saneamento basico
Brasil Desastres Naturais

Brasil teve 4.255 mortes e prejuízo de R$ 500 bilhões em desastres ambientais nos últimos 20 anos

Brasil Desastres Naturais

Por: Giovana Cardoso

Nos últimos 20 anos, 4.255 pessoas morreram em razão de desastres ambientais no Brasil, e outras 8 milhões ficaram desabrigadas, segundo levantamento da Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil. Os dados englobam casos de chuvas intensas, estiagens, inundações e ondas de calor.

Minas Gerais, Bahia, Goiás, Mato Grosso, Rio de Janeiro e Distrito Federal se destacam entre as unidades da federação com mais pessoas afetadas.

Há dois anos, o Brasil registrou o maior número de mortes causadas por desastres naturais desde 2011, quando 957 óbitos foram registrados. Apenas em 2022, o país teve um prejuízo de mais de 68 bilhões. Nesses 20 anos, o prejuízo chega a quase R$ 500 bilhões.

Os índices, que englobam o período de 2003 a 2022, foram fornecidos por um programa criado pelo Banco Mundial e pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). A pesquisa não mostra os prejuízos e óbitos registrados em 2023, mas segundo a Confederação Nacional de Municípios (CNM), no ano passado 248 mortes foram notificadas por tragédias naturais no Brasil.

Brasil Desastres Naturais

Quase metade dos óbitos causados por desastres relacionados a chuvas no ano passado são do Rio Grande do Sul, de acordo com a CNM. No ano passado, o estado enfrentou situações climáticas extremas, como ciclones e chuvas intensas, influenciados principalmente pelo fenômeno El Niño.

Mas as tempestades no Rio Grande do Sul causaram um prejuízo estimado em R$ 3 bilhões e cerca de 67 mortes foram registradas durante todo o ano. Em setembro, a passagem do ciclone extratropical afetou mais de 90 cidades gaúchas.

No início de janeiro, as chuvas que ocorrem no Distrito Federal vem causando estragos em diferentes regiões administrativas. Nessa sexta-feira (12), a governadora em exercício do DF, Celina Leão (PP), decretou estado de emergência devido ao tempo.

Condições climáticas

Ademais dados da CNM apontam que nos últimos 10 anos 93% dos municípios brasileiros foram atingidos por desastres naturais como tempestades, enxurradas, inundações e alagamentos. Os estudos, referentes aos anos de 2013 a 2022, indicam que mais de 2 milhões de moradias foram danificadas — 107 mil foram completamente destruídas.

Contudo um relatório divulgado pela Organização Meteorológica Mundial (OMM) em julho de 2023 indica uma tendência de aquecimento de longo prazo e um aumento do nível do mar em países da América Latina e Caribe. O documento destaca ainda o aumento das temperaturas, o que favoreceu períodos de incêndios florestais e a emissão dos altos níveis de dióxido de carbono.

Conforme a OMM, a região contabilizou 943 desastres naturais entre 1970 e 2021, sendo 61% dos casos relacionados a inundações. No total, mais de 58 mil pessoas foram mortas, e as perdas econômicas ultrapassam US$ 115,2 bilhões.

Em suma recentemente, o Brasil vivenciou períodos de calor extremo, e pelo menos 15 estados entraram em alerta vermelho do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). No Rio de Janeiro, por exemplo, os termômetros marcaram mais de 42°C em novembro, com sensação térmica de 58°C.

Fonte: R7.

Últimas Notícias:
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »
Lei do Bem Cagece

Lei do Bem: Cagece alcança R$ 3,6 milhões em benefícios fiscais através de investimentos em projetos de inovação tecnológica

A Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) é pioneira no Ceará em aliar os investimentos em projetos de inovação tecnológica e transformá-los em benefícios fiscais. Por meio da chamada “Lei do Bem” (nº 11.196/2005), a companhia conseguiu rastrear e inserir junto ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação um total de R$ 17 milhões, aportados em projetos de inovação nos últimos três anos, rendendo um retorno total de R$ 3,6 milhões em benefícios.  

Leia mais »
Política de Gerenciamento Resíduos Sólidos

Política de gerenciamento de resíduos sólidos em instituições públicas

O presente estudo aborda a problemática ambiental da geração de resíduos sólidos e a inadequação do gerenciamento destes nas instituições públicas. Considerando as limitações das opções de destinação final para os resíduos, é imprescindível minimizar as quantidades utilizadas dentro destas organizações por meio da redução, reutilização e reciclagem. Diante da Política Nacional de Resíduos Sólidos e em consonância com a agenda 2030, busca-se contribuir e apontar caminhos para o enfrentamento da grave questão.

Leia mais »