saneamento basico

Avaliação operacional de ete composta por reator UASB seguido de biofiltro aerado submerso, um estudo de caso em ete de escala real no município de Luzerna-SC

Resumo

A Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) Luzerna, produto do programa PROSAB (Programa de Pesquisa em Saneamento Básico), associa os processos anaeróbio-aeróbio por meio de um reator UASB seguido de BAS. A ETE, localizada do município de Luzerna, Santa Catarina, foi dimensionada visando população de saturação de 6.640 habitantes e uma vazão média de 12,6 l/s. Este estudo avaliou o desempenho da planta através de dados de monitoramento de janeiro de 2012 até junho de 2016. Todas as informações relativas à ETE foram disponibilizadas pelo SIMAE (Serviço Intermunicipal de Água e Esgoto), autarquia responsável pelo sistema.

Apesar da intermitência dos dados de análise, foram realizados estudos estatísticos dos parâmetros DBO, DQO, SSed, NT e PT. Todos estes apresentaram boa eficiência de remoção, como DQO (82%) e DBO (86%) , apesar disso o NT (78 mg/l) e PT (8,3 mg/l) permanecerem com concentrações acima do permitido na legislação. Não foram constatadas grandes mudanças na infra-estrutura, apenas pequenas reformas e instalação de um tanque de equalização. Constatou-se que a ETE, apesar de apresentar boa eficiência na remoção de DBO e DQO, não é capaz de reter a alta carga de nutrientes advindos do afluente, tornando-se necessária a instalação de uma etapa adicional ao tratamento.

Introdução

Tendo em vista solucionar os graves problemas ocasionados pela falta de tratamento de efluentes domésticos e industriais, foram lançados programas governamentais de incentivo aos municípios, possibilitando a instalação de estações de tratamento de esgoto e rede coletora. A FUNASA (Fundação Nacional de Saúde), financia projetos de esgotamento sanitário para municípios com até 50.000 habitantes, visando o controle de doenças e outros agravos (BRASIL, 2015). O programa PROSAB (Programa de Pesquisa em Saneamento Básico), gerido pela FINEP (Financiadora de Estudos e Projetos), tem por finalidade desenvolver e aperfeiçoar tecnologias destinadas à ampliação da cobertura dos serviços de saneamento, objetivando a melhoria da qualidade de vida da população brasileira (CAMPOS et al., 1999).

As pesquisas financiadas pelo PROSAB baseiam-se no padrão tecnológico atual, estipulando normas e padrões adequados às particularidades regionais e locais (CAMPOS et al., 1999). Como resultado de tais premissas, obteve-se o sistema de tratamento anaeróbio-aeróbio através do reator UASB (Upflow Anaerobic Sludge Blanket) seguido de BAS (Biofiltro Aerado Submerso) atingindo tratamento a nível secundário. Esta combinação (anaeróbio-aeróbio) apresenta uma série de vantagens como: baixa potência de aeração requerida na fase aeróbia, menor produção de lodo biológico e baixo custo de instalação e operação, quando comparada aos sistemas convencionais por lodos ativados (FOCO et al., 2015).

Os custos de tratamento em plantas compostas por reator UASB seguido de tratamento aeróbio proporcionam em geral economias de investimento (CAPEX) de 20 a 50% e operacionais (OPEX) acima de 50% quando comparada a uma planta de lodo ativado convencional (CHERNICHARO etal., 2006). Considera-se que esta é uma das razões para o aumento da cobertura em tratamento de esgoto na América Latina (CHERNICHARO et al., 2015).

O uso de reatores UASB no tratamento de esgotos sanitários domésticos vem sendo largamente disseminado no Brasil devido a vantagens como sua compacidade e baixo custo energético (HIRAKAWA et al., 2002). Diversos autores relataram que o efluente deste reator normalmente não alcança os padrões de lançamento exigidos pela legislação ambiental, fazendo-se necessária a implantação de uma etapa de tratamento complementar (GONÇALVES et al., 1997; HIRAKAWA et al., 2002; OLIVEIRA&VONSPERLING, 2005; CHERNICHARO et al. 2015). O principal objetivo do pós-tratamento é de completar a remoção da matéria orgânica, bem como de remover constituintes que permanecem após o tratamento anaeróbio, como nutrientes (N e P) e organismos patogênicos (vírus, bactérias, protozoários e helmintos) (CHERNICHARO, 2006). No Brasil, os biofiltros aerados submersos, associados em série a reatores UASB, estão sendo integrados como solução para o tratamento de esgotos em pequenos e médios municípios (CHERNICHARO, 2001).

Dentre as unidades experimentais implementadas pelo PROSAB e financiadas através da FINEP, FUNASA e CAIXA (Caixa Econômica Federal), está a Estação de Tratamento de Esgotos objeto deste estudo. No presente trabalho são apresentados resultados de análises laboratoriais realizadas desde o início da operação da ETE até o presente momento. A estação, sendo fruto da rede cooperativa de pesquisas do PROSAB é composta por um reator UASB e 4 (quatro) BASs (Biofiltro Aerado Submerso).

Este trabalho tem como objetivo avaliar o desempenho e a eficiência da ETE Luzerna utilizando como indicadores os parâmetros físicos, químicos e biológicos. Além disso, investigar possíveis problemas operacionais e estruturais presentes no sistema de tratamento.

Autores: Fernanda Facin; Carolina Bayer Gomes Cabral; Paulo Belli Filho e Paulo César Lamin.

baixe-aqui

Últimas Notícias:
Risco Ambiental Fármacos Esgoto

Avaliação de risco ambiental de fármacos e desreguladores endócrinos presentes no esgoto sanitário brasileiro

Este estudo investigou a ocorrência, remoção e impacto na biota aquática de 19 contaminantes de preocupação emergente (CEC) comumente reportados no esgoto brasileiro bruto e/ou tratado. Para 14 CEC (E1, E2, EE2, GEN, DCF, PCT, BPA, IBU, NPX, CAF, TMP, SMX, CIP, LEV), sua presença em esgoto tratado apresentou um alto risco ambiental em pelo menos 2 dos 6 cenários de diluição considerados.

Leia mais »
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »