saneamento basico

Um estudo sobre a gestão ambiental no IFPA – campus marabá industrial: enfoque na eficiência energética e no gerenciamento de insumos/resíduos

Resumo

A gestão de recursos ambientais tem se tornado um tema cada vez mais relevante entre pesquisadores, governos e instituições privadas, tendo em vista a necessidade global de um olhar ambiental mais crítico, principalmente no que tange ao uso racional e eficiente dos diversos recursos naturais.
Sendo assim, o presente trabalho vem relatar um estudo realizado no Instituto Federal do Pará – IFPA, Campus Marabá Industrial. Cuja análise recai sobre a gestão ambiental, com enfoque na eficiência energética e no gerenciamento de insumos/resíduos.
Com o intuito de gerar um documento amplo, este trabalho foi divido em duas partes, conforme sugere o título, sendo a eficiência energética alvo de uma investigação em relação ao padrão de consumo e análise de tarifária, o que remete a uma conclusão sobre possíveis medidas administração para um melhor gerenciamento da energia elétrica utilizada pelo campus. E em relação ao gerenciamento de insumos/resíduos, um método investigativo, foi utilizado a fim de obter das pessoas que estão presentes diariamente no campus, qual a sua relação com os insumos e resíduos consumidos. Tal linha de pesquisa proporcionou uma visão ampla do nível de envolvimento e comprometimento dos vários grupos presentes no campus, bem como medidas administrativas que poderão ser realizadas a fim de otimizar a utilização de tais recursos.

Introdução

A temática da sustentabilidade ambiental, muito debatida no contexto atual, considera que os setores públicos e privados precisam adequar as suas atividades aos pilares do desenvolvimento sustentável: ambiental, social e econômico. Essas atividades geram impactos ambientais em decorrência da utilização de recursos naturais como: matéria-prima, energia, água, além de gerar um excedente de resíduos. Os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, não fogem a esse contexto e por isso, precisam da devida atenção para promoção da gestão ambiental.

Por essência, os Institutos Federais de Educação – IFETs se constituem espaço de ciência, pesquisa, inovação, desenvolvimento tecnológico pautado pelo pensamento crítico, político, social e diretamente ligado ao mercado de trabalho. Assim, são também responsáveis pela promoção da sustentabilidade, seja em nível global, por meio do desenvolvimento de pesquisa e tecnologia, que proporcionem condições mais sustentáveis para a sociedade, seja em nível organizacional, de forma que suas atividades cotidianas sejam realizadas de forma mais eficientes, menos impactantes, gerando maior qualidade de vida e desenvolvimento (BOFF; ORO; BEUREN, 2008).

Considerando ainda que os Institutos Federais são instituições públicas e devem, portanto, primar por boas práticas de responsabilidade socioambiental, e o documento que representa uma ação voluntária na busca por adotar novos padrões de produção e consumo sustentáveis no âmbito das instituições públicas brasileiras, Agenda Ambiental para a Administração Pública (A3P), que foi criada em 1999. Logo, este programa pode ser um importante instrumento para auxiliar na gestão ambiental dos Institutos Federais de Ensino, uma vez que objetiva uma transformação de padrão e de comportamento nos setores públicos, através do estímulo a mudança nos investimentos, compras e contratação dos serviços pelo governo, passando pela sensibilização e capacitação dos servidores, pela gestão adequada dos recursos naturais utilizados e resíduos gerados até a promoção da qualidade de vida no ambiente de trabalho (BRASIL, 2009, p.32).

Assim, um dos eixos temáticos prioritários desta agenda é o uso racional dos recursos naturais e do bem público, nesta linha a eficiência energética nas instituições públicas é um tema central da sustentabilidade. Isto por que, o consumo energético nos setores públicos, considerando que a energia no caso do Brasil vem principalmente de fontes de alto impacto ambiental, como das hidroelétricas, constitui um dos principais fatores de consumo de recursos naturais (ROMERO E REIS, 2012). Contudo existem técnicas, que podem colaborar para redução desse consumo, como através da utilização de práticas conscientes dos servidores públicos para a redução do desperdício, substituição de aparelhos menos eficientes, por outros de maior eficiência, dentre outras medidas (VIANA et al. 2012).

Outro ponto relevante é em relação entre o consumo e a geração de resíduos, a maioria dos resíduos gerados nesses setores podem ser reciclados, o que muitas vezes não ocorre por inexistência de um gerenciamento adequado. A promoção de ações de conscientização para redução do consumo de materiais e o gerenciamento dos resíduos gerados também são alternativas imprescindíveis para melhorar a gestão ambiental no serviço público.

Diante do exposto, é importante a realização de pesquisas voltadas à busca de alternativas que contribuam para a gestão ambiental nesses centros de ensino. Assim, o presente trabalho apresenta como objetivo realizar um estudo sobre a gestão ambiental no IFPA – Campus Marabá Industrial no que concerne à eficiência energética e ao gerenciamento de insumos/resíduos.

Autores: Ederson Costa dos Santos; Izaclaudia Santana da Cruz; Willie Teixeira Duarte; Josileide Silva de Sousa e Luziane Alves Farias.

baixe-aqui

Últimas Notícias:
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »
Lei do Bem Cagece

Lei do Bem: Cagece alcança R$ 3,6 milhões em benefícios fiscais através de investimentos em projetos de inovação tecnológica

A Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) é pioneira no Ceará em aliar os investimentos em projetos de inovação tecnológica e transformá-los em benefícios fiscais. Por meio da chamada “Lei do Bem” (nº 11.196/2005), a companhia conseguiu rastrear e inserir junto ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação um total de R$ 17 milhões, aportados em projetos de inovação nos últimos três anos, rendendo um retorno total de R$ 3,6 milhões em benefícios.  

Leia mais »
Política de Gerenciamento Resíduos Sólidos

Política de gerenciamento de resíduos sólidos em instituições públicas

O presente estudo aborda a problemática ambiental da geração de resíduos sólidos e a inadequação do gerenciamento destes nas instituições públicas. Considerando as limitações das opções de destinação final para os resíduos, é imprescindível minimizar as quantidades utilizadas dentro destas organizações por meio da redução, reutilização e reciclagem. Diante da Política Nacional de Resíduos Sólidos e em consonância com a agenda 2030, busca-se contribuir e apontar caminhos para o enfrentamento da grave questão.

Leia mais »