo no planejamento para 2030, que será substituído por outro, que visará a 2050.

Depois de Fukushima, o mundo reavaliou a questão nuclear. Houve uma interrupção, mas os países retomaram seus programas nucleares. Os Estados Unidos estão construindo cinco novas usinas, e Rússia, China e Coreia do Sul, mais várias. A humanidade não pode deixar de considerar essa fonte de geração de energia no longo e médio prazo. Só houve redução do programa nuclear na Europa Ocidental, onde o baixo crescimento econômico tem gerado um crescimento menor no mercado de energia. Mesmo a Alemanha, que decidiu fechar suas usinas até 2022, continua comprando energia nuclear da França“.

Usinas de fontes renováveis diferentes da hidrelétrica devem continuar ganhando participação na geração nacional de energia elétrica, mas o secretário do Ministério de Minas e Energia defende que o papel delas será complementar: “Há potencial para a biomassa em São Paulo e para as eólicas no Nordeste, mas elas serão complementares“, diz Altino, que também acredita que a energia solar ganhará competitividade nos próximos anos.

Fonte: EM
Veja mais: http://www.em.com.br/app/noticia/economia/2014/05/14/internas_economia,528891/minas-e-energia-aposta-no-uso-de-termicas-e-nuclear-nas-proximas-decadas.shtml

Últimas Notícias:
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »
Lei do Bem Cagece

Lei do Bem: Cagece alcança R$ 3,6 milhões em benefícios fiscais através de investimentos em projetos de inovação tecnológica

A Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) é pioneira no Ceará em aliar os investimentos em projetos de inovação tecnológica e transformá-los em benefícios fiscais. Por meio da chamada “Lei do Bem” (nº 11.196/2005), a companhia conseguiu rastrear e inserir junto ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação um total de R$ 17 milhões, aportados em projetos de inovação nos últimos três anos, rendendo um retorno total de R$ 3,6 milhões em benefícios.  

Leia mais »
Política de Gerenciamento Resíduos Sólidos

Política de gerenciamento de resíduos sólidos em instituições públicas

O presente estudo aborda a problemática ambiental da geração de resíduos sólidos e a inadequação do gerenciamento destes nas instituições públicas. Considerando as limitações das opções de destinação final para os resíduos, é imprescindível minimizar as quantidades utilizadas dentro destas organizações por meio da redução, reutilização e reciclagem. Diante da Política Nacional de Resíduos Sólidos e em consonância com a agenda 2030, busca-se contribuir e apontar caminhos para o enfrentamento da grave questão.

Leia mais »