saneamento basico

Água desperdiçada em favelas abasteceria quase três milhões de brasileiros

São mais de 480 milhões de metros cúbicos desperdiçados por vazamentos e ligações clandestinas apenas nessas regiões das capitais brasileiras.

Quantidade suficiente para abastecer quase três milhões de pessoas por ano, ou toda a população de João Pessoa, Teresina e Natal juntas, capitais que estão sofrendo com a seca histórica no Nordeste.

O levantamento, feito pela Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental com base em dados do IBGE, mostra que a regularização do saneamento nas favelas poderia recuperar 27% de toda a água perdida nas capitais. Poderia também evitar riscos à saúde da população, como explica o presidente da Abes, Roberval Tavares de Souza.

‘O abastecimento irregular gera vazamentos porque são canos de água que não seguem nenhuma norma de engenharia. Essa água é empoçada e pode gerar vetores como dengue e chikungunya. Tem que ter vontade política e vontade de todas as partes interessadas, Ministério Público, operadoras, classe de engenharia para que a gente possa regularizar essa situação e reduzir perdas de água, levar cidadania e melhorar a saúde da população.’

Rio de Janeiro e São Paulo lideram o ranking das cidades com o maior número de domicílios em áreas irregulares. Juntas as duas capitais somam quase 800 mil moradias clandestinas, 40% do total.

Para o conselheiro do Conama e presidente do Instituto Brasileiro de Proteção Ambiental, Carlos Bocuhy, falta fiscalização e planejamento por parte dos agentes públicos.

‘Enquanto continuarmos nesse estado de não planejamento nós vamos ter que lidar com a desconformidade, essas populações vão continuar no meio do esgoto, haverá dificuldade para levar saneamento e o meio ambiente acaba sendo também prejudicado. Ou seja, temos que investir numa infraestrutura para a sustentabilidade. E isso é planejamento territorial.’

Dados do Ministério das Cidades mostram que planejamento não tem sido uma máxima quando o assunto é redução das perdas de água na distribuição.

Nos últimos cinco anos, as perdas em nível nacional caíram apenas 2 pontos percentuais, de 38% para 36%. Em países desenvolvidos, como Alemanha e Japão, o índice gira em torno de 11% e 16%.

Últimas Notícias:
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »
Lei do Bem Cagece

Lei do Bem: Cagece alcança R$ 3,6 milhões em benefícios fiscais através de investimentos em projetos de inovação tecnológica

A Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) é pioneira no Ceará em aliar os investimentos em projetos de inovação tecnológica e transformá-los em benefícios fiscais. Por meio da chamada “Lei do Bem” (nº 11.196/2005), a companhia conseguiu rastrear e inserir junto ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação um total de R$ 17 milhões, aportados em projetos de inovação nos últimos três anos, rendendo um retorno total de R$ 3,6 milhões em benefícios.  

Leia mais »
Política de Gerenciamento Resíduos Sólidos

Política de gerenciamento de resíduos sólidos em instituições públicas

O presente estudo aborda a problemática ambiental da geração de resíduos sólidos e a inadequação do gerenciamento destes nas instituições públicas. Considerando as limitações das opções de destinação final para os resíduos, é imprescindível minimizar as quantidades utilizadas dentro destas organizações por meio da redução, reutilização e reciclagem. Diante da Política Nacional de Resíduos Sólidos e em consonância com a agenda 2030, busca-se contribuir e apontar caminhos para o enfrentamento da grave questão.

Leia mais »