saneamento basico
Resíduos radioativos para construir estradas

EUA querem utilizar resíduos radioativos para construir estradas

Resíduos radioativos para construir estradas

Nem a instalação de pontos de carga para carros elétricos, nem novas formas de promover os transportes públicos. O que se debate há semanas nos gabinetes da administração da Florida (EUA) dedicados à gestão rodoviária é inesperado: a construção de estradas com resíduos radioativos.

Construção de estradas utilizando resíduos radioativos

O que está em cima da mesa, o que colocou o seu governador, o republicano Ron DeSantis, em plena campanha presidencial, numa posição difícil, é nada menos do que a possibilidade de construir estradas com resíduos radioativos.

Um projeto interessante

O que está a ser proposto no estado americano da Florida é a possibilidade de pavimentar as estradas com um material com propriedades radioativas: o fosfogesso. Por enquanto, a medida é apenas um projeto de lei aprovado pelo Senado que ainda precisa da aprovação de DeSantis para poder avançar. Se for aprovada, a norma autorizará o Departamento de Transportes da região a utilizar o fosfogesso como “material agregado” na construção de estradas.

O fosfogesso é um produto residual gerado durante o processamento de ácido fosfórico para fertilizantes. A Agência de Proteção Ambiental dos EUA (EPA) define-o como um “produto residual” que contém os elementos radioativos urânio, tório e rádio.

Como os resíduos estão concentrados, o fosfogesso é mais radioativo do que a rocha fosfática original. Pode infiltrar-se pelo fundo e contaminar as águas subterrâneas locais.

Afirma a agência, que salienta que os resíduos gerados durante a produção de fertilizantes acabam por ser armazenados em pilhas conhecidas como “montes”, alguns com centenas de hectares e metros de altura.

Então porquê utilizá-lo nas estradas?

A enorme quantidade de fosfogesso gerada nos EUA constitui um desafio. De acordo com a EPA, a extração de rocha fosfática é a quinta maior indústria mineira dos EUA em quantidade de material extraído e grande parte da sua atividade está concentrada na Florida, Carolina do Norte e Tennessee.

Ragan Whitlock, advogado do Center for Biological Diversity, explicou recentemente que a indústria gera cerca de 30 milhões de toneladas de resíduos por ano.

O que quer que façamos com o fosfogesso nas estradas, é apenas uma gota num balde enorme. Alertou Whitlock.

Por cada tonelada de ácido fosfórico produzido, são geradas mais de cinco toneladas de resíduos de fosfogesso. Este volume deu origem a grandes pilhas de resíduos que cobrem mais de 320 hectares e 60 metros de altura. Em toda a Florida, mais de vinte pilhas deste tipo estariam espalhadas pelo estado, contendo, no total, perto de mil milhões de toneladas de fosfogesso.

Como se estes números não fossem suficientes, há relatórios que afirmam que não seria um mau material, nem em termos de custo nem de eficiência, para utilização em estradas.

LEIA TAMBÉM: Biotecnologia: a base para uma agricultura mais sustentável

Proposta tem opiniões divergentes

Se a iniciativa for avante, o fosfogesso juntar-se-á a outros “materiais recicláveis”, como a borracha, o plástico misto, o aço de construção, o vidro e as cinzas da combustão do carvão, que contribuem para os problemas de espaço nos aterros e poderão ser utilizados na construção de estradas, de acordo com a lei.

A interpretação do Centro para a Diversidade Biológica dos EUA é bastante diferente. Tanto que, há algumas semanas, divulgou um comunicado a exigir que DeSantis vetasse “a lei das estradas radioativas”.

Representa um risco inaceitável para os trabalhadores da construção de estradas, para a saúde pública e para o ambiente… Este plano perigoso para pavimentar as estradas da Florida com resíduos tóxicos da exploração mineira de fosfato é um presente terrível para a indústria… Como a indústria está a ficar sem lugares para colocar estes resíduos, permiti-los nas estradas abriria caminho para mais.

Afirma o Centro para a Diversidade, que diz que mais de 20 grupos de conservação são contra.

Com a assinatura de DeSantis, a agência já poderia levar a cabo “projetos de demonstração” para estudar a sua viabilidade. De qualquer forma, a medida exigiria que um estudo de “adequação” fosse concluído no próximo ano, antes de abril de 2024 – um período “excessivamente curto”, segundo os ambientalistas.

A legislação aprovada na Florida não afetará a exigência de que a EPA dos EUA analise as propostas de utilizações alternativas do fosfogesso numa base caso a caso.

Fonte: PPLWare.

Últimas Notícias:
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »
Lei do Bem Cagece

Lei do Bem: Cagece alcança R$ 3,6 milhões em benefícios fiscais através de investimentos em projetos de inovação tecnológica

A Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) é pioneira no Ceará em aliar os investimentos em projetos de inovação tecnológica e transformá-los em benefícios fiscais. Por meio da chamada “Lei do Bem” (nº 11.196/2005), a companhia conseguiu rastrear e inserir junto ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação um total de R$ 17 milhões, aportados em projetos de inovação nos últimos três anos, rendendo um retorno total de R$ 3,6 milhões em benefícios.  

Leia mais »
Política de Gerenciamento Resíduos Sólidos

Política de gerenciamento de resíduos sólidos em instituições públicas

O presente estudo aborda a problemática ambiental da geração de resíduos sólidos e a inadequação do gerenciamento destes nas instituições públicas. Considerando as limitações das opções de destinação final para os resíduos, é imprescindível minimizar as quantidades utilizadas dentro destas organizações por meio da redução, reutilização e reciclagem. Diante da Política Nacional de Resíduos Sólidos e em consonância com a agenda 2030, busca-se contribuir e apontar caminhos para o enfrentamento da grave questão.

Leia mais »