saneamento basico

Água subterrânea é solução para a crise hídrica?

São Paulo – A maior economia do país está mergulhando no poço. Ou melhor, nos poços. Com o aprofundamento da crise, a demanda por água subterrânea tem disparado.

Segundo estimativas da Associação Brasileira de Águas Subterrâneas (ABAS), a procura por sistemas de perfuração de poços tubulares aumentou cerca de 30% em São Paulo . Indústrias e condomínios são os principais interessados.

Invisíveis sob nossos pés, as águas subterrâneas têm se mostrado uma fonte alternativa para contornar a crise hídrica. O prefeito Fernando Haddad chegou a lançar licitações para perfurar poços artesianos, como medida emergencial, em caso de uma possível falta d’água.

Apesar de ser mencionada como uma “alternativa”, a água subterrânea é fonte exclusiva de abastecimento para nada menos do que 50% das cidades brasileiras, conforme dados da ABAS apresentados em evento para jornalistas nesta terça-feira (9).

Conforme as estimativas, os poços profundos na Região Metropolitana de São Paulo produzem cerca de 10 metros cúbicos por segundo, o que os torna o “4º maior manancial”, complementando aqueles superficiais captados pelas concessionárias.

Segundo representantes da entidade, o uso adequado dos recursos subterrâneos reserva grandes oportunidades para garantir abastecimento sustentável das grandes cidades, incluindo São Paulo. Mas também traz desafios.

O primeiro entrave para expansão é a burocracia. A execução de um projeto pode levar mais de cinco meses. “Para quem precisa de água, é muito tempo”, diz o geólogo Carlos Eduardo Giampá. Para ele, a demora ajuda a estimular a clandestinidade.

“A cidade de SP tem cerca de 2000 poços outorgados pelo DAEE, mas estima-se em mais de 8 mil o número de clandestinos, que incluem tantos poços operantes, como paralisados”, diz.

Em São Paulo, a construção de um poço engloba desde o pedido de projeto junto a uma empresa especializada, passando pela consulta ao órgão ambiental do estado (sobre riscos do poço ser instalado próximo a uma área contaminada) e realização de testes de qualidade da água, até a concessão da outorga pelo DAEE (Departamento de Águas e Energia Elétrica) e a construção do poço em si.

Outro fator que alimenta a clandestinidade, dizem os especialistas, é a falta de uma gestão técnica adequada do recurso subterrâneo.

“Os Estados possuem pouco corpo técnico capacitado. Além de aumentar as práticas irregulares, a inexistência de gestão qualificada compromete a própria qualidade dos recursos hídricos”, afirma Cláudio Pereira, da ABAS.

Ele sustenta, ainda, que o poder público falha em coibir os poços ilegais. “É difícil fiscalizar a clandestinidade porque o estado não se prepara para isso, mas é o único caminho”, afirma.

OUTRO LADO

Procurado pela reportagem, o DAEE afirmou que “fiscaliza rotineiramente possíveis captações irregulares, além de checar eventuais denúncias”. Também afirmou desconhecer as estimativas sobre poços clandestinos, uma vez “que são irregulares”. Mas sublinhou que a utilização irregular da água está sujeita a multas.

Em nota enviada à EXAME.com, a autarquia destacou ainda e que o processo de outorga é importante para a preservação dos recursos hídricos, ressaltando que “muitos poços são feitos de forma clandestina, por culpa das empresas perfuradoras que o oferecem”.

Leia abaixo a íntegra da resposta.

“Informamos que existem hoje no Estado de São Paulo 27.744 poços outorgados e/ou cadastrados pelo DAEE. A autarquia fiscaliza rotineiramente possíveis captações irregulares, além de checar eventuais denúncias. No tocante, a estimativas sobre poços irregulares inexiste, uma vez que são irregulares.

No entanto, a utilização da água sem a devida outorga sujeita o infrator às penas previstas na lei de uso dos recursos hídricos e de responsabilização administrativa, civil e penal. Vale lembrar que muitos poços são feitos de forma clandestina, por culpa das empresas perfuradoras que o oferecem, com ou sem regularização, para o usuário, sem explicar os riscos à saúde. Além de existirem milhares de áreas potencialmente contaminadas (o site da Cetesb possui a lista de áreas,já declaradas), como por exemplo, próximas de postos de gasolina e aterros.

Após a constatação de existência de quaisquer irregularidades, os responsáveis são autuados podendo ser multados em até 1.000 UFESPs e até o tamponamento ou desativação do poço ou ponto de captação quando necessário.
Vale destacar ainda que o processo de outorga é importante para a preservação dos recursos hídricos. O tempo do procedimento depende apenas do usuário, que precisa reunir a documentação necessária.”

Fonte e Agradecimentos: EXAME
Vanessa Barbosa, de EXAME.com

Últimas Notícias:
Descarte Correto de Resíduos

Saiba como descartar resíduos corretamente e evitar doenças como a dengue

Além de crime ambiental, o descarte irregular de resíduos sólidos traz diversos prejuízos ao meio ambiente e à população. Estes pontos se tornam ambientes propícios para a proliferação de vetores de doenças, levando às situações de alagamentos em período de chuva, comprometendo a qualidade do ambiente e da paisagem do local, além de gerar o aumento dos custos públicos com a remoção do material descartado de forma incorreta e também dos gastos com saúde pública.

Leia mais »
Contrato Sabesp Vale do Paraíba

Novo contrato da Sabesp prevê aporte de R$ 18,6 bilhões no Vale do Paraíba até 2060

Atualmente em consulta pública, o novo contrato da Sabesp encontra-se em processo de desestatização, proposto pelo governo do estado de São Paulo. Os investimentos estão previstos em R$ 18,6 bilhões até o ano de 2060, no Vale do Paraíba e Litoral Norte. Cerca de R$ 5 bilhões serão destinados à universalização do saneamento básico nas 28 cidades atendidas pela Sabesp na região até 2029. As obras que pretendem levar água potável, coleta e tratamento de esgoto para toda a população, foram definidas com as prefeituras.

Leia mais »
Dmae Fumaça Ligações Irregulares

Dmae de Uberlândia/MG vai iniciar testes de fumaça para identificar ligações irregulares de esgoto

A partir da próxima segunda-feira (4), o Departamento Municipal de Água e Esgoto (Dmae) iniciará testes de fumaça para detectar ligações irregulares na rede de esgoto do município. O primeiro bairro atendido será a região do bairro Pampulha. O local em questão foi escolhido para iniciar os trabalhos devido ao grande número de chamados para desobstrução de rede, especialmente em período de chuva. Futuramente, outros bairros da cidade receberam os mesmos testes.

Leia mais »
Manejo de Resíduos Biometano Brasileiro

Ao custo global de R$ 3,1 tri, manejo de resíduos pode virar negócio, como o biometano brasileiro

Segundo alerta feito pela ONU nesta quarta-feira, 28, o volume de resíduos no mundo, que atingiu 2,3 bilhões de toneladas em 2023, continuará crescendo exponencialmente, até 3,8 bilhões de toneladas até meados deste século. A crise será ainda mais grave nos países onde os métodos de tratamento ainda são poluentes: aterros sanitários (contaminação do solo, emissões de poluentes e gases de efeito estufa, como o metano) e incineração sem recuperação.

Leia mais »
Sanasa Campinas Saneamento Básico

Campinas tem saneamento superior à média nacional

Dados do “Censo 2022: Características dos domicílios – Resultados do universo”, publicados na sexta-feira (23) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) confirmam a elevação dos indicadores de moradores com acesso ao saneamento básico em Campinas.

Leia mais »