saneamento basico

Para onde vão as embalagens dos agrotóxicos?

Historicamente, a agricultura representa uma das principais bases econômicas do país. Por isso, não é de se espantar que, de acordo com o Ministério do Meio Ambiente, o Brasil é o maior consumidor de produtos agrotóxicos no mundo. Esse consumo gera uma série de questões, entre elas o destino das embalagens dos agrotóxicos após o seu uso.

Nesse sentido, os primeiros passos legais foram tomados em 1989, com a Lei n˚ 7.802 de 11 de julho, a qual versava sobre pesquisa, experimentação, produção, embalagem e rotulagem, destino final dos resíduos e embalagens, entre outros assuntos. Mais tarde, houve uma alteração com a introdução da Lei n˚ 9.974/2000, que estabelecia de forma direta a responsabilidade das empresas produtoras e comercializadoras de agrotóxicos e seus componentes pela destinação das embalagens vazias dos produtos que elas mesmas fabricaram ou comercializaram, após a devolução pelos usuários.

Essa Lei foi regulamentada em 2002 e tornou obrigatória a devolução das embalagens vazias por parte dos usuários de defensivos agrícolas para os comerciantes que, por sua vez, teriam de encaminhá-las aos fabricantes. Porém, para que fosse possível realizar esse processo, tornou-se necessária a presença de uma entidade para coordenar todas as etapas dessa cadeia. A resposta foi a criação do Instituto Nacional de Processamento de Embalagens Vazias (inpEV), em 2001.

Histórico e atuação

O inpEV é uma entidade sem fins lucrativos que tem como objetivo gerir a destinação final de embalagens vazias de agrotóxicos. Ao longo da sua trajetória, o Instituto realizou campanhas de educação e conscientização do agricultor sobre a lavagem e devolução das embalagens e, em 2011, criou o Programa de Educação Ambiental Campo Limpo, aplicado em parceria com Secretarias de Educação municipais, em escolas e núcleos de ensino, para estimular a conscientização ambiental dos alunos.

Uma das suas conquistas foi a criação do Sistema Campo Limpo, em 2002, que tem como propósito realizar a logística reversa das embalagens vazias de defensivos agrícolas no Brasil. De acordo com o inpEV, todos os elos da cadeia produtiva agrícola têm as suas obrigações e custos: agricultor, indústria fabricante, canais de distribuição e o poder público.

Fica a cargo do agricultor lavar, armazenar, devolver e comprovar a devolução das embalagens nos locais indicados pelos agentes de distribuição de nota fiscal de compra. Os canais de distribuição por sua vez são responsáveis pela indicação desses locais e pelo armazenamento correto em suas unidades de recebimento.  As indústrias ficam com a incumbência de retirar e destinar as embalagens. O governo, por sua vez, tem o papel de fiscalizar essas atividades, licenciar as unidades de recebimento e educar agricultores em conjunto com os fabricantes e comerciantes sobre a importância ambiental da devolução.

De acordo com o Ministério da Agricultura, o Brasil é líder na destinação de embalagens vazias de produtos agrotóxicos graças ao inpEV, que recolhe 94% do material descartado. Em 2015, por exemplo, foram recolhidas 45.550 toneladas de embalagens no país. E desde 2002, são mais de 400 mil toneladas.

*Hiram Sartori é Engenheiro Sanitarista, possui doutorado em Engenharia Civil e atua como consultor e professor do Ensino Superior.

Site: hiramsartori.com.br
Twitter: @hiram_sartori
LinkedIn: https://br.linkedin.com/in/hiramsartori

A opinião apresentada é de responsabilidade do autor.

Últimas Notícias:
Concessão Saneamento Itaú de Minas

Concessão do saneamento de Itaú de Minas já tem interessadas

Pelo menos duas empresas de saneamento do setor privado manifestaram interesse na concessão do serviço em Itaú de Minas, no Sul do Estado, durante a etapa de consulta pública, concluída em 21 de janeiro deste ano. As empresas são a Cristalina Saneamento e a Orbis Ambiental, que também disputou a licitação do serviço em Alpinópolis, cidade da mesma região e de tamanho similar a Itaú.

Leia mais »
Serviços de Coleta de Lixo

Mais de 90% dos brasileiros contam com serviço de coleta de lixo

Os serviços de coleta de lixo, direta ou indireta, beneficiavam 90,9% dos brasileiros em 2022, segundo dados do Censo 2022 divulgados na sexta-feira (23) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A pesquisa mostra que 82,5% dos moradores têm seus resíduos sólidos coletados diretamente no domicílio por serviços de limpeza.

Leia mais »
Risco Ambiental Fármacos Esgoto

Avaliação de risco ambiental de fármacos e desreguladores endócrinos presentes no esgoto sanitário brasileiro

Este estudo investigou a ocorrência, remoção e impacto na biota aquática de 19 contaminantes de preocupação emergente (CEC) comumente reportados no esgoto brasileiro bruto e/ou tratado. Para 14 CEC (E1, E2, EE2, GEN, DCF, PCT, BPA, IBU, NPX, CAF, TMP, SMX, CIP, LEV), sua presença em esgoto tratado apresentou um alto risco ambiental em pelo menos 2 dos 6 cenários de diluição considerados.

Leia mais »