saneamento basico

Como fazer captação de água da chuva e subterrânea

Por Hiram Sartori*

De vez em quando ouvimos sobre captação de água da chuva e subterrânea, mas estes temas não são suficientemente bem trabalhados e, normalmente, estão cercados por uma aura de mistério e curiosidade. Pensando nisso, acredito que seja interessante falar um pouco sobre os assuntos que estão imbricados nesta temática.

Para começar, vamos falar sobre poços escavados. A maior parte das pessoas sabe o que é um poço, de fato, mas creio que é importante fazer algumas considerações: um poço escavado pode também ser chamado de poço freático ou cisterna e é normalmente escavado com diâmetro de oitenta centímetros a 2,5 metros. A sua profundidade, por sua vez, depende do nível em que a água subterrânea se encontra no terreno a ser perfumado. Dificilmente esta profundidade não passa dos 20 metros, mas isso não é uma regra. Outra coisa relevante a ser dita é que o poço não deve ficar próximo de fossas e deve estar fora do caminho das enxurradas.

Nem sempre é preciso fazer paredes dentro do poço, mas se a terra não for consistente e ameaçar desmoronar, será necessário utilizar manilhas, anéis de concreto e tijolos para garantir que o poço não fique inutilizado. Os três primeiros metros do poço devem receber uma parede impermeável e, sobre a estrutura, deve ser colocado uma laje inteiriça de concreto armado (a qual, por sua vez, deve ultrapassar em no mínimo um metro toda a borda do poço). Um poço deve estar sempre muito bem protegido e convém às pessoas que se utilizam desta água testar periodicamente a qualidade da mesma. Para proteger a água subterrânea, é possível utilizar um dispositivo para a aplicação de cloro.

Sistema de captação da água da chuva

O sistema de captação da água da chuva é um pouco diferente: o jeito mais simples de fazer isso é através dos telhados das casas. Ao cair sobre o telhado, a água da chuva escorre até as calhas e, depois, segue até o armazenamento. Para servir bem a este fim, o telhado deve ser feito de um material liso e ter inclinação de pelo menos 5%. As calhas, por sua vez, devem ser leves, lisas e sem vazamentos (e sempre muito bem limpas). Os recipientes de armazenamento não podem ser muito altos, devem ter tampa e não devem apresentar vazamentos.

A água captada pela chuva serve para regar as plantas, matar a sede dos animais e também para construções. Pode sim ser bebida, desde que seja fervida antes de ser ingerida. Vale dizer também que é preciso que a água da primeira chuva seja desviada do sistema de armazenamento, uma vez que possivelmente estará suja com resíduos do telhado.

Sei das dificuldades de ser ter espaço para cavar um poço e da mão de obra necessária para reorganizar a vida e a casa para coletar água da chuva. Tenho para mim, no entanto, que estas pequenas iniciativas têm grandes efeitos para a economia da água, para a manutenção dos recursos renováveis e, claro, para o meio ambiente. Sou partidário da ideia de que é preciso fazer alguns esforços pessoais pelo bem da coletividade – e estes são meios fantásticos para tal.

*Hiram Sartori é Engenheiro Sanitarista, possui doutorado em Engenharia Civil e atua como consultor e professor do Ensino Superior.

Site: hiramsartori.com.br
Twitter: @hiram_sartori
LinkedIn: https://br.linkedin.com/in/hiramsartori

 

 

 

A opinião apresentada é de responsabilidade do autor.

Últimas Notícias:
Projetos ESG Resultados no Saneamento

Projetos ESG e seus resultados no saneamento

Projetos ESG são práticas adotadas por empresas com base em critérios ambientais, sociais e de governança corporativa. A implementação bem-sucedida de projetos ESG reduz riscos e impactos sociais, ambientais e financeiros das operações. Dessa forma, atraem investidores e contribuem para a sustentabilidade das atividades.

Leia mais »
Descarte Correto de Resíduos

Saiba como descartar resíduos corretamente e evitar doenças como a dengue

Além de crime ambiental, o descarte irregular de resíduos sólidos traz diversos prejuízos ao meio ambiente e à população. Estes pontos se tornam ambientes propícios para a proliferação de vetores de doenças, levando às situações de alagamentos em período de chuva, comprometendo a qualidade do ambiente e da paisagem do local, além de gerar o aumento dos custos públicos com a remoção do material descartado de forma incorreta e também dos gastos com saúde pública.

Leia mais »
Contrato Sabesp Vale do Paraíba

Novo contrato da Sabesp prevê aporte de R$ 18,6 bilhões no Vale do Paraíba até 2060

Atualmente em consulta pública, o novo contrato da Sabesp encontra-se em processo de desestatização, proposto pelo governo do estado de São Paulo. Os investimentos estão previstos em R$ 18,6 bilhões até o ano de 2060, no Vale do Paraíba e Litoral Norte. Cerca de R$ 5 bilhões serão destinados à universalização do saneamento básico nas 28 cidades atendidas pela Sabesp na região até 2029. As obras que pretendem levar água potável, coleta e tratamento de esgoto para toda a população, foram definidas com as prefeituras.

Leia mais »
Dmae Fumaça Ligações Irregulares

Dmae de Uberlândia/MG vai iniciar testes de fumaça para identificar ligações irregulares de esgoto

A partir da próxima segunda-feira (4), o Departamento Municipal de Água e Esgoto (Dmae) iniciará testes de fumaça para detectar ligações irregulares na rede de esgoto do município. O primeiro bairro atendido será a região do bairro Pampulha. O local em questão foi escolhido para iniciar os trabalhos devido ao grande número de chamados para desobstrução de rede, especialmente em período de chuva. Futuramente, outros bairros da cidade receberam os mesmos testes.

Leia mais »
Manejo de Resíduos Biometano Brasileiro

Ao custo global de R$ 3,1 tri, manejo de resíduos pode virar negócio, como o biometano brasileiro

Segundo alerta feito pela ONU nesta quarta-feira, 28, o volume de resíduos no mundo, que atingiu 2,3 bilhões de toneladas em 2023, continuará crescendo exponencialmente, até 3,8 bilhões de toneladas até meados deste século. A crise será ainda mais grave nos países onde os métodos de tratamento ainda são poluentes: aterros sanitários (contaminação do solo, emissões de poluentes e gases de efeito estufa, como o metano) e incineração sem recuperação.

Leia mais »