saneamento basico
Concessão Esgoto Brusque

Instituto mineiro elabora estudo para concessão do tratamento de esgoto sanitário em Brusque/SC

Concessão Esgoto Brusque

Por Thiago Facchini 

Primeiramente a concessão do tratamento de esgoto sanitário em Brusque voltou à pauta da prefeitura. A expectativa do governo é lançar o edital neste ano.

No fim do ano passado, um acordo de cooperação foi firmado entre a prefeitura e o Instituto de Planejamento e Gestão de Cidades (IPGC), de Minas Gerais, para elaboração de estudo.

Contudo diversos projetos estão listados no acordo de cooperação, o que permite que o instituto realize estudos sobre vários assuntos relacionados a concessões e parcerias público-privadas (PPPs). No entanto, o foco do acordo é o esgotamento sanitário.

“A intenção do acordo de cooperação é que o instituto realize estudo para fins de concessão principalmente do esgotamento sanitário. Por meio do acordo, a prefeitura consegue realizar estudos sem custo”, explica o secretário de Fazenda, José Henrique Nascimento.

Ademais na prática, o instituto presta um suporte para a prefeitura. A agenda de concessões e parcerias público-privadas é uma promessa de campanha do governo. Futuramente, com o acordo, o instituto poderá atuar em outros projetos estratégicos.

Concessão Esgoto Brusque

Portanto o acordo é assinado pelo prefeito de Brusque, André Vechi (PL), e pelo diretor-presidente do IPCG, Leonardo Luiz dos Santos, e firmado no dia 5 de novembro de 2023. Consta no documento que a parceria é para fins de “assessoria, estudos e modelagem para estruturação dos projetos estratégicos de concessões e PPPs”.

Ainda segundo o secretário, o instituto é uma organização sem fins lucrativos que atua em projetos por todo Brasil, incluindo Santa Catarina, em cidades como Palhoça e São José, na Grande Florianópolis, Blumenau e outras.

“O acordo não tem nenhuma obrigatoriedade em relação a repasse financeiro. Foi uma modalidade que encontramos para avançar nos estudos destes projetos de concessões e PPPs. O primeiro é a concessão do esgotamento sanitário, em que já há o levantamento de informações para lançarmos o edital ainda neste ano”.

Mas José Henrique reforça que, no momento, o único foco da prefeitura relacionado à atuação do instituto é relacionado ao esgotamento sanitário. O secretário garante que a prefeitura não será prejudicada caso o processo de concessão seja inviabilizado por entraves.

“Uma vantagem é que, caso novamente dê errado, como aconteceu em anos anteriores, a prefeitura não pagou nada”, garante. “É uma vantagem mega competitiva para nós, que contaremos com um estudo de grande relevância”, celebra.

Em suma no acordo, é citado também como exemplo a elaboração de estudo para concessão da operação e manutenção dos sistemas de abastecimento de água potável. Questionado, José Henrique diz que não há chance alguma disso acontecer e que foi utilizado um modelo padrão de acordo. Ele comenta que o trecho será retirado.

Plano Municipal de Parcerias

Contudo a concessão do tratamento de esgoto faz parte do Plano Municipal de Parcerias, lançado pela prefeitura no ano passado. O objetivo é atrair a iniciativa privada para gerir determinados serviços e equipamentos públicos.

Além do esgotamento sanitário, visto como prioridade, outros espaços também podem ser destinados ao setor privado por meio de concessões ou PPPs, como Arena Brusque, pavilhão da Fenarreco, Zoobotânico, parque das esculturas e outros.

Fonte: OM.

Últimas Notícias:
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »
Lei do Bem Cagece

Lei do Bem: Cagece alcança R$ 3,6 milhões em benefícios fiscais através de investimentos em projetos de inovação tecnológica

A Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) é pioneira no Ceará em aliar os investimentos em projetos de inovação tecnológica e transformá-los em benefícios fiscais. Por meio da chamada “Lei do Bem” (nº 11.196/2005), a companhia conseguiu rastrear e inserir junto ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação um total de R$ 17 milhões, aportados em projetos de inovação nos últimos três anos, rendendo um retorno total de R$ 3,6 milhões em benefícios.  

Leia mais »
Política de Gerenciamento Resíduos Sólidos

Política de gerenciamento de resíduos sólidos em instituições públicas

O presente estudo aborda a problemática ambiental da geração de resíduos sólidos e a inadequação do gerenciamento destes nas instituições públicas. Considerando as limitações das opções de destinação final para os resíduos, é imprescindível minimizar as quantidades utilizadas dentro destas organizações por meio da redução, reutilização e reciclagem. Diante da Política Nacional de Resíduos Sólidos e em consonância com a agenda 2030, busca-se contribuir e apontar caminhos para o enfrentamento da grave questão.

Leia mais »