saneamento basico

CASAN discute projetos de saneamento com Agência Internacional de Cooperação do Japão

As engenheiras Misa Haratsu e Hatsuka Naito, vindas de Tóquio, se reuniram na manhã dessa segunda-feira (16) com representantes da CASAN e do Consórcio Catarinasan na primeira reunião de 2015 para acompanhamento do Programa de Saneamento Ambiental de Santa Catarina.

Desenvolvido pela CASAN, o programa conta com recursos de R$ 404 milhões da Agência Internacional de Cooperação do Japão (JICA) para implantação e expansão de projetos de esgotamento sanitário nas cidades de Florianópolis, Balneário Barra do Sul, Piçarras e Bombinhas.

“Desejamos que seja uma semana muito produtiva para discussão desse programa que vai trazer mais qualidade de vida para o povo catarinense”, destacou no início do encontro do diretor de Operações da CASAN, Paulo Meller.

“Nosso objetivo é conhecer com maior detalhamento as readequações que estão sendo propostas em termos de custos, cronograma e tecnologia a ser empregada”, informaram as engenheiras, que contaram com o apoio de tradução no encontro de trabalho realizado no Centro Integrado de Operações e Manutenção da CASAN, localizado no Balneário Estreito, em Florianópolis.

Durante a reunião, que se prolongou durante toda a manhã, o gerente de construção da CASAN, Fábio Krieger, apresentou as propostas da CASAN de readequação do Programa de Saneamento Ambiental de Santa Catarina em relação ao que havia sido acordado em 2010.

A ampliação da Estação de Tratamento de Esgotos Insular de Florianópolis, e sua adaptação para tratamento em nível terciário, assim como a construção de uma ETE no Sul da Ilha e outra em Ingleses estão entre as necessidades de alteração que serão discutidas com a JICA.

“A região de Ingleses teve um grande crescimento nos últimos anos e lá estão 21 poços de captação de água da CASAN, por esse motivo é considerada uma área estratégica para maior cobertura de coleta e para construção de uma estação de tratamento de esgotos”, explicou o gerente de construção da CASAN.

Fábio ressaltou também a importância das obras de esgotamento sanitário para o Sul da Ilha, que abrange regiões de cultivo de ostras e de mexilhões e também a Reserva Extrativista Marinha do Pirajubaé. No novo escopo do programa a CASAN prevê para atendimento do Sul da Ilha, por exemplo, a construção de uma estação de tratamento de esgotos também em nível terciário.


Gerente ce construção da CASAN atende demandas de engenheira da JICA

Acompanharam a primeira reunião de trabalho profissionais da Gerência de Meio Ambiente e da Gerência de Parcerias e Convênios, entre outros representantes da CASAN. Membros das empresas brasileiras Engevix Engenharia S/A e Prosul-Projetos, Supervisão e Planejamento Ltda, e das japonesas Chuo Kaihatsu Corporation e Nippon Koei  Co Ltd., que integram o Consorcio Catarinasan, também participam da rodada de trabalho com a JICA.

A comitiva permanece em Florianópolis até a próxima sexta-feira, dia 20 de março. A agenda de trabalho continua com reuniões na CASAN e visitas técnicas de campo.

_______________________________________

Gerência de Comunicação Social da CASAN
Arley Reis / (48) 3221-5036 / [email protected]

Foto: Neiva Daltrozo

Últimas Notícias:
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »
Lei do Bem Cagece

Lei do Bem: Cagece alcança R$ 3,6 milhões em benefícios fiscais através de investimentos em projetos de inovação tecnológica

A Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) é pioneira no Ceará em aliar os investimentos em projetos de inovação tecnológica e transformá-los em benefícios fiscais. Por meio da chamada “Lei do Bem” (nº 11.196/2005), a companhia conseguiu rastrear e inserir junto ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação um total de R$ 17 milhões, aportados em projetos de inovação nos últimos três anos, rendendo um retorno total de R$ 3,6 milhões em benefícios.  

Leia mais »
Política de Gerenciamento Resíduos Sólidos

Política de gerenciamento de resíduos sólidos em instituições públicas

O presente estudo aborda a problemática ambiental da geração de resíduos sólidos e a inadequação do gerenciamento destes nas instituições públicas. Considerando as limitações das opções de destinação final para os resíduos, é imprescindível minimizar as quantidades utilizadas dentro destas organizações por meio da redução, reutilização e reciclagem. Diante da Política Nacional de Resíduos Sólidos e em consonância com a agenda 2030, busca-se contribuir e apontar caminhos para o enfrentamento da grave questão.

Leia mais »