saneamento basico
plastico

Micróbio Recém-Descoberto Pode Ajudar a Decompor Plástico

Os resíduos de poliuretano, assim como outros tipos de plásticos descartáveis, ameaçam o meio ambiente e a saúde humana.

 

Em uma nova pesquisa, cientistas europeus encontraram uma cepa resistente de bactérias que parece ser útil contra esse material.

 

A pesquisa publicada na Frontiers in Microbiology descreve uma nova estirpe identificada de bactéria do solo, capaz de quebrar as ligações químicas encontradas no poliuretano. Essa variedade, chamada Pseudomonas sp. TDA1, foi descoberta por cientistas que visitaram um depósito de lixo cheio de pedacinhos de plásticos.

 

Vai demorar um pouco até vermos essa bactéria sendo usada para degradar grandes quantidades de poliuretano, mas é um começo encorajador. A nova bactéria foi analisada por pesquisadores do Centro Helmholtz para Pesquisa Ambiental em Leipzig, Alemanha, e outras instituições.

 

LEIA TAMBÉM: TÉCNICA PODE TORNAR PRODUÇÃO DE PLÁSTICOS MAIS SUSTENTÁVEL A PARTIR DO BAGAÇO DE CANA

 

Resíduos Plásticos

 

O poliuretano é utilizado em geladeiras, móveis, tendas, edifícios, fraldas, calçados e em qualquer outra coisa em que sejam necessários materiais flexíveis, leves e duráveis. Milhões de toneladas do material são produzidas a cada ano, e em 2015 o mercado de poliuretano nos EUA foi avaliado em US$ 12,09 bilhões.

 

Assim como outros resíduos plásticos, o poliuretano leva muito tempo para se degradar, e é muito caro ser decomposto manualmente. Também é difícil de reciclar porque o poliuretano não derrete quando aquecido. Como resultado, muito dele acaba em lixões, onde deixa toxinas no meio ambiente, incluindo químicos que são prejudiciais à maioria dos microorganismos, para não mencionar os carcinógenos prejudiciais aos seres humanos.

 

O micróbio recentemente identificado é uma forma de Pseudomonas, um grupo de bactérias conhecido pela sua rigidez. As bactérias Pseudomonas podem resistir a algumas condições muito difíceis, como ambientes ácidos e temperaturas elevadas, razão pela qual são consideradas organismos extremófilos.

 

As bactérias

 

No laboratório, a estirpe TDA1 de Pseudomonas foi considerada capaz de degradar os blocos de construção química do poliuretano. Além disso, os microrganismos foram capazes de metabolizar estes compostos e usá-los para a alimentação. Isso resulta numa espécie de ciclo virtuoso, no qual o consumo contínuo de plásticos alimenta ainda mais o processo.

 

“As bactérias podem usar esses compostos como única fonte de carbono, nitrogênio e energia”, disse Hermann Heipieper, co-autor do artigo e cientista sênior do Centro Helmholtz para Pesquisa Ambiental-UFZ, no comunicado à imprensa. “Essa descoberta representa um passo importante para se poder reutilizar produtos [de poliuretano] de difícil reciclagem”.

De fato, os micróbios estão abrindo possibilidades animadoras na luta para reduzir as horríveis quantidades de lixo plástico. Essa estratégia é conhecida como bioreciclagem, na qual organismos biológicos, tais como micróbios, fungos e até insetos, são usados para quebrar os plásticos.

 

Não são os organismos em si que interessam aos cientistas, mas sim os processos químicos que eles empregam para fazer esse trabalho. Uma vez que os pesquisadores tenham encontrado soluções já concebidas pela natureza, elas podem então ser sintetizadas no laboratório.

 

Em essência, os cientistas não estão procurando reinventar a roda. Desenvolver um método para depois produzir em massa o material, no entanto, apresenta outro desafio. Podem passar anos até que vejamos qualquer tipo de solução que possa realmente ser implantada na vida cotidiana.

 

Nesse caso, os cientistas estão procurando os genes responsáveis pela produção de enzimas extracelulares – os tipos de proteínas – que atacam e degradam as ligações plásticas. Eles também estão tentando descobrir como Pseudomonas sp. TDA1 aproveita esse processo para adquirir sua energia. O novo estudo foi uma análise preliminar dessas facetas, e o trabalho futuro continuará nessa linha.

 

Fonte: Giz Modo.

Últimas Notícias:
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »
Lei do Bem Cagece

Lei do Bem: Cagece alcança R$ 3,6 milhões em benefícios fiscais através de investimentos em projetos de inovação tecnológica

A Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) é pioneira no Ceará em aliar os investimentos em projetos de inovação tecnológica e transformá-los em benefícios fiscais. Por meio da chamada “Lei do Bem” (nº 11.196/2005), a companhia conseguiu rastrear e inserir junto ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação um total de R$ 17 milhões, aportados em projetos de inovação nos últimos três anos, rendendo um retorno total de R$ 3,6 milhões em benefícios.  

Leia mais »
Política de Gerenciamento Resíduos Sólidos

Política de gerenciamento de resíduos sólidos em instituições públicas

O presente estudo aborda a problemática ambiental da geração de resíduos sólidos e a inadequação do gerenciamento destes nas instituições públicas. Considerando as limitações das opções de destinação final para os resíduos, é imprescindível minimizar as quantidades utilizadas dentro destas organizações por meio da redução, reutilização e reciclagem. Diante da Política Nacional de Resíduos Sólidos e em consonância com a agenda 2030, busca-se contribuir e apontar caminhos para o enfrentamento da grave questão.

Leia mais »