saneamento basico

Empresas de saneamento do país buscam alternativas de financiamento

São Paulo – Algumas empresas do setor de saneamento estão buscando alternativas de financiamento para substituir emissões que esperavam fazer de debêntures incentivadas. O volume de exigências e as dificuldades para terem seus projetos aprovados no Ministério das Cidades afasta esses potenciais emissores, apesar do grande interesse e da alta necessidade de investimento na área no país.

Para universalização da água e de esgoto tratado no Brasil é preciso investir R$ 313 bilhões, a preços médios de 2013, de acordo com o estudo Benefícios Econômicos da Expansão do Saneamento Brasileiro, elaborado pelo Instituto Trata Brasil e pelo Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS).

A título de comparação, esse montante supera o investimento previsto pelo governo, de R$ 271 milhões entre 2014 a 2017, em infraestrutura no setor de logística e elétrico.

Entre os principais empecilhos está a vedação do ministério, responsável pelo enquadramento dos projetos nesse segmento, ao uso dos recursos provenientes da emissão das chamadas debêntures de infraestrutura para o financiamento de outorga. Esse entendimento, entretanto, contraria a própria Lei 12.431 que permite tal destino para as debêntures, destacam advogados.

Entre essas empresas está a CAB Cuiabá, SPE da Cab Ambiental, braço do grupo Galvão Participações, que após dois anos de tentativas no ministério está fechando uma operação de crédito para substituir uma emissão de debêntures incentivadas. No mercado, comenta-se que várias outras desistiram de entregar pedido ao ministério ou adiaram planos de utilizar o instrumento, recorrendo, portanto, a alternativas.

O pedido de enquadramento da CAB Cuiabá foi um dos primeiros apresentados ao ministério como parte do financiamento de projeto de concessão de água e esgoto no município de Cuiabá (MT). O investimento previsto no projeto é de R$ 1,1 bilhão, dividido em duas partes e tendo 80% deles alavancados na maior parte pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

As debêntures de infraestrutura seriam utilizadas para financiar parte dos 20%, equivalentes a R$ 120 milhões na época, que caberiam ao aporte dos acionistas no financiamento do projeto e direcionados ao pagamento da outorga. (AE)

Últimas Notícias:
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »
Lei do Bem Cagece

Lei do Bem: Cagece alcança R$ 3,6 milhões em benefícios fiscais através de investimentos em projetos de inovação tecnológica

A Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) é pioneira no Ceará em aliar os investimentos em projetos de inovação tecnológica e transformá-los em benefícios fiscais. Por meio da chamada “Lei do Bem” (nº 11.196/2005), a companhia conseguiu rastrear e inserir junto ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação um total de R$ 17 milhões, aportados em projetos de inovação nos últimos três anos, rendendo um retorno total de R$ 3,6 milhões em benefícios.  

Leia mais »
Política de Gerenciamento Resíduos Sólidos

Política de gerenciamento de resíduos sólidos em instituições públicas

O presente estudo aborda a problemática ambiental da geração de resíduos sólidos e a inadequação do gerenciamento destes nas instituições públicas. Considerando as limitações das opções de destinação final para os resíduos, é imprescindível minimizar as quantidades utilizadas dentro destas organizações por meio da redução, reutilização e reciclagem. Diante da Política Nacional de Resíduos Sólidos e em consonância com a agenda 2030, busca-se contribuir e apontar caminhos para o enfrentamento da grave questão.

Leia mais »