saneamento basico

Uso de fosfato nos detergentes em pó comerciais no Brasil: aspectos ambientais e de saúde pública

Resumo

Os efeitos ambientais do emprego de fosfato na formulação dos detergentes em pó comerciais destinados a limpeza de tecidos é um tema amplamente debatido. A despeito das vantagens técnicas do uso do fósforo para melhorar a eficiência do produto, a disseminação de seu uso possui relação com impactos sobre o meio ambiente e a qualidade da água. O presente trabalho tem como objetivo aduzir informações sobre a evolução do uso de fosfato nas formulações dos detergentes em pó e a composição dos produtos atualmente comercializados no Brasil, discutindo os aspectos sociais e ambientais envolvidos. A partir da análise de 30 diferentes amostras do produto, obtidas em diferentes regiões do país, verificou-se que os produtos brasileiros possuem, hoje, uma baixa concentração de fósforo, menor que 0,01% em peso e, portanto, representam um reduzido risco de alteração do nível trófico das águas. Os resultados indicam a necessidade de ajustar o conteúdo da legislação à prática do mercado e de aprimorar as políticas públicas relacionadas ao tema, em especial por meio da revisão da Resolução Conama nº 359/05. Também, apontam para a necessidade de se implementar um processo de comunicação da população acerca do assunto, de forma a contribuir para a manutenção do controle dessa fonte de fósforo nas águas e para o aumento da disponibilidade hídrica.

Introdução

Ao longo dos séculos, o uso de produtos de limpeza ofereceu uma grande contribuição para a melhoria das condições de higiene e da qualidade de vida. No entanto, em especial nos últimos 50 anos, intensificaram-se as discussões a respeito dos efeitos ambientais regionais e globais desses produtos, principalmente em decorrência do aumento considerável no seu consumo, dando início a debates sobre a relação entre população, comportamento de consumo, esgoto sanitário e meio ambiente.

Desde meados do século XX, produtores da Europa e de diversas outras regiões, pressionados por órgãos governamentais, passaram a modificar a formulação dos produtos e a utilizar componentes biodegradáveis, como os alquilbenzenosulfonados de cadeia linear, ou LAS; problemas relacionados com a eutrofização contribuíram para as discussões a respeito dos impactos ambientais no ciclo de nutrientes (DEVEY e HARKNESS, 1975; BRANCO e ROCHA, 1987; GLENNIE et al., 2002).

Nesse período, diversas pesquisas apontaram que a ocorrência de eutrofização pode ser influenciada ou acelerada pela expansão no nível de consumo de detergentes destinados à lavagem de roupas, contendo fósforo nas suas formulações. De maneira concomitante, a eutrofização passou a ser reconhecida como um problema de poluição em sistemas hídricos e reservatórios de inúmeras localidades do mundo. Ainda que a gestão do aporte de fósforo nas águas envolva a combinação de uma série de ações para controle de fontes pontuais e difusas de nutrientes, levando-se em conta a forma de uso e ocupação da bacia hidrográfica, os estudos desenvolvidos passaram a concluir pela importância de se regulamentar o uso de detergentes fosfatados.

Outra questão abordada com relação à restrição ao uso de fósforo nos detergentes, é a contribuição dessa medida para a desaceleração no ritmo de exploração das fontes do elemento no meio ambiente, e para a preservação das suas reservas naturais, que são finitas e não renováveis.

Por meio do presente trabalho, são apresentados dados a respeito da quantidade de fósforo atualmente empregada nos detergentes em pó comercializados no Brasil, verificando a conformidade dos produtos frente aos limites estipulados pela legislação que regulamenta o assunto, a Resolução nº 359/05 do Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA). Também, buscar retratar a evolução do assunto no Brasil e no mundo, discutindo os aspectos sociais e ambientais envolvidos.

Autores: Claudia Maria Gomes de Quevedo e Wanderley da Silva Paganini.

baixe-aqui

Últimas Notícias:
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »
Lei do Bem Cagece

Lei do Bem: Cagece alcança R$ 3,6 milhões em benefícios fiscais através de investimentos em projetos de inovação tecnológica

A Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) é pioneira no Ceará em aliar os investimentos em projetos de inovação tecnológica e transformá-los em benefícios fiscais. Por meio da chamada “Lei do Bem” (nº 11.196/2005), a companhia conseguiu rastrear e inserir junto ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação um total de R$ 17 milhões, aportados em projetos de inovação nos últimos três anos, rendendo um retorno total de R$ 3,6 milhões em benefícios.  

Leia mais »
Política de Gerenciamento Resíduos Sólidos

Política de gerenciamento de resíduos sólidos em instituições públicas

O presente estudo aborda a problemática ambiental da geração de resíduos sólidos e a inadequação do gerenciamento destes nas instituições públicas. Considerando as limitações das opções de destinação final para os resíduos, é imprescindível minimizar as quantidades utilizadas dentro destas organizações por meio da redução, reutilização e reciclagem. Diante da Política Nacional de Resíduos Sólidos e em consonância com a agenda 2030, busca-se contribuir e apontar caminhos para o enfrentamento da grave questão.

Leia mais »