saneamento basico
Doenças Relacionadas Saneamento Ambiental

A maior dificuldade no Brasil é fazer com que as pessoas se liguem às estações de tratamento de esgoto, afirma especialista

Ligações para as ETEs

Por: Simone Schneider

Para a engenheira química e mestre em ambiente e desenvolvimento Simone Schneider, os maiores desafios para se ampliar a cobertura de tratamento de esgoto é o volume de investimento financeiro que deve ser feito pelo poder público e fazer com que as pessoas liguem as suas propriedades às redes coletoras para o transporte dos efluentes até as estações, o que impacta em custos de infraestrutura e taxas embutidas na conta mensal.

Para atender as metas do novo Marco do Saneamento Básico, será necessário grande volume de investimentos nos próximos 10 anos

“Hoje, no Brasil, a maior dificuldade de ter uma estação, a primeira dificuldade é fazer as pessoas se ligarem a essa rede, porque elas já sabem que elas vão ter que pagar por isso. A outra dificuldade é fazer com que os municípios tenham as leis específicas que digam: ‘Você é obrigado a se ligar a essa rede de tratamento, você não vai mais poder continuar da forma como está’”, explica. “É caro e as pessoas não querem pagar”, reconhece ele, que entende que esse pensamento deve mudar em prol da sustentabilidade ambiental, econômica e social.

Simone, que é sócia-proprietária da Lógica Assistência Ambiental, destaca os aspectos positivos trazidos pelo novo Marco do Saneamento Básico, aprovado pelo Congresso Nacional em 2020.

“Mas uma das coisas boas que o marco trouxe é a questão da possibilidade de entidades privadas participarem dos processos de concessão. Até então, autarquias ou entidades estaduais ou municipais faziam esse serviço de atendimento no saneamento. Agora, com o marco, os privados também podem fazer parte, tanto é que tivemos 22 leilões desde 2020 até agora, que trouxeram um certo investimento, em torno de R$ 50 milhões na questão da melhoria do saneamento”, observa, que reforça que saneamento não é só água e esgoto, pois envolve também resíduos (o lixo produzido nas casas, no comércio, na indústria), e a drenagem fluvial das águas da chuva.

“A primeira grande meta e o primeiro grande desafio é termos 90% com tratamento de esgoto e 99% da população atendida com água potável até 2033”, ressalta Simone.

Saúde Pública

Segundo dados oficiais, 35 milhões de brasileiros não têm acesso à água e 100 milhões não contam com esgotamento sanitário. “É um grande deficit, e essa quantidade de pessoas sofre com isso no sentido de saúde, de educação em função dos investimentos que são necessários para tornar isso regular”, ressalta.

Para a especialista, esses números podem ser ainda maiores. Segundo ela, cidades com grande extensão rural, onde as redes de água e esgoto não chegam, as pessoas precisam criar alternativas com soluções individuais e pegar água de poços ou arroios, por exemplo.

A dispensa dos dejetos no meio ambiente também pode não ocorrer da melhor forma.

“Hoje, para você estar minimamente correto, é preciso uma fossa e filtro anaeróbico ou fossa e sumidouro absoluto, conforme a legislação de cada município”, explica.

Fonte: Independente.

Últimas Notícias:
Concessão Saneamento Itaú de Minas

Concessão do saneamento de Itaú de Minas já tem interessadas

Pelo menos duas empresas de saneamento do setor privado manifestaram interesse na concessão do serviço em Itaú de Minas, no Sul do Estado, durante a etapa de consulta pública, concluída em 21 de janeiro deste ano. As empresas são a Cristalina Saneamento e a Orbis Ambiental, que também disputou a licitação do serviço em Alpinópolis, cidade da mesma região e de tamanho similar a Itaú.

Leia mais »
Serviços de Coleta de Lixo

Mais de 90% dos brasileiros contam com serviço de coleta de lixo

Os serviços de coleta de lixo, direta ou indireta, beneficiavam 90,9% dos brasileiros em 2022, segundo dados do Censo 2022 divulgados na sexta-feira (23) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A pesquisa mostra que 82,5% dos moradores têm seus resíduos sólidos coletados diretamente no domicílio por serviços de limpeza.

Leia mais »
Risco Ambiental Fármacos Esgoto

Avaliação de risco ambiental de fármacos e desreguladores endócrinos presentes no esgoto sanitário brasileiro

Este estudo investigou a ocorrência, remoção e impacto na biota aquática de 19 contaminantes de preocupação emergente (CEC) comumente reportados no esgoto brasileiro bruto e/ou tratado. Para 14 CEC (E1, E2, EE2, GEN, DCF, PCT, BPA, IBU, NPX, CAF, TMP, SMX, CIP, LEV), sua presença em esgoto tratado apresentou um alto risco ambiental em pelo menos 2 dos 6 cenários de diluição considerados.

Leia mais »