saneamento basico

Odebrecht se torna oficialmente a empresa que ficará responsável pelos serviços de água e esgoto de Sumaré

A empresa Odebrecht tornou-se ontem oficialmente a empresa que ficará responsável pelos serviços de água e esgoto de Sumaré. Não houve nenhum recurso registrado contestando o processo licitatório.  A empresa ofereceu a proposta de R$ 91 milhões de outorga para assumir a autarquia. A empresa concorrente, a Aegea Saneamentos, havia oferecido R$ 87 milhões.

A próxima fase será a assinatura do contrato, o que deve ocorrer na próxima semana e, logo em seguida, será iniciada a fase de operações do DAE para a empresa vencedora que deve ocorrer em um prazo de 90 dias.

A Odebrecht deverá realizar, a curto, médio e longo prazos, investimentos na melhoria dos serviços e na universalização do acesso à água tratada e ao esgoto tratado da ordem de aproximadamente R$ 345,3 milhões, previstos no Plano Municipal de Saneamento Básico.

No total, treze empresas retiraram o edital de concessão, dessas, quatro fizeram visita técnica, três recolheram a fiança e apenas duas participaram da primeira etapa do certame e foram habilitadas para o prosseguimento da concorrência. A Odebrecht Ambiental, criada em 2008, opera os serviços de água e esgoto de mais de 170 municípios brasileiros, distribuídos em 11 Estados. A cidade mais próxima em que a empresa é a responsável pelo saneamento básico é Limeira.

De acordo com a Prefeitura, os recursos obtidos com a outorga oferecida pela empresa serão utilizados na realização de obras, serviços e melhorias nas áreas de educação, trânsito e manutenção.

A prestação dos serviços pela concessionária deverá ser fiscalizada tanto pela Prefeitura, enquanto poder concedente, quanto pela ARES PCJ (Agência Reguladora da Bacia PCJ, órgão autônomo ao qual Sumaré é filiado), pelo Ministério Público, pelo Poder Legislativo e pela sociedade civil em geral.

 

‘Boatos’

 

Os vereadores de Sumaré estão investigando desde junho deste ano, por meio de uma CEI (Comissão Especial de Inquérito), a concessão do DAE. A investigação já resultou na impugnação temporária pelo TCE (Tribunal de Contas do Estado) da licitação. A corte entendeu na época que existiam divergências na descrição do objeto do certame, contradições entre dispositivos que tratam dos projetos associados e serviços adicionais, além de algumas exigências técnicas contidas no edital que, segundo o Tribunal, denotariam potencial ofensivo à lei de regência. A Prefeitura justificou os questionamentos do Tribunal e o processo licitatório foi retomado.

A CEI, que tem menos de um mês para ser concluída, deverá concentrar os esforços na relação entre as empresas que participaram do processo licitatório devido aos boatos que ocorrem desde o período eleitoral de que o DAE seria ‘concedido’ e que quem ganharia o processo seria a empresa Odebrecht. “Desde o período eleitoral existe o boato de que a Odebrecht ganharia o processo de licitação do DAE, são muitos os comentários. A gente sabe que tem comentários maldosos, mas, coincidência ou não, esse se concretizou. Pelo tempo que nós temos e pela burocratização da entrega dos documentos, acho difícil conseguirmos apurar essas ‘denúncias’, mas vamos nos concentrar nisso e fazer o possível”, disse o presidente da CEI, vereador Geraldo Medeiros (PT).

Durante a reunião entre os membros da CEI, realizada no último dia 17, foi lido um documento em que a Sabesp declarou que interromperá em curto tempo o fornecimento de água a aproximadamente um terço da população suamareense. A empresa alegou insegurança jurídica devido ao não esclarecimento no edital de concessão do DAE, que impede negociações e alinhamentos operacionais compatíveis com a prestação de serviço oferecida até então pela empresa.

Últimas Notícias:
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »
Lei do Bem Cagece

Lei do Bem: Cagece alcança R$ 3,6 milhões em benefícios fiscais através de investimentos em projetos de inovação tecnológica

A Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) é pioneira no Ceará em aliar os investimentos em projetos de inovação tecnológica e transformá-los em benefícios fiscais. Por meio da chamada “Lei do Bem” (nº 11.196/2005), a companhia conseguiu rastrear e inserir junto ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação um total de R$ 17 milhões, aportados em projetos de inovação nos últimos três anos, rendendo um retorno total de R$ 3,6 milhões em benefícios.  

Leia mais »
Política de Gerenciamento Resíduos Sólidos

Política de gerenciamento de resíduos sólidos em instituições públicas

O presente estudo aborda a problemática ambiental da geração de resíduos sólidos e a inadequação do gerenciamento destes nas instituições públicas. Considerando as limitações das opções de destinação final para os resíduos, é imprescindível minimizar as quantidades utilizadas dentro destas organizações por meio da redução, reutilização e reciclagem. Diante da Política Nacional de Resíduos Sólidos e em consonância com a agenda 2030, busca-se contribuir e apontar caminhos para o enfrentamento da grave questão.

Leia mais »