saneamento basico
TCE/MT Marco do Saneamento

TCE/MT promove cumprimento do Marco Legal do Saneamento Básico no Estado

TCE/MT Marco do Saneamento

Por: Rojane Marta/MT do Futuro

O Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso (TCE-MT) tem se empenhado ativamente na promoção e fiscalização do cumprimento do Novo Marco Legal do Saneamento Básico no Estado, previstos na Lei nº 14.026/20.

O presidente da Comissão Permanente de Meio Ambiente e Sustentabilidade do TCE-MT, conselheiro Sérgio Ricardo, destacou a importância desse compromisso em uma recente entrevista à revista Mato Grosso do Futuro.

Mas o novo Marco Legal do Saneamento Básico, que entrou em vigor recentemente, proíbe a existência de lixões em todo o Estado. Impondo penalidades aos prefeitos que não se adequarem. Prevê, ainda, a universalização dos serviços de água e esgoto até 2033. O TCE-MT atua na orientação e fiscalização desse cumprimento, juntamente com o Ministério Público do Estado de Mato Grosso e as prefeituras locais.

Portanto o conselheiro destacou os esforços conjuntos que estão sendo realizados para garantir o cumprimento da lei. Reuniões foram realizadas com diversos municípios, incluindo o Consórcio de Prefeitos da Baixada Cuiabana, visando encontrar soluções para a disposição adequada de resíduos sólidos. Algumas cidades, como Alta Floresta e Rondonópolis, estão em processo de construção de aterros sanitários, legalizados para atender a várias localidades. Além disso, os municípios da Baixada Cuiabana estão se organizando em consórcios em que uma cidade constrói o aterro sanitário e outras cidades enviam seus resíduos para lá.

Contudo Sérgio Ricardo enfatizou a importância da cooperação entre as instituições para garantir a implementação do novo Marco Legal do Saneamento Básico. Todas as prefeituras estão compreendendo a necessidade de cumprir a lei e estão contribuindo para essa mudança.

TCE/MT Marco do Saneamento

Em suma no que diz respeito ao transporte de resíduos, o Governo do Estado de Mato Grosso demonstrou boa vontade em auxiliar na construção de estações de transbordo e na doação de caminhões para esse fim. Essa colaboração entre as instituições está tornando possível a transição para um sistema de saneamento básico mais adequado e em conformidade com a legislação.

Além disso, o conselheiro Sérgio Ricardo discutiu a importância de ações voltadas à sustentabilidade e à preservação dos biomas em Mato Grosso, que abriga três ecossistemas únicos: o Pantanal, o Cerrado e a Amazônia. Ele enfatizou a necessidade de os municípios e todos os envolvidos na produção agropecuária obedecerem às normas ambientais e promoverem o desenvolvimento sustentável.

Conforme ele, o TCE-MT, por meio da Comissão de Meio Ambiente, trabalha para incentivar o crescimento econômico e a produtividade com responsabilidade, em total conformidade com as leis ambientais. Aqueles que não obedecerem à lei serão multados e sofrerão as penalidades previstas.

Fonte: VG Notícias.

Últimas Notícias:
Risco Ambiental Fármacos Esgoto

Avaliação de risco ambiental de fármacos e desreguladores endócrinos presentes no esgoto sanitário brasileiro

Este estudo investigou a ocorrência, remoção e impacto na biota aquática de 19 contaminantes de preocupação emergente (CEC) comumente reportados no esgoto brasileiro bruto e/ou tratado. Para 14 CEC (E1, E2, EE2, GEN, DCF, PCT, BPA, IBU, NPX, CAF, TMP, SMX, CIP, LEV), sua presença em esgoto tratado apresentou um alto risco ambiental em pelo menos 2 dos 6 cenários de diluição considerados.

Leia mais »
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »