saneamento basico

Água subterrânea é alternativa para amenizar a crise

A Servmar, especialista em gestão de recursos hídricos, alerta para a necessidade de conhecimento técnico e concessão de licenças legais, sob risco de contaminação e rebaixamento maior dos aquíferos

A crise de abastecimento de água na cidade de São Paulo tem ampliado o interesse de empresas e pessoas físicas pela instalação de poços de abastecimento. Esta opção, contudo, requer cuidados técnicos e uma série de procedimentos legais, para que os poços sejam instalados dentro das normas, a qualidade da água seja verificada e sejam evitadas ameaças às reservas de água, segundo alerta a Servmar, uma das principais consultorias da área ambiental no País, especializada em gestão de recursos hídricos.

Na avaliação da Servmar, a ordenação, gestão e exploração do recurso hídrico subterrâneo de forma adequada pode trazer uma contribuição significativa para a solução do problema de abastecimento em São Paulo, sem risco para o aquífero. “As matrizes hídricas devem ser estudadas e geridas como um sistema integrado, com a compreensão do comportamento da água subterrânea e sua interação com a água superficial”, afirma Emanuel L’Apiccirella, hidrogeólogo da Servmar.

Isto requer a realização de modelos matemáticos, que permitam gerir as concessões de água com maior eficiência, permitindo, assim, ampliar significativamente o volume de água a ser aproveitada. Segundo L’Apiccirella, pode-se somar a isso também novos volumes obtidos com um melhor direcionamento de águas de chuvas e recuperação de águas de efluentes domésticos e industriais tratados.

“É certo que a região metropolitana de São Paulo está passando por uma das maiores estiagens de sua história, porém cientistas alertaram que estava por vir uma seca cíclica, que havia ocorrido pela última vez nessas proporções na década de 30”, lembra ele, ao destacar que deveria ter sido realizado um estudo mostrando claramente as vulnerabilidades e, sobretudo, o que fazer frente a diferentes cenários de stress hídrico. “Além do planejamento e construção de sistemas produtores de água potável, faltou avaliar as reais consequências que a população seria submetida frente a seca e, sobretudo, um plano de contingência para lidar com situações como essa que estamos vivendo hoje.”

Um recente estudo conduzido pela Servmar para a Fundação da Bacia Hidrográfica do Alto Tietê mostrou que as águas subterrâneas são o quarto principal manancial de água para a região metropolitana de São Paulo, fornecendo mais de 10 m3/s. Entretanto, o mesmo estudo apontou que, em algumas áreas, a bacia já mostra sinais de exaustão, devido à grande densidade de poços que estão retirando elevada quantidade de água, como são os casos na região do ABC, centro-norte de São Paulo e Guarulhos, além de haver forte risco de contaminação em regiões como a do Jurubatuba, regiões da zona leste e o ABCD.

Há soluções até mesmo para uma região industrial como a de Jurubatuba, na zona sul de São Paulo, onde ocorre uma contaminação da água subterrânea das mais expressivas do mundo. Lá, a Servmar realizou um estudo para o DAEE que reordenou áreas de restrição de uso de água subterrânea, permitindo que, em certas áreas, onde havia proibição, o uso da água pudesse ser liberado sob condições específicas e de maneira controlada.

“O Aquífero Guarani, um dos principais do País, está muito longe da cidade de São Paulo para se aduzir água a um custo razoável, mas poderia ser usado para abastecer cidades que dependem do Sistema Cantareira, tais como Piracicada, Americana, Nova Odessa e Sumaré. Isso aliviaria o Sistema Cantareira e liberaria mais água para São Paulo.”

Cabe alertar que a utilização dos recursos hídricos de águas profundas – não renováveis – é um tema que tem sido debatido entre os especialistas. “Há escolas que defendem o uso do aquífero Guaraní como um recurso estratégico, que deveria ser reservado e aproveitado sob condições específicas, levando-se em conta a água como uma riqueza futura. Isto porque, com exceção das áreas de afloramento do aquífero Guarani, a recarga do aquífero não ocorre nas imediações de Ribeirão Preto e Botucatu, pelo fato de ser um aquífero confinado. Portanto, esta reserva não é renovável, na escala de tempo humana, o que requer cuidado”, explica o hidrogeólogo da Servmar.

O aquífero Guaraní já vem sofrendo o impacto de explorações que têm levado a um expressivo rebaixamento das reservas. Há regiões do interior do Estado de São Paulo, como o município de Barretos, no qual foram observados rebaixamentos de cerca de 100 metros de profundidade no nível d’água em poços de abastecimento público no aquífero Guarani. “Mesmo após terem sido observados estes níveis de rebaixamento, na última década foram concedidas licenças, no município, para irrigação em fazendas de produção de laranja e cana de açúcar”, observa ele.

Na avaliação do hidrogeólogo da Servmar, o aquífero Guarani poderia justamente ser protegido e utilizado prioritariamente para o abastecimento público, podendo ser acionado principalmente nos momentos de escassez de água.
SOBRE A SERVMAR
Fundada em 1986, a Servmar é uma empresa do Grupo Unipetro – que conta com 27 empresas e atua nos segmentos de distribuição de combustíveis, concessionárias de veículos e serviços ambientais. Sediada na cidade de São Paulo, a Servmar possui hoje filiais em Diadema (SP) e no Rio de Janeiro (RJ); bases operacionais em Duque de Caxias (RJ) e em Macaé (RJ); e bases de apoio em Porto Alegre (RS), Curitiba (PR), Campo Grande (MS) e Montevidéu (Uruguai).

Entre os serviços oferecidos pela companhia destacam-se projetos de gestão de áreas contaminadas, gestão inteligente de água (estudos hidrogeológicos, tratamento de efluentes e reuso de água), projetos e construção de sistemas de armazenamento de combustíveis, estudos ambientais, construção civil industrial, gestão de resíduos, manutenção predial e gestão integrada de pontos de abastecimento, entre outros.

Sua equipe multidisciplinar conta com cerca de 1.000 colaboradores, incluindo geólogos, engenheiros civis e ambientais, biólogos, hidrogeólogos, entre outros. Sua carteira de clientes é diversificada nos setores de concessionárias de abastecimento de água, indústria (alimentos, bebidas, petroquímica, siderurgia, etc.), construção, óleo e gás, mineração e hidroenergia, entre outros.


Informações à Imprensa:

GPCOM Comunicação Corporativa
Daniela Ceneviva ([email protected])
Giovanna Picillo
(11) 3129-5158
[email protected]
www.gpcom.com.br

Últimas Notícias:
Descarte Correto de Resíduos

Saiba como descartar resíduos corretamente e evitar doenças como a dengue

Além de crime ambiental, o descarte irregular de resíduos sólidos traz diversos prejuízos ao meio ambiente e à população. Estes pontos se tornam ambientes propícios para a proliferação de vetores de doenças, levando às situações de alagamentos em período de chuva, comprometendo a qualidade do ambiente e da paisagem do local, além de gerar o aumento dos custos públicos com a remoção do material descartado de forma incorreta e também dos gastos com saúde pública.

Leia mais »
Contrato Sabesp Vale do Paraíba

Novo contrato da Sabesp prevê aporte de R$ 18,6 bilhões no Vale do Paraíba até 2060

Atualmente em consulta pública, o novo contrato da Sabesp encontra-se em processo de desestatização, proposto pelo governo do estado de São Paulo. Os investimentos estão previstos em R$ 18,6 bilhões até o ano de 2060, no Vale do Paraíba e Litoral Norte. Cerca de R$ 5 bilhões serão destinados à universalização do saneamento básico nas 28 cidades atendidas pela Sabesp na região até 2029. As obras que pretendem levar água potável, coleta e tratamento de esgoto para toda a população, foram definidas com as prefeituras.

Leia mais »
Dmae Fumaça Ligações Irregulares

Dmae de Uberlândia/MG vai iniciar testes de fumaça para identificar ligações irregulares de esgoto

A partir da próxima segunda-feira (4), o Departamento Municipal de Água e Esgoto (Dmae) iniciará testes de fumaça para detectar ligações irregulares na rede de esgoto do município. O primeiro bairro atendido será a região do bairro Pampulha. O local em questão foi escolhido para iniciar os trabalhos devido ao grande número de chamados para desobstrução de rede, especialmente em período de chuva. Futuramente, outros bairros da cidade receberam os mesmos testes.

Leia mais »
Manejo de Resíduos Biometano Brasileiro

Ao custo global de R$ 3,1 tri, manejo de resíduos pode virar negócio, como o biometano brasileiro

Segundo alerta feito pela ONU nesta quarta-feira, 28, o volume de resíduos no mundo, que atingiu 2,3 bilhões de toneladas em 2023, continuará crescendo exponencialmente, até 3,8 bilhões de toneladas até meados deste século. A crise será ainda mais grave nos países onde os métodos de tratamento ainda são poluentes: aterros sanitários (contaminação do solo, emissões de poluentes e gases de efeito estufa, como o metano) e incineração sem recuperação.

Leia mais »
Sanasa Campinas Saneamento Básico

Campinas tem saneamento superior à média nacional

Dados do “Censo 2022: Características dos domicílios – Resultados do universo”, publicados na sexta-feira (23) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) confirmam a elevação dos indicadores de moradores com acesso ao saneamento básico em Campinas.

Leia mais »