saneamento basico
Eficiência Energética na Indústria

A melhoria da Eficiência Energética na Indústria

Eficiência Energética na Indústria

Eficiência energética na indústria pode ser definida como a busca por menor consumo e pela otimização de energia. Consiste em manter – ou até aumentar – os níveis de produção e simultaneamente reduzir o consumo energético.

O tema tem se tornado mais relevante ao longo dos anos, e no segmento industrial está cada vez mais compreendido.

O Fator de Potência, por exemplo, que afeta o custo da energia elétrica a ser paga, está descrito na Resolução ANEEL nº414 de 09 de setembro de 2010:

Fazer mais (ou, pelo menos, a mesma coisa) com menos, mantendo o conforto e a qualidade. Quando se discute energia, eficiência energética significa gerar a mesma quantidade de energia com menos recursos naturais ou obter o mesmo serviço (“realizar trabalho”) com menos energia.

LEIA TAMBÉM: A Importância da Visão Sistêmica na Transformação Digital

No Brasil, o consumo de energia das indústrias corresponde a quase 40% do total de energia produzida no país. Atualmente, a Empresa de Pesquisa Energética (EPE) estima que o potencial de eficiência energética nas indústrias – ou seja, o volume de consumo que pode ser reduzido mantendo ou aumentando a produtividade – é de 10,9% em média – sendo 11,1% no consumo energético térmico e 9,8% em eletricidade.

As barreiras para a sua implementação podem resultar de vários fatores. Alguns deles incluem:

  • Assimetria de informações: Quando um setor tem informações relevantes, mas não as compartilha com outros setores.
  • Divergência de objetivos: Quando a empresa prioriza outros objetivos em detrimento da eficiência energética.
  • Compromisso com as questões energéticas: Quando a empresa não enfatiza o programa de melhoria de eficiência energética criado e não investe em medidas para melhorá-lo.

Para superar as barreiras é preciso aperfeiçoar a comunicação interna da empresa entre os diferentes setores, estabelecer metas, objetivos claros e maior comprometimento da liderança para a adoção de medidas que alcancem a eficiência energética.

Os desperdícios de energia elétrica em uma planta ocorrem por diversas formas, o trabalho para identificar, entender como acontecem e preveni-los é importante para a redução dos custos e gera três resultados. O primeiro e direto é a própria redução de gastos com a energia elétrica, o segundo é o aumento da performance e da durabilidade dos ativos e por fim, e como consequência do anterior, a redução dos custos de manutenção.

Um planejamento de melhoria de eficiência energética pode envolver diversas ações, mas em geral, o investimento na modernização de equipamentos, a redução de excedente de energia reativa, aliado a um sistema de monitoramento, pode trazer resultados significativos a médio ou até no curto prazo.

Bridgemeter contribuindo com a Eficiência Energética

A flexibilidade da arquitetura do Bridgemeter adequa-se a diversas medições fundamentais ao monitoramento de eficiência energética permitindo a gestão remota de ativos com alarmes, notificações e análises preditivas.

Para exemplificar como o Bridgemeter contribui para o aumento da eficiência energética, apresentamos um case onde a plataforma segue associada a um motor amplamente utilizado por diversos segmentos.

Monitorando a corrente elétrica, temperatura e correlacionando os valores obtidos com os demais parâmetros que compõem o equipamento, o Bridgemeter compara e fornece análises com o histórico operacional, identificando tendências que podem evoluir para sobreaquecimentos não relacionados ao aumento de demanda por trabalho, enviando notificações à equipe de manutenção do cliente.

Assim, acompanhando a condição de uso do motor, é possível intervir para eliminar o desperdício uma vez que parte da energia disponibilizada está sendo perdida em forma de calor, o que contribui para a redução da eficiência do trabalho causando desgastes prematuros de partes e peças. Esse desperdício, se não monitorado, gera aumento dos custos, além do risco de paradas inesperadas.

Ampliando o modelo acima descrito, agora aplicado a uma planta industrial de saneamento ou a um hospital com diversos motores, transformadores e demais equipamentos elétricos que fazem parte da infraestrutura, verificamos a importância do tema Eficiência Energética uma vez que a tendência de preço da energia elétrica no país é de alta.

Segundo o levantamento realizado em 2022 pela Associação Brasileira de Grandes Consumidores e apresentado durante o Congresso de Energia realizado pela Federação das Indústrias de Minas Gerais, o gasto com energia elétrica pode representar até cerca de 40% do custo de produção.

“Os desperdícios de energia sempre foram um desafio para as empresas. Atualmente, com a tecnologia do Bridgemeter, é possível detectá-las e minimizar seu impacto tanto no custo do insumo como na redução do gasto com manutenções, promovendo dessa forma o aumento da eficiência nas indústrias e demais unidades de negócios”, destaca Flávio De Martin, gerente de negócios na Above-Net.

Como é possível observar, o Bridgemeter é uma ferramenta estratégica que contribui diretamente em questões financeiras e operacionais, na redução de perdas, no aumento da eficiência energética e da produtividade na indústria.

Últimas Notícias:
Descarte Correto de Resíduos

Saiba como descartar resíduos corretamente e evitar doenças como a dengue

Além de crime ambiental, o descarte irregular de resíduos sólidos traz diversos prejuízos ao meio ambiente e à população. Estes pontos se tornam ambientes propícios para a proliferação de vetores de doenças, levando às situações de alagamentos em período de chuva, comprometendo a qualidade do ambiente e da paisagem do local, além de gerar o aumento dos custos públicos com a remoção do material descartado de forma incorreta e também dos gastos com saúde pública.

Leia mais »
Contrato Sabesp Vale do Paraíba

Novo contrato da Sabesp prevê aporte de R$ 18,6 bilhões no Vale do Paraíba até 2060

Atualmente em consulta pública, o novo contrato da Sabesp encontra-se em processo de desestatização, proposto pelo governo do estado de São Paulo. Os investimentos estão previstos em R$ 18,6 bilhões até o ano de 2060, no Vale do Paraíba e Litoral Norte. Cerca de R$ 5 bilhões serão destinados à universalização do saneamento básico nas 28 cidades atendidas pela Sabesp na região até 2029. As obras que pretendem levar água potável, coleta e tratamento de esgoto para toda a população, foram definidas com as prefeituras.

Leia mais »
Dmae Fumaça Ligações Irregulares

Dmae de Uberlândia/MG vai iniciar testes de fumaça para identificar ligações irregulares de esgoto

A partir da próxima segunda-feira (4), o Departamento Municipal de Água e Esgoto (Dmae) iniciará testes de fumaça para detectar ligações irregulares na rede de esgoto do município. O primeiro bairro atendido será a região do bairro Pampulha. O local em questão foi escolhido para iniciar os trabalhos devido ao grande número de chamados para desobstrução de rede, especialmente em período de chuva. Futuramente, outros bairros da cidade receberam os mesmos testes.

Leia mais »
Manejo de Resíduos Biometano Brasileiro

Ao custo global de R$ 3,1 tri, manejo de resíduos pode virar negócio, como o biometano brasileiro

Segundo alerta feito pela ONU nesta quarta-feira, 28, o volume de resíduos no mundo, que atingiu 2,3 bilhões de toneladas em 2023, continuará crescendo exponencialmente, até 3,8 bilhões de toneladas até meados deste século. A crise será ainda mais grave nos países onde os métodos de tratamento ainda são poluentes: aterros sanitários (contaminação do solo, emissões de poluentes e gases de efeito estufa, como o metano) e incineração sem recuperação.

Leia mais »
Sanasa Campinas Saneamento Básico

Campinas tem saneamento superior à média nacional

Dados do “Censo 2022: Características dos domicílios – Resultados do universo”, publicados na sexta-feira (23) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) confirmam a elevação dos indicadores de moradores com acesso ao saneamento básico em Campinas.

Leia mais »