saneamento basico

Variáveis abióticas e sua correlação com a concentração de clorofila “A” em águas superficiais de abastecimento público em Goiás

Resumo

A ação humana tem provocado transformações em todos os ecossistemas, em especial no ecossistema aquático. Em decorrência da exploração hídrica há uma vertiginosa degradação na sua qualidade. O enriquecimento artificial dos corpos hídricos tem como consequência o crescimento de organismos fotossintetizantes, sendo a clorofila “a” um dos parâmetros para medir este crescimento. Dessa forma, o presente estudo teve como objetivo avaliar a correlação entre as variáveis abióticas e a concentração de Clorofila “a” em mananciais de superfície de abastecimento público no estado de Goiás. Este estudo foi realizado no período de 2007 a 2016 em 14 bacias hidrográficas. Para o tratamento dos dados foi utilizado o modelo de regressão não paramétrico Kernel Regression with Mixed Data Types obtido através do programa R. Os resultados demonstraram correlação significativa entre a clorofila “a” e as variáveis abióticas nitrato e DBO. Este estudo evidenciou que a insuficiência de dados amostrais aliado ao agrupamento das variáveis no período estudado para as 14 bacias interferiu nos resultados encontrados.

Introdução

O resultado das atividades elaboradas pelo homem como: práticas agrícolas, expansão industrial, expansão populacional e urbanização aliado as alterações naturais do ambiente são potencialmente impactantes no grau de trofia dos corpos hídricos (LAMPARELLI, 2004). Estas alterações podem modificar as características físicas, químicas e biológicas da água comprometendo a biodiversidade aquática bem como a saúde humana. Este processo de antropização exige o monitoramento dos usos múltiplos da água (TUNDISI, 2008; TUNDISI, 2010).

Um dos parâmetros de monitoramento é a clorofila que compõe um grupo de fotopigmentos presente nos cloroplastos de vegetais superiores e em organismos fotossintetizantes de águas dulcícolas e oceânicas (DI BERNARDO et al., 2010).

A clorofila “a” como parâmetro químico é utilizada como estimativa para o cálculo da biomassa da comunidade fotossintetizante aquática, sendo um parâmetro empregado no monitoramento das condições tróficas do ambiente aquático (ATAYDE et al., 1998; ESTEVES, 2011). Sendo um método rápido e de baixo custo, representando uma medida indireta da produtividade aquática (LAMPARELLI, 2004). Observa-se na Figura 1 a estrutura química da clorofila “a”, onde no centro da molécula do anel porfirínico da clorofila tem um átomo de magnésio (Mg) que é estimulado pela luz e que está ligado a uma cadeia longa e apolar (SOARES, 2006). O presente estudo teve como objetivo avaliar a correlação entre as variáveis abióticas e a concentração de Clorofila “a” em mananciais de superfície de abastecimento público no estado de Goiás.

(…)05

Autores: Cláudia Alves de Souza; Silvia Moreira dos Santos; Rosana Aparecida Costa; Wedeusleia Alves Oliveira e Paulo Sérgio Scalize.

baixe-aqui

Últimas Notícias:
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »
Lei do Bem Cagece

Lei do Bem: Cagece alcança R$ 3,6 milhões em benefícios fiscais através de investimentos em projetos de inovação tecnológica

A Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) é pioneira no Ceará em aliar os investimentos em projetos de inovação tecnológica e transformá-los em benefícios fiscais. Por meio da chamada “Lei do Bem” (nº 11.196/2005), a companhia conseguiu rastrear e inserir junto ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação um total de R$ 17 milhões, aportados em projetos de inovação nos últimos três anos, rendendo um retorno total de R$ 3,6 milhões em benefícios.  

Leia mais »
Política de Gerenciamento Resíduos Sólidos

Política de gerenciamento de resíduos sólidos em instituições públicas

O presente estudo aborda a problemática ambiental da geração de resíduos sólidos e a inadequação do gerenciamento destes nas instituições públicas. Considerando as limitações das opções de destinação final para os resíduos, é imprescindível minimizar as quantidades utilizadas dentro destas organizações por meio da redução, reutilização e reciclagem. Diante da Política Nacional de Resíduos Sólidos e em consonância com a agenda 2030, busca-se contribuir e apontar caminhos para o enfrentamento da grave questão.

Leia mais »