saneamento basico

Expectativas 2022 por Estela Testa CEO Pieralisi Americas

Vejo perspectivas maravilhosas para o Saneamento em 2022. Aliás, tenho a convicção de que esta será a década do saneamento no Brasil.

Tenho participado de diversos fóruns, comitês, encontros e workshops e eu só vejo perspectivas boas para a implementação da universalização do saneamento no Brasil.

Hoje, você vê uma união de trabalho para que a universalização aconteça.

Leis estão sendo discutidas e para o saneamento o que está acontecendo está acelerando os investimentos para o setor.

É um caminho sem volta porque o Brasil, como oitava economia do mundo, precisa se posicionar junto aos grandes fóruns, como a ONU, mas não na condição de 112º colocado no ranking do saneamento.

O mundo cobra que tenhamos ações para mudar este posicionamento.

O governo está consciente disso e também de que há a necessidade de se mudar esta posição no ranking porque saneamento significa dignidade, significa redução nos custos da saúde, lembrando sempre que a cada R$ 1 que o governo gasta com saneamento, ele economia R$ 4 na saúde.

Muitas doenças que voltaram a nos afligir são causadas por essa deficiência no saneamento.

Por isso, todos precisamos nos preocupar com o saneamento para que a universalização saia do papel.

Estela Testa
CEO Pieralisi Américas
Presidente Sindesam e do Conselho de Saneamento da Abimaq
Vice-Presidente Abimaq

Últimas Notícias:
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »
Lei do Bem Cagece

Lei do Bem: Cagece alcança R$ 3,6 milhões em benefícios fiscais através de investimentos em projetos de inovação tecnológica

A Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) é pioneira no Ceará em aliar os investimentos em projetos de inovação tecnológica e transformá-los em benefícios fiscais. Por meio da chamada “Lei do Bem” (nº 11.196/2005), a companhia conseguiu rastrear e inserir junto ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação um total de R$ 17 milhões, aportados em projetos de inovação nos últimos três anos, rendendo um retorno total de R$ 3,6 milhões em benefícios.  

Leia mais »
Política de Gerenciamento Resíduos Sólidos

Política de gerenciamento de resíduos sólidos em instituições públicas

O presente estudo aborda a problemática ambiental da geração de resíduos sólidos e a inadequação do gerenciamento destes nas instituições públicas. Considerando as limitações das opções de destinação final para os resíduos, é imprescindível minimizar as quantidades utilizadas dentro destas organizações por meio da redução, reutilização e reciclagem. Diante da Política Nacional de Resíduos Sólidos e em consonância com a agenda 2030, busca-se contribuir e apontar caminhos para o enfrentamento da grave questão.

Leia mais »