saneamento basico

Avaliação ecotoxicológica de efluente têxtil submetido a radiação ionizante

Resumo

O setor têxtil demanda elevada quantidade de água para o processo de beneficiamento das fibras, e adicionalmente gera um grande volume de efluente colorido e com diversos contaminantes. Estes são responsáveis por uma parcela importante na degradação dos corpos hídricos em diversas regiões do mundo, causando efeitos adversos aos ecossistemas. Devido a elevada carga tóxica, composição e coloração, geralmente esses efluentes necessitam de tratamentos complementares para melhorar a degradação. Desta forma, tem-se buscado tecnologias mais eficientes para a oxidação destes contaminantes, com ênfase para os processos oxidativos avançados, como a irradiação por feixe de elétrons. O processo com radiação ionizante promove a radiólise da água com formação de radicais hidroxila ou produtos moleculares que atuam na degradação dos compostos orgânicos. O presente estudo dedicou-se a análise da toxicidade aguda de um efluente têxtil (contendo corante reativo Red 239) em dois níveis tróficos do ambiente aquático, o microcrustáceo Daphnia similis e o caramujo Biomphalaria glabrata. A exposição para D. similis foi de 48 horas e o efeito observado foi a imobilidade dos organismos expostos, já para B. glabrata a exposição foi de 24h e observada a letalidade. Os resultados de toxicidade foram expressos pela CE(L)50 (Concentração efetiva/letal mediana). A radiação ionizante por feixe de elétrons foi proposta como tecnologia para tratamento do efluente visando a redução da toxicidade, sendo avaliadas as doses de 2,5 kGy e 5 kGy. As amostras foram irradiadas em Acelerador de Elétrons (Dynamitron®), com energia fixada em 1,4 MeV. A eficiência da irradiação quanto à redução de toxicidade foi obtida a partir dos valores de CE(L)50, transformados para unidade de toxicidade (UT= 100/CE(L)50). Com relação ao efeito agudo para os organismos avaliados, pode-se observar que o efluente bruto foi mais tóxico para o microcrustáceo, com CE50= 9,61% enquanto para B. glabrata foi obtido o valor de CL50=25,09%. As amostras irradiadas, os valores em relação a redução da toxicidade foram melhores se comparados ao efluente bruto: D. similis, CE50%= 12,62 (2,5 kGy); 17,24 (5 kGy), B. glabrata, CL50= 63% (2,5 kGy) e 70,71% (5 kGy). A partir da dose de 2,5 kGy já foi possível observar eficiência em relação a redução da toxicidade para ambos os organismos. Com 5 kGy, a eficiência em relação a redução de efeitos agudos foi superior a 64% em B. glabrata e superior a 44% para D. similis. Os resultados aqui obtidos confirmam que efluentes industriais, como os do setor têxtil, são críticos do ponto de vista de contaminação ambiental, destacando, assim, a necessidade de melhor gerenciamento, tratamento e descarte adequados destes efluentes. Com a tecnologia por feixe de elétrons, foram obtidos dados promissores em termos de tratamento com diminuição significativa da toxicidade.

Autores: Vanessa Silva Granadeiro Garcia; Lenita de Freitas Tallarico; Jorge Marcos Rosa; Eliana Nakano e Sueli Ivone Borrely.

LEIA O ARTIGO NA ÍNTEGRA

Últimas Notícias:
Risco Ambiental Fármacos Esgoto

Avaliação de risco ambiental de fármacos e desreguladores endócrinos presentes no esgoto sanitário brasileiro

Este estudo investigou a ocorrência, remoção e impacto na biota aquática de 19 contaminantes de preocupação emergente (CEC) comumente reportados no esgoto brasileiro bruto e/ou tratado. Para 14 CEC (E1, E2, EE2, GEN, DCF, PCT, BPA, IBU, NPX, CAF, TMP, SMX, CIP, LEV), sua presença em esgoto tratado apresentou um alto risco ambiental em pelo menos 2 dos 6 cenários de diluição considerados.

Leia mais »
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »