saneamento basico

Estudo de caso do reúso de água como uma alternativa à escassez hídrica em uma indústria petroquímica

Resumo

Com a crescente demanda por água, impulsionada pelo crescimento demográfico e expansão de setores como comércio, serviços e indústrias, é cada vez mais necessária a conscientização dos consumidores desde recurso para o seu uso sustentável, para que as gerações futuras também tenham acesso à água potável. Neste contexto, este estudo avalia a reutilização da água residual de uma estação de tratamento de efluentes (ETE) de uma indústria petroquímica como uma alternativa para complementar a água de reposição da torre de resfriamento desta unidade. A metodologia consiste na revisão bibliográfica sobre tratamento de efluentes e da qualidade necessária para a água de resfriamento, além do estudo de caso para reúso da água residuária da ETE de uma indústria petroquímica. Para isso, foram obtidos dados históricos de 2016 a 2021 das análises de água filtrada e do efluente da unidade, a partir dos quais foi evidenciada a necessidade de tratamento do efluente para adequação de carga orgânica e sais dissolvidos, de modo que a água de reúso, após seu tratamento, tivesse a mesma qualidade da água filtrada que era responsável pelo make-up da bacia da torre de resfriamento, conforme a média dos dados históricos. Para este fim, foi sugerido que a unidade de tratamento de água de reúso fosse instalada próxima à torre de resfriamento, com cerca de 520 m de tubulação conectando diretamente o efluente da ETE à esta nova estação. Para obter os resultados esperados, de acordo com referências e eficiência de fabricantes, a água de reúso deve ser tratada em uma unidade de Biorreator de Membranas (MBR), para remoção de carga orgânica, vírus e bactérias e, posteriormente, pela Osmose Reversa (OR), para remoção de sais dissolvidos e redução da condutividade. Durante o estudo, foi observado o avanço sobre o reúso de águas no Brasil, com a criação legislações e publicações sobre reúso em diversas empresas, mas ainda há muito o que se evoluir para a consolidação de um documento que padronize o reúso no país, que já é apontada como uma fonte viável para a redução de captação de água potável pelas indústrias.

Introdução

A escassez hídrica é um tema estudado há tempos por especialistas no contexto ambiental em grandes organizações mundiais como a Organização das nações Unidas – ONU. Este assunto cada vez tem mais tem sido abordado em jornais, principalmente em meses nos quais há menor incidência de chuvas, entre março e outubro. No Brasil, cuja matriz energética é, em sua maior parte, proveniente de hidroelétricas (SILVEIRA, 2016), a falta de chuvas impacta tanto o fornecimento de energia, quanto na necessidade de racionamento de água pela população. Além disto, têm preocupado às indústrias, que passaram a estudar fontes alternativas de abastecimento, tendo em vista que a água é essencial para seus processos, e sua falta culmina na redução de produção dessas empresas.

Apesar da aparente abundância de água no planeta Terra, apenas uma pequena parte deste recurso é doce e está disponível para o consumo humano. E devido ao crescimento demográfico e econômico, e também da expansão de setores como indústria e agricultura, este bem torna-se cada vez mais escasso, tanto em quantidade como em qualidade. Além destes, outros fatores que contribuem para diminuir a disponibilidade de água são as mudanças climáticas, o seu uso desordenado, a poluição, o desmatamento, o lançamento de contaminantes e resíduos no corpo hídrico, que têm como consequência também a piora na sua qualidade.

A água de reúso é definida como a água residuária que está dentro dos padrões definidos para utilização no próprio local onde é gerada, conforma a definição da Resolução Nº 54/2005 do Conselho Nacional de Recursos Hídricos – CNRH. Esta é uma alternativa viável para reduzir tanto a captação de água potável dos reservatórios quanto o lançamento de efluentes no corpo receptor. Em relação às fontes, de acordo com a resolução, são consideradas águas residuárias o esgoto, a água descartada e os efluentes líquidos de diversas fontes como edificações, indústrias, agroindústrias e agropecuária, sejam eles tratados ou não.

Autora: Marcelle Barbosa Motta.

LEIA O ARTIGO NA ÍNTEGRA

Últimas Notícias:
Concessão Saneamento Itaú de Minas

Concessão do saneamento de Itaú de Minas já tem interessadas

Pelo menos duas empresas de saneamento do setor privado manifestaram interesse na concessão do serviço em Itaú de Minas, no Sul do Estado, durante a etapa de consulta pública, concluída em 21 de janeiro deste ano. As empresas são a Cristalina Saneamento e a Orbis Ambiental, que também disputou a licitação do serviço em Alpinópolis, cidade da mesma região e de tamanho similar a Itaú.

Leia mais »
Serviços de Coleta de Lixo

Mais de 90% dos brasileiros contam com serviço de coleta de lixo

Os serviços de coleta de lixo, direta ou indireta, beneficiavam 90,9% dos brasileiros em 2022, segundo dados do Censo 2022 divulgados na sexta-feira (23) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A pesquisa mostra que 82,5% dos moradores têm seus resíduos sólidos coletados diretamente no domicílio por serviços de limpeza.

Leia mais »
Risco Ambiental Fármacos Esgoto

Avaliação de risco ambiental de fármacos e desreguladores endócrinos presentes no esgoto sanitário brasileiro

Este estudo investigou a ocorrência, remoção e impacto na biota aquática de 19 contaminantes de preocupação emergente (CEC) comumente reportados no esgoto brasileiro bruto e/ou tratado. Para 14 CEC (E1, E2, EE2, GEN, DCF, PCT, BPA, IBU, NPX, CAF, TMP, SMX, CIP, LEV), sua presença em esgoto tratado apresentou um alto risco ambiental em pelo menos 2 dos 6 cenários de diluição considerados.

Leia mais »