saneamento basico
Comitê da Bacia do Rio Pardo

Conselho de Recursos Hídricos aprova criação do Comitê da Bacia do Rio Pardo

Comitê da Bacia do Rio Pardo

Os membros do Conselho Estadual do Recursos Hídricos (CERH) realizaram a 53ª reunião ordinária na manhã de sexta-feira (11), em ambiente virtual, para discutir diversos assuntos da pauta, entre elas a criação do Comitê de Bacia Hidrográfica do Rio Pardo, bem como a Resolução que cria seu regimento interno. A questão foi aprovada.

Trata-se da mais importante bacia hidrográfica do Estado porque abrange 11 municípios, entre os quais a Capital Campo Grande.

“É uma bacia importante pelo volume de usuários que estão dentro dela, portanto se fazia necessário que a gente tivesse um comitê para melhorar a gestão dos recursos hídricos”, ponderou o secretário de Meio Ambiente, Desenvolvimento, Ciência, Tecnologia e Inovação (Semadesc), Jaime Verruck, que também preside o Conselho. O secretário executivo de Meio Ambiente da Semadesc, Artur Falcette, também participou da reunião.

Em suma a Bacia Hidrográfica do Rio Pardo está localizada porção leste do Estado, inserida na bacia do Rio Paraná. Abrange uma área de 39.419 quilômetros quadrados e compreende as áreas territoriais dos municípios de Campo Grande, Bandeirantes, Bataguassu, Brasilândia, Camapuã, Jaraguari, Nova Andradina, Nova Alvorada do Sul, Ribas do Rio Pardo, Rochedo e Santa Rita do Pardo.

LEIA TAMBÉM: UFSC terá sistema piloto de tratamento de água em pesquisa com a Petrobras

Em conclusão a aprovação pelo Conselho de Recursos Hídricos finaliza um longo processo de estudos e discussões que envolveu especialistas, representantes de usuários e gestores públicos do Imasul (Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul). Integraram o Grupo de Trabalho, formado no início do ano, representantes do Grupo Suzano e da Águas Guariroba, como grandes usuários; da UEMS (Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul), como instituição de pesquisa; do Conselho Gestor da APA do Guariroba e das prefeituras de:

  • Jaraguari,
  • Bataguassu,
  • Camapuã,
  • Ribas do Rio Pardo,
  • Nova Alvorada do Sul,
  • Campo Grande.

Comitê da Bacia do Rio Pardo

Pois o secretário Jaime Verruck destacou o aumento na demanda pelo uso da água na bacia do Rio Pardo, com a implantação de complexos industriais. Como a indústria de papel e celulose da Suzano em Ribas do Rio Pardo, de PCHs (Pequenas Centrais Hidrelétricas) e CGHs (Centrais Geradoras Hidrelétricas), o que justifica a criação do Comitê para ajudar no gerenciamento dos recursos hídricos.

Ademais o próximo passo, após aprovação da criação do Comitê e de seu regimento interno pelo Conselho, será a convocação das entidades interessadas em participar do colegiado para que indiquem representantes e se faça a eleição. O secretário Jaime Verruck acredita que esse processo esteja finalizado nos primeiros meses do ano que vem.

Portanto Mato Grosso do Sul passa a ter quatro comitês estaduais de bacia: do Miranda, do Ivinhema, dos rios Santana e Aporé e agora do rio Pardo. Ao todo o Estado tem 15 bacias hidrográficas, sendo que um comitê – do Santana e Aporé – gerencia duas bacias. Há, ainda, o Comitê Federal da Bacia do Rio Paranaíba.

Outras pautas

Em suma na mesma reunião os membros do CERH/MS aprovaram a Resolução que chancela o Plano de Capacitação para Gestão de Recursos Hídricos 2024/2027 (Progestão). Esse Programa vem sendo desenvolvido no Estado desde 2018, em parceria com a Agência Nacional de Águas.

Contudo todos os anos os eventos de capacitação em recursos hídricos oferecidos pelo estado ou por parceiros ao público interno do Imasul e ao público externo (membros de comitês, conselhos e outros) são cadastrados e elaborado relatórios anuais para comprovação junto à Agência Nacional de Água e Saneamento Básico em atendimento à meta federativa.

Fonte: Progresso.

Últimas Notícias:
Risco Ambiental Fármacos Esgoto

Avaliação de risco ambiental de fármacos e desreguladores endócrinos presentes no esgoto sanitário brasileiro

Este estudo investigou a ocorrência, remoção e impacto na biota aquática de 19 contaminantes de preocupação emergente (CEC) comumente reportados no esgoto brasileiro bruto e/ou tratado. Para 14 CEC (E1, E2, EE2, GEN, DCF, PCT, BPA, IBU, NPX, CAF, TMP, SMX, CIP, LEV), sua presença em esgoto tratado apresentou um alto risco ambiental em pelo menos 2 dos 6 cenários de diluição considerados.

Leia mais »
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »