saneamento basico
Embrapa apresenta projeto para Biodiversidade do Solo

Embrapa apresenta à FAO projeto para criação do Observatório Global da Biodiversidade do Solo

Embrapa apresenta projeto para Biodiversidade do Solo

Como parte da implementação da Iniciativa Internacional para a Conservação e Uso da Biodiversidade do Solo, a FAO apoiou a realização de um projeto que definiu as bases e normas para implantação do “Observatório Global da Biodiversidade do Solo” (Glosob).

Proposta deve fazer parte das discussões encampadas pela FAO durante a COP da Biodiversidade – COP15, que acontece em dezembro, em Montreal, Canadá.

O projeto foi coordenado pelo pesquisador George Brown, da Embrapa Florestas, e contou com a participação de mais nove pesquisadores e dois analistas de três unidades da Embrapa (Agrobiologia, Cerrados, Florestas), além de três pós-doutorandos contratados pelo projeto. A proposta foi apresentada à FAO em outubro e o Glosob foi lançado em um evento especial durante a COP da Biodiversidade (COP-15), realizada em dezembro na cidade canadense de Montreal.

Segundo Brown, a proposta do observatório é realizar o monitoramento da biodiversidade do solo em diferentes sistemas agrícolas e naturais ao redor do mundo, em longo prazo. “O Glosob visa aumentar o conhecimento sobre essa biodiversidade frequentemente ignorada e pouco conhecida, além de identificar os sistemas de manejo que melhor conservam a biodiversidade do solo e os serviços ecossistêmicos, simultaneamente mantendo sua qualidade e produtividade”, salienta.

Embrapa apresenta projeto para Biodiversidade do Solo

A iniciativa pretende envolver dezenas de países e pesquisadores de todo o mundo. A proposta apresentada contempla os principais stakeholders a serem envolvidos no observatório; os principais organismos e as variáveis físicas, químicas e biológicas do solo que devem ser monitoradas como parte do observatório; as principais razões para a escolha das variáveis a serem observadas; os métodos a serem usados para medir, avaliar e monitorar a biodiversidade do solo em todo o mundo; os marcos políticos, o quadro legal e suporte necessários para o observatório; e os possíveis locais e usos do solo a serem observados. Além disso, a proposta também aborda questões relacionadas a armazenamento de dados e uma proposta de estrutura de governança do Glosob. “É um trabalho que deve durar pelo menos dez anos”, ressalta o pesquisador.

Brown lembra que, há 20 anos atrás, a Embrapa Soja organizou, junto com a FAO, um evento sobre esse tema, que levou à criação da Iniciativa Internacional para a Conservação e Uso Sustentável da Biodiversidade do Solo, dentro da CBD, e coordenada pela FAO. A proposta do Observatório é resultado das discussões e ações realizadas desde então, em diversos momentos, reforçando o amadurecimento da temática não só no Brasil, mas também no mundo.

No final de 2020, a FAO publicou um dos mais abrangentes relatórios sobre o estado do conhecimento sobre biodiversidade do solo, com informações sobre o estado atual, desafios e potencialidades, no qual o pesquisador participou liderando um dos capítulos. No ano seguinte, um seminário on-line reuniu mais de cinco mil participantes de 160 países, quando foram lançadas as bases para criação da Rede Técnica Global sobre Biodiversidade do Solo (Netsob), que inclui mais de 900 membros e quatro grupos temáticos, um deles liderado pelo pesquisador.

A Rede tem como objetivo fortalecer a geração de dados, conhecimento e capacidades para apoiar a conservação e uso sustentável da biodiversidade do solo e também contribuir para a criação do Observatório Global. “O trabalho a ser realizado pelo Glosob vai fortalecer o conhecimento em todos os grupos de biodiversidade do solo, como microrganismos, micro, meso e macrofauna”, avalia Brown.


LEIA TAMBÉM: Apoio da AGEMS ao plano regional de saneamento será determinante para atingir universalização

Importância da biodiversidade do solo

Solos saudáveis são considerados essenciais para a sobrevivência na Terra. Eles fornecem serviços fundamentais aos ecossistemas, tais como sequestro de carbono, ciclagem de nutrientes, purificação da água e produção de alimentos, e são, segundo a FAO, habitat para mais de 40% das espécies conhecidas no planeta. “Plantações saudáveis crescem sobre solos saudáveis”, pondera, Brown.

No entanto, a saúde dos solos está ameaçada por inúmeras atividades humanas que podem comprometer a produção de alimentos, contaminar os corpos hídricos superficiais e subterrâneos e comprometer o alcance dos objetivos de desenvolvimento sustentável (ODS).

Mais de um terço dos solos no mundo estão degradados, fomentado pela intensificação do uso da terra, salinização, queimadas e desmatamento, ações que, entre outros fatores antropogênicos, reduzem a capacidade dos solos de funcionar e sustentar a vida na terra. “Por isso, iniciativas como o Observatório podem antever problemas e desafios e antecipar a tomada de ação para o uso sustentável deste que é um dos maiores bens da humanidade”, justifica o pesquisador.

Fonte: OR.

Últimas Notícias:
Risco Ambiental Fármacos Esgoto

Avaliação de risco ambiental de fármacos e desreguladores endócrinos presentes no esgoto sanitário brasileiro

Este estudo investigou a ocorrência, remoção e impacto na biota aquática de 19 contaminantes de preocupação emergente (CEC) comumente reportados no esgoto brasileiro bruto e/ou tratado. Para 14 CEC (E1, E2, EE2, GEN, DCF, PCT, BPA, IBU, NPX, CAF, TMP, SMX, CIP, LEV), sua presença em esgoto tratado apresentou um alto risco ambiental em pelo menos 2 dos 6 cenários de diluição considerados.

Leia mais »
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »