saneamento basico

Distribuidoras têm de equacionar custo de R$ 2,4 bi

O custo adicional a ser equacionado pelas distribuidoras de energia até o fim do ano deve ficar em torno de R$ 2,4 bilhões, após o leilão A-0 e o empréstimo de R$ 11,2 bilhões intermediado pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) junto a um sindicato de bancos.

A estimativa foi feita pelo presidente da Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica (Abradee), Nelson Leite.

O leilão de energia realizado no último dia 30 contratou 85% das necessidades totais de 2,4 mil megawatts (MW) médios das distribuidoras.

Com isso, Leite avalia que o custo que seria de R$ 10 bilhões com essa energia cai a R$ 1,5 bilhão até dezembro.

Antes do leilão as empresas vinham recorrendo ao mercado à vista para comprar a diferença da energia descoberta ao preço de R$ 822 o MW/h (o chamado preço de liquidação de diferenças – PLD), o que provocou um rombo no caixa das empresas.

O cálculo da Abradee leva em conta a diferença entre o preço médio de R$ 268 contratado no leilão e a tarifa de energia.

“É muito melhor do que seria sem o leilão. Ele traz um ganho, mas temos que avaliar isso porque ainda há R$ 1,5 bilhão de diferença que será repassado ao longo do reajuste tarifário já nesse ano”, disse Leite no 11º Encontro Nacional do Setor Elétrico (Enase).

A conta da Abradee também leva em conta os cerca de 350 MW médios de exposição não cobertos pelo leilão e que ainda deverão custar R$ 907 milhões.

Esse total terá que ser liquidado ao preço do PLD médio, que poderá cair de R$ 822 a algo em torno de R$ 600 nos próximos meses.

“Reduziu (o custo adicional não equacionado) significativamente. O leilão e o empréstimo foram duas iniciativas bem sucedidas”, disse.

As soluções para arcar com esses R$ 2,4 bilhões ainda serão discutidas pelo governo. Leite não descarta um novo empréstimo, uma solução de mercado que em sua avaliação revelou a credibilidade do setor elétrico junto aos bancos.

Fonte e Agradecimentos: Exame
Veja Mais: http://exame.abril.com.br/economia/noticias/distribuidoras-tem-de-equacionar-custo-de-r-2-4-bi

Últimas Notícias:
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »
Lei do Bem Cagece

Lei do Bem: Cagece alcança R$ 3,6 milhões em benefícios fiscais através de investimentos em projetos de inovação tecnológica

A Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) é pioneira no Ceará em aliar os investimentos em projetos de inovação tecnológica e transformá-los em benefícios fiscais. Por meio da chamada “Lei do Bem” (nº 11.196/2005), a companhia conseguiu rastrear e inserir junto ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação um total de R$ 17 milhões, aportados em projetos de inovação nos últimos três anos, rendendo um retorno total de R$ 3,6 milhões em benefícios.  

Leia mais »
Política de Gerenciamento Resíduos Sólidos

Política de gerenciamento de resíduos sólidos em instituições públicas

O presente estudo aborda a problemática ambiental da geração de resíduos sólidos e a inadequação do gerenciamento destes nas instituições públicas. Considerando as limitações das opções de destinação final para os resíduos, é imprescindível minimizar as quantidades utilizadas dentro destas organizações por meio da redução, reutilização e reciclagem. Diante da Política Nacional de Resíduos Sólidos e em consonância com a agenda 2030, busca-se contribuir e apontar caminhos para o enfrentamento da grave questão.

Leia mais »