saneamento basico

Diagnóstico de processos erosivos na microbacia do córrego olho d’água, município de Goiânia – Goiás

Resumo

O referido trabalho discorre sobre o uso e ocupação desordenada que ocorre nos grandes centros urbanos, na maioria das vezes, desprovida de mecanismo de planejamento e infraestrutura, principalmente ao entorno dos cursos d’água, destacando-se às regiões periféricas das grandes cidades brasileiras, acarretando em diversos impactos ambientais, como é o caso do surgimento de erosões urbanas. O que não é diferente no município de Goiânia, Goiás. Neste sentido, objetivou-se diagnosticar e avaliar os processos erosivos formados na microbacia do Córrego Olho d’Água, pertencente à Bacia Hidrográfica do Rio Meia Ponte, localizado na região sudoeste do município de Goiânia, Estado de Goiás, utilizando ferramentas de Sistemas de Informações Geográficas – SIG’s, e avaliações técnicas in loco.

Introdução

O crescimento acelerado das cidades associado ao uso e ocupação desordenada do solo tem alterado os grandes centros urbanos, cuja população passou a habitar em áreas sem planejamento e infraestrutura, principalmente nas regiões periféricas. O reflexo pode ser percebido pela alteração nos processos naturais do meio ambiente causado por impactos negativos, principalmente em microbacias hidrográficas localizados na esfera urbanizada e em expansão das cidades.

A exemplo disso, no município de Goiânia, capital do Estado de Goiás, é possível perceber que diante do crescimento urbano, a estabilidade dos processos ambientais vem sendo afetados, especialmente aquelas áreas no entorno dos mananciais hídricos.

Mesmo a partir da existência de base legal, como é o caso dos Planos Diretores, Leis de Uso e Ocupação do Solo, Código Florestal Estadual e outros instrumentos para ordenamento territorial, é possível verificar em Goiânia a ocupação irregular em áreas de riscos. Esta apropriação, provavelmente, pode ser atribuída a falhas na fiscalização ou morosidade referente à aprovação nos licenciamentos de loteamentos por parte do poder público.

Com o crescimento populacional associado à necessidade de moradias, tem-se fomentado um número cada vez maior de loteamentos nas zonas periféricas de Goiânia, gerando a ocupação desordenada em microbacias hidrográficas. Isso faz com que ocorra a desproteção do solo, levando a diminuição ou até mesmo extinção das Áreas de Preservação Permanente – APP, sendo que legalmente a faixa de proteção deveria ser de 50 m, a partir da calha do leito regular do curso d’água nas respectivas margens, delimitada pelo Plano Diretor Municipal (PREFEITURA MUNICIPAL DE GOIÂNIA, 2007).

O presente estudo teve como objetivo realizar diagnóstico dos processos erosivos formados na microbacia do Córrego Olho d’Água, pertencente a Bacia Hidrográfica do Rio Meia Ponte, localizado na região sudoeste do município de Goiânia, Estado de Goiás, utilizando ferramentas de SIG’s e avaliações técnicas in loco.

Autores: Wanessa Silva Rocha; Gitair Moreira dos Santos e Antônio Pasqualetto.

baixe-aqui

Últimas Notícias:
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »
Lei do Bem Cagece

Lei do Bem: Cagece alcança R$ 3,6 milhões em benefícios fiscais através de investimentos em projetos de inovação tecnológica

A Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) é pioneira no Ceará em aliar os investimentos em projetos de inovação tecnológica e transformá-los em benefícios fiscais. Por meio da chamada “Lei do Bem” (nº 11.196/2005), a companhia conseguiu rastrear e inserir junto ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação um total de R$ 17 milhões, aportados em projetos de inovação nos últimos três anos, rendendo um retorno total de R$ 3,6 milhões em benefícios.  

Leia mais »
Política de Gerenciamento Resíduos Sólidos

Política de gerenciamento de resíduos sólidos em instituições públicas

O presente estudo aborda a problemática ambiental da geração de resíduos sólidos e a inadequação do gerenciamento destes nas instituições públicas. Considerando as limitações das opções de destinação final para os resíduos, é imprescindível minimizar as quantidades utilizadas dentro destas organizações por meio da redução, reutilização e reciclagem. Diante da Política Nacional de Resíduos Sólidos e em consonância com a agenda 2030, busca-se contribuir e apontar caminhos para o enfrentamento da grave questão.

Leia mais »