saneamento basico

O sumiço das cidades

Por: Alvaro Menezes, vice-presidente da ABES
Soa estranho dizer que as cidades brasileiras estão entrando em colapso quando o lulo-petismo, uma fonte de inspiração para a novela “Pedacinho de céu”, alardeia a todos e todas que nunca antes na história do Brasil houve tanto desenvolvimento, melhoria de qualidade de vida e ascensão de classes sociais. Há de fato um colapso instalado nas capitais, notadamente nas regiões metropolitanas e nas cidades com mais de 100 mil habitantes para surpresa dos políticos e planejadores crônicos. Não é possível deixar de sentir e ver que os municípios não podem mais ser administrados apenas com seu projetos, planos e distritalização de ações com base no que os vereadores estabelecem como prioridades, da mesma forma os Estados precisam associar seus planos e projetos ao que acontece e vai acontecer nas cidades. O Governo Federal, aliado aos Senadores e Deputados Federais, se numa grande e pesada máquina de geração de programas, cuja finalidade transformou não é reduzir os déficits de infraestrutura, sendo muito mais uma ação de propagação descontrolada e sem lógica de obras em todos os cantos do Brasil e de liberação de dinheiro público. O que mede o resultados não é a conclusão do projeto nem tampouco a sua qualidade ou eficiência no gasto das verbas, menos ainda a influência no desenvolvimento social, econômico e ambiental de regiões. O que importa é ter um mapa do Brasil com alfinetes coloridos espetados de Norte a Sul, de Leste a Oeste identificando onde há uma placa de obra. Se nunca houve de fato tanto dinheiro à disposição dos Estados, municípios e seus órgãos de administração e prestação de serviços, por quê ocorre o colapso? Ou pior, por quê as cidades sofrem agora com graves problemas de falta de energia elétrica, de água, de sistemas de esgoto, de sistemas de coleta e tratamento de lixo, de drenagem urbana, de avenidas e ruas novas – a moderna mobilidade- além de completo descontrole entre a política habitacional e as condições de atendimento ao caótico Minha Casa, Minha Vida? Porque a gestão pública também é afetada por um sem número de controles, revisões e manuais que só atrasam ou impedem a execução de soluções. O modelo ainda é – e o Lulo-petismo é exemplo acabado desta prática – baseado na gestão para o curto prazo, incapaz de superar a imobilidade decorrente do corporativismo das ditas organizações públicas. O ócio – destrutivo dos planejadores e técnicos das soluções perfeitas, prefere passar meses e anos planejando ou impedindo soluções simplesmente pelo receio de mudar estratégias, estatutos, normas ou regulamentos que muitas vezes levam para a sociedade as respostas no gerúndio: planejando, estudando, capacitando, chegando, trabalhando, conhecendo, diagnosticando e até fazendo. Não há como esconder, o colapso chegou. Também não há como esconder que soluções desafiadoras como PPP – Parcerias Público Privadas, gestão consorciada com empresas privadas, execução de obras por locação de ativos, podem acelerar a implementação de soluções para ter um prazo real para o fim dos problemas urbanos. A infraestrutura das cidades não precisa só ser ampliada, muito antes precisa de recuperação, manutenção e gestão eficaz, coisas que só acontecerão se as três esferas de governo e poder, se integrarem em um claro e urgente processo de nascimento de um novo modo de gerenciar as cidades, com a observação de que a gestação deste novo modelo não pode levar nove meses.

Fonte: Assessoria de Imprensa

Últimas Notícias:

#Comprometimento e Responsabilidade Técnica

Desde o início da criação da Comissão CE.010:105.007 – Comissão de Estudos de Produtos Químicos para Saneamento Básico, Água e Esgoto da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), em março de 2004, atuo como profissional voluntário e imparcial em prol da sociedade brasileira. Esta Comissão faz parte do CB-10, Comitê Brasileiro de Química da ABNT.

Leia mais »
Cagece Rede Esgoto Chuvas

Cagece orienta sobre cuidados com a rede de esgoto durante período chuvoso

Com o início quadra chuvosa em todo o Ceará, os cuidados com as redes de esgoto e de drenagem precisam ser redobrados, e para evitar obstruções, extravasamentos e alagamentos, a Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) orienta que a população faça o uso correto dos dois sistemas. Dentre as principais orientações: não destinar água de chuva e lixo para a rede de esgoto da Cagece.

Leia mais »
Concessão Saneamento Itaú de Minas

Concessão do saneamento de Itaú de Minas já tem interessadas

Pelo menos duas empresas de saneamento do setor privado manifestaram interesse na concessão do serviço em Itaú de Minas, no Sul do Estado, durante a etapa de consulta pública, concluída em 21 de janeiro deste ano. As empresas são a Cristalina Saneamento e a Orbis Ambiental, que também disputou a licitação do serviço em Alpinópolis, cidade da mesma região e de tamanho similar a Itaú.

Leia mais »