saneamento basico

BNDES socorre elétricas com R$ 3bi

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) deve bancar parte do novo empréstimo de socorro às distribuidoras de energia elétrica. Fora do “pool” de bancos que financiou o primeiro empréstimo ao setor, o banco deve agora entrar com R$ 3 bilhões, disseram fontes do governo ao Broadcast, serviço em tempo real da Agência Estado.

Outros R$ 3,5 bilhões deverão ser financiados pelo sindicato de bancos da operação inicial. As negociações para a renovação do empréstimo, que começaram na quinta-feira, em reunião do secretário executivo do Ministério da Fazenda, Paulo Caffarelli, com os bancos, indicaram a necessidade de uma captação de cerca de R$ 6,5 bilhões.

O desenho da operação e os valores ainda não estão fechados, mas o novo empréstimo ficará maior que o previsto, depois que o governo foi obrigado a negociar nova ajuda às distribuidoras. Com dificuldades financeiras, elas ameaçaram pedir reajustes extraordinários da conta de luz, o que obrigou o governo a reabrir negociações.

A expectativa era de um empréstimo entre R$ 2 bilhões e R$ 3 bilhões. Mas as dificuldades encontradas foram maiores do que se esperava. Com medo de que a inflação ultrapasse o teto da meta deste ano, o governo também quer evitar que o custo maior das distribuidoras seja transferido para a tarifa ainda em 2014. É que os valores que eventualmente não forem cobertos por um novo financiamento terão de ser repassados ao consumidor.
Se não houver definição para o problema, as empresas que passaram por processos de reajuste neste ano poderão solicitar revisão tarifária extraordinária, ou seja, aumento extra, além do autorizado uma vez por ano.

O diretor-geral da Aneel, Romeu Rufino, alertou para a falta de capacidade financeira das distribuidoras de arcar com o descompasso remanescente entre a energia garantida em contratos de longo prazo com as geradoras e a eletricidade que elas precisam comprar a preços mais altos no mercado à vista.

Mesmo com o leilão emergencial em abril, o empréstimo bancário de R$ 11,2 bilhões viabilizado pelo governo só foi suficiente para cobrir o buraco das empresas até o fim daquele mês.

O ingresso do BNDES no pool deve ocorrer porque os bancos alegam que não têm margem para arcar com novo financiamento em valores tão elevados concentrado na Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), associação que reúne as empresas do setor.

Antes mesmo de concretizada, a participação do BNDES já era criticada por economistas em razão de o banco ter recebido empréstimos vultosos do Tesouro com taxas subsidiadas. A crítica é de que é o próprio Tesouro que, em última instância, estaria bancando a operação, sem precisar usar recursos orçamentários que teriam impacto nas despesas e na meta fiscal.

Fonte: Estadão
Leia mais: http://economia.estadao.com.br/noticias/geral,bndes-socorre-eletricas-com-r-3-bi,1531655

Últimas Notícias:
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »
Lei do Bem Cagece

Lei do Bem: Cagece alcança R$ 3,6 milhões em benefícios fiscais através de investimentos em projetos de inovação tecnológica

A Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) é pioneira no Ceará em aliar os investimentos em projetos de inovação tecnológica e transformá-los em benefícios fiscais. Por meio da chamada “Lei do Bem” (nº 11.196/2005), a companhia conseguiu rastrear e inserir junto ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação um total de R$ 17 milhões, aportados em projetos de inovação nos últimos três anos, rendendo um retorno total de R$ 3,6 milhões em benefícios.  

Leia mais »
Política de Gerenciamento Resíduos Sólidos

Política de gerenciamento de resíduos sólidos em instituições públicas

O presente estudo aborda a problemática ambiental da geração de resíduos sólidos e a inadequação do gerenciamento destes nas instituições públicas. Considerando as limitações das opções de destinação final para os resíduos, é imprescindível minimizar as quantidades utilizadas dentro destas organizações por meio da redução, reutilização e reciclagem. Diante da Política Nacional de Resíduos Sólidos e em consonância com a agenda 2030, busca-se contribuir e apontar caminhos para o enfrentamento da grave questão.

Leia mais »