saneamento basico
DAE Tratamento de Esgoto

DAE Jundiaí apresenta tecnologias para tratamento de esgoto

DAE Tratamento de Esgoto

O representante técnico e engenheiro químico Sérgio Ribeiro mostrou as funcionalidades do sistema, a convite do diretor presidente da empresa, Walter da Costa e Silva Filho, e do diretor superintendente de Engenharia, Valter Maia.

Também estiveram presentes representantes da Companhia Saneamento de Jundiaí (CSJ), responsável pela operação da Estação de Tratamento de Esgoto Jundiaí (ETEJ).

“Esta é uma tecnologia inovadora, que garante uma operação mais limpa e uma qualidade excelente do efluente, além de custo competitivo e fácil operação”, disse Ribeiro.

De acordo com Costa e Silva, Jundiaí busca alternativas para avançar ainda mais no processo de tratamento de efluentes.

“Nossa cidade tem saneamento universalizado e é o momento de aprimorarmos ainda mais o processo de tratamento. Hoje, 100% do que é coletado é tratado, o que é um exemplo para todo o Brasil”, avaliou.

O gerente da Cetesb Jundiaí, Domenico Tremaroli, elogiou a tecnologia. “Não conhecia e foi muito interessante saber mais sobre os detalhes. É um avanço no tratamento de efluentes”, comentou.

ETEJ

DAE Tratamento de Esgoto

Portanto atualmente, o tratamento na ETEJ é do tipo “biológico aeróbio”, realizado por meio de lagoas de aeração com difusores flutuantes de membrana. Com o objetivo de acelerar o processo natural que um curso d’água faz com microrganismos que se alimentam da matéria orgânica do esgoto, ajudando a eliminar os poluentes. A vazão média é de 1.200 litros por segundo.

Em suma em Jundiaí, o lodo gerado no tratamento de esgoto passa pelo processo de compostagem e é transformado em fertilizante orgânico, para uso na agricultura.

Fonte: SP.

Últimas Notícias:
Risco Ambiental Fármacos Esgoto

Avaliação de risco ambiental de fármacos e desreguladores endócrinos presentes no esgoto sanitário brasileiro

Este estudo investigou a ocorrência, remoção e impacto na biota aquática de 19 contaminantes de preocupação emergente (CEC) comumente reportados no esgoto brasileiro bruto e/ou tratado. Para 14 CEC (E1, E2, EE2, GEN, DCF, PCT, BPA, IBU, NPX, CAF, TMP, SMX, CIP, LEV), sua presença em esgoto tratado apresentou um alto risco ambiental em pelo menos 2 dos 6 cenários de diluição considerados.

Leia mais »
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »