saneamento basico

Drenagem urbana – diagnóstico com ações de controle e limpeza – uma gestão de eficiência

Resumo

O sistema de drenagem urbana se encontra na época de estiagem, normalmente sem ou com fluxo mínimo de água. Nas precipitações os sistemas recebem as águas provenientes das chuvas e devem estar devidamente livres de sólidos para permitir seu fluxo.
Portanto, o prévio, diagnostico dos equipamentos das Redes de Drenagem, através de vistorias e atividades operacionais de pesquisa visando a priorização de locais e limpeza preventiva das mesmas evitam que nos períodos de maior precipitação, ocorram problemas de enchentes ou inundações.
De esta forma este trabalho ira apresentar as atividades e resultados desenvolvidos que englobam tanto atividades de diagnóstico operacional quanto atividades de limpeza e remoção de sedimentos das redes de drenagem.

Introdução

A nossa sociedade de consumo é marcada pelo desperdício e pela ideia de que os recursos são infinitos, por isso ainda se vê pessoas varrendo a calçada com água, fazendo a barba e escovando os dentes com a torneira aberta, mas a conscientização ambiental tem introduzido ideias de conservação e reaproveitamento, que são essenciais para o desenvolvimento sustentável.

O Plano Nacional de Recursos Hídricos – PNRH, estabelecido pela Lei nº. 9433/97, como instrumento da Política de Recursos Hídricos, colabora no gerenciamento destes recursos a fim de promover uma maior sustentabilidade da água como bem comum. Com o contínuo aumento da demanda e diminuição da oferta, e a água desempenhando um papel fundamental nas relações econômicas, políticas, sociais e ambientais, são necessárias à pesquisa por novas técnicas de manejo e gestão para garantir o uso presente e futuro.

Porém, a disponibilidade não é a única questão relacionada a recursos hídricos que os centros urbanos enfrentam. Na realidade o saneamento é a questão que tem apresentado mais dificuldades de solução, e está diretamente relacionada com a disponibilidade.

Dentre os setores do saneamento, a drenagem de águas pluviais, é o que mais preocupa a administração pública, pois ao falhar é o que tem seus efeitos mais imediatos e visíveis.

Torna-se necessária a gestão dos recursos hídricos urbanos de maneira integrada e participativa para que se chegue a soluções sustentáveis e viáveis. E dentro da esfera da gestão dos recursos hídricos urbanos se encontra a gestão de águas pluviais em áreas urbanas que envolve tanto a disponibilidade hídrica, quanto o setor de drenagem urbana.

Para isso foram desenvolvidos planos de manutenção preditiva, preventiva e corretiva, organizando a execução dos serviços operacionais de manutenção dos componentes do sistema de Água Pluvial do município do estudo, diagnosticando a origem das anomalias e sanando-as de forma a promover um processo de melhoria contínua, com vistas a maximizar a capacidade de escoamento hidráulico, gerando confiabilidade operacional e promovendo positivamente a imagem de sua Gestão Eficiente.

Autores: Robson Fontes da Costa e Maria Vitoria Garcia Molina de Lucena.

baixe-aqui

Últimas Notícias:
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »
Lei do Bem Cagece

Lei do Bem: Cagece alcança R$ 3,6 milhões em benefícios fiscais através de investimentos em projetos de inovação tecnológica

A Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) é pioneira no Ceará em aliar os investimentos em projetos de inovação tecnológica e transformá-los em benefícios fiscais. Por meio da chamada “Lei do Bem” (nº 11.196/2005), a companhia conseguiu rastrear e inserir junto ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação um total de R$ 17 milhões, aportados em projetos de inovação nos últimos três anos, rendendo um retorno total de R$ 3,6 milhões em benefícios.  

Leia mais »
Política de Gerenciamento Resíduos Sólidos

Política de gerenciamento de resíduos sólidos em instituições públicas

O presente estudo aborda a problemática ambiental da geração de resíduos sólidos e a inadequação do gerenciamento destes nas instituições públicas. Considerando as limitações das opções de destinação final para os resíduos, é imprescindível minimizar as quantidades utilizadas dentro destas organizações por meio da redução, reutilização e reciclagem. Diante da Política Nacional de Resíduos Sólidos e em consonância com a agenda 2030, busca-se contribuir e apontar caminhos para o enfrentamento da grave questão.

Leia mais »