saneamento basico

Sistema aquário: gestão do cumprimento de condicionantes ambientais de licenças de operação de Saas e Sess na Embasa

Resumo

O licenciamento ambiental tem se tornado um procedimento cada vez mais necessário quando a questão é a implantação ou operação de empreendimentos especialmente quando há intervenções em ambientes naturais. As exigências da sociedade e do poder público estão cada vez mais restritivas na busca pelo cumprimento dos requisitos da legislação ambiental vigente. O processo de regularização ambiental dos Sistemas de Abastecimento de Água – SAAs e dos Sistemas de Esgotamento Sanitário – SESs operados pela Empresa Baiana de Águas e Saneamento – Embasa resultou na obtenção das Licenças de Operação e consequentemente no aumento substancial das condicionantes ambientais de cumprimento obrigatório. O elevado número dessas condicionantes demandou a implantação de uma ferramenta, o Módulo Ambiental no Sistema Aquário, que permite a gestão das mais de seis mil condicionantes de licenças de operação e licenças simplificadas, bem como das outorgas de mananciais superficiais e subterrâneos. O módulo tem se mostrado uma solução de baixo custo e eficiente na gestão do cumprimento das condicionantes ambientais, uma vez que permite a emissão de diversos relatórios gerenciais e o acompanhamento efetivo da situação de cada sistema individualmente.

Introdução

O licenciamento ambiental é um procedimento de caráter obrigatório para a implantação ou operação de Sistemas de Abastecimento de Água e Sistemas de Esgotamento Sanitário. Regido pela Lei Federal nº 6.938/1981 e pela Resolução CONAMA nº 237/1997, e no âmbito do Estado da Bahia, pela Lei 10.431/2006, o licenciamento requer a avaliação dos impactos ambientais causados seja pela implantação ou operação de quaisquer tipos de empreendimentos enquadrados como passíveis de licenciamento.

Seguindo as orientações da legislação ambiental Federal, o Estado da Bahia promulgou na Lei 10.431/2006, os procedimentos e adequações de licenciamento para cada fase do empreendimento, resultando em três tipos básicos de licenças ambientais: Licença Prévia, Licença de Instalação e Licença de Operação. Embora o licenciamento ambiental não seja um procedimento novo no âmbito federal e estadual, este vem ganhando maiores proporções e priorizações nos últimos anos devido à intensificação das cobranças da sociedade e dos órgãos fiscalizadores (ambientais ou não). Até mesmo as empresas, especialmente as de grande porte, têm se preocupado preventivamente às cobranças criando departamentos técnicos especializados para a realização desses procedimentos junto aos órgãos ambientais licenciadores.

Diante da demanda cada vez mais crescente, da cobrança acentuada e a busca pela diminuição dos passivos ambientais, em 2010 a Empresa Baiana de Águas e Saneamento – EMBASA formalizou Termo de Compromisso junto ao Instituto de Meio Ambiente e Recursos Hídricos – INEMA, do Estado da Bahia, em que esta se comprometeu a realizar a regularização ambiental dos Sistemas de Abastecimento de Água – SAA e dos Sistemas de Esgotamento Sanitário – SES junto a este órgão, tendo finalizado em 2014. O resultado desta ação foi a emissão de diversas Licenças de Operação, aumentando consideravelmente o número das licenças e expressivamente o número de condicionantes ambientais de cumprimento obrigatório. Conforme definição legal, Art. 19 da Resolução CONAMA nº 237/1997 a licença ambiental emitida, que é acompanhada de condicionantes ambientais, somente tem validade se as mesmas forem cumpridas em sua integralidade e dentro do prazo estipulado. Portanto, o cumprimento das condicionantes elencadas na licença é fator preponderante para a efetiva regularização ambiental da operação dos SAAs e SESs.

Observando-se o grande número de sistemas de SAA e SES no interior da Bahia, uma grande questão foi levantada: como realizar a gestão do cumprimento dessas condicionantes, assegurando o atendimento dos prazos de um número tão elevado de itens? Assim, o objetivo deste trabalho é demonstrar como o Módulo Ambiental do Sistema Aquário auxilia a EMBASA a realizar a gestão das condicionantes ambientais, bem como demonstrar outras funcionalidades desta solução interna adotada pela empresa.

Autor: Natália da Silva Batista.

baixe-aqui

Últimas Notícias:
Risco Ambiental Fármacos Esgoto

Avaliação de risco ambiental de fármacos e desreguladores endócrinos presentes no esgoto sanitário brasileiro

Este estudo investigou a ocorrência, remoção e impacto na biota aquática de 19 contaminantes de preocupação emergente (CEC) comumente reportados no esgoto brasileiro bruto e/ou tratado. Para 14 CEC (E1, E2, EE2, GEN, DCF, PCT, BPA, IBU, NPX, CAF, TMP, SMX, CIP, LEV), sua presença em esgoto tratado apresentou um alto risco ambiental em pelo menos 2 dos 6 cenários de diluição considerados.

Leia mais »
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »