saneamento basico

Tubulações de esgotos estourados no Rio comemoram um ano

Cerca de quatro tubulações de esgoto estão vazando há um ano no Morro do Adeus, favela do Alemão, causando mau cheiro e levando vetores de doenças, como ratos e insetos, às residências. “Alguns meses atrás parou um carro da Cedae aqui na rua e os operários deram uma olhada no problema, chegaram a resolver, mas por pouco tempo. No dia seguinte o esgoto vazava novamente.” contou Rodrigo dos Santos, 31, para o Voz das Comunidades

As tubulações “nasceram” em abril de 2014 causando enormes problemas para os moradores locais, em uma única só rua existem 4 delas estouradas.

Cerca de 4 tubulações de esgoto estourados na Rua Engenheiro Manuel Segurado, Morro do Adeus no Complexo do Alemão, anda causando problemas para os moradores da região. As águas sujas de esgotos que vazam das tubulações, causam um mau cheiro, migração de ratos e mosquitos e doenças. Moradores da região já entraram em contato com a CEDAE empresa responsável pelo a manutenção e abastecimento de águas do estado, e afirmam que não houve um retorno.

“Alguns meses atrás parou um carro da CEDAE aqui na rua e os operários deram uma olhada no problema, chegaram a resolver, mas por pouco tempo. No dia seguinte o esgoto vazava novamente..” Conta o Motorista Rodrigo dos Santos de 31 anos morador do local, que afirma que o problema maior é na rede de tubulação dos esgotos da rua.

A falta de saneamento é um dos principais tormentos dos moradores do Morro do Adeus. É constante encontrarmos esgotos a céu aberto em todos os trajetos do morro. Os moradores entram em contato com a CEDAE, mas a mesma não resolve o problema. Eles relatam que os esgotos estão jorrando há quase um ano e o mal cheiro incomoda os pedestres que caminham pelo local.

Já em outra parte da favela, mas no mesmo Complexo, moradores da Rua Régio sofrem com esgotos que invadem suas casas sem pedir permissão, na marra.

As principais queixas dos moradores são com o mal cheiro e bichos no local, eles relataram que já fizeram o contato com a CEDAE por diversas vezes, mas a empresa não resolveu o caso. O aposentado Antônio Araújo Chaves, 79 anos, contou que havia uma manilha grande no local, porém fazem 5 anos que foi trocada por uma mais fina. Com o passar dos anos a tubulação entupiu, ocasionando o vazamento de esgoto.

Os problemas, abusados como sempre, invadem as residências dos moradores diariamente, ficando mais ocioso em período de forte chuvas.

“A CEDAE cavou vários buracos na rua, buscando solucionar o problema, mas foi em vão. Acredito que com um trator os funcionários conseguiriam resolver essa vala”, diz senhor Antônio.

É importante lembrar que os moradores também possuem um papel importante nessa situação, a conscientização em não jogar o lixo em lugares inadequados. Em Dezembro a CEDAE informou que iria vistoriar o vazamento, mas segundo os moradores não houve vistoria. Aguardamos resposta da empresa.

 
Fonte: Brasil 247

Últimas Notícias:
Risco Ambiental Fármacos Esgoto

Avaliação de risco ambiental de fármacos e desreguladores endócrinos presentes no esgoto sanitário brasileiro

Este estudo investigou a ocorrência, remoção e impacto na biota aquática de 19 contaminantes de preocupação emergente (CEC) comumente reportados no esgoto brasileiro bruto e/ou tratado. Para 14 CEC (E1, E2, EE2, GEN, DCF, PCT, BPA, IBU, NPX, CAF, TMP, SMX, CIP, LEV), sua presença em esgoto tratado apresentou um alto risco ambiental em pelo menos 2 dos 6 cenários de diluição considerados.

Leia mais »
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »