saneamento basico
qualidade-da-agua

MP arquiva processo sobre qualidade da água em Umuarama/PR

Análises realizadas, conforme portaria do Ministério da Saúde, não detectaram agrotóxicos na água distribuída na cidade

O Mistério Público do Estado do Paraná promoveu, na semana passada, o arquivamento de Notícia Fato que questionava a qualidade da água fornecida pela Sanepar em Umuarama. O procedimento havia sido aberto, a pedido de quatro vereadores da cidade, após matéria veiculada em um jornal da cidade, em abril de 2019, sobre a presença de agrotóxicos na água.

Durante o procedimento, o Ministério Público consultou a 12ª Regional de Saúde, a Secretaria Municipal de Saúde de Umuarama, a Secretaria de Saúde do Paraná e a Sanepar. De acordo o Ministério Público, “as informações acerca da existência da presença de 27 diferentes agrotóxicos na água que abastece o município de Umuarama não encontraram ressonância nas informações colhidas ao longo das diligências”.

Segundo a Secretaria de Estado da Saúde do Paraná (12ª Regional de Umuarama), órgão competente para fiscalizar e acompanhar a vigilância e a qualidade da água para consumo humano, não foram detectados agrotóxicos na água. O órgão ressaltou que “(…) tecnicamente não há nenhum indício que comprove o que foi veiculado na mídia a respeito da presença desses agrotóxicos na água para consumo humano”.

O gerente regional da Sanepar em Umuarama, Carlos Henrique Gonçalves, recebeu com tranquilidade a informação do arquivamento do procedimento. “A Sanepar trabalha todos os dias para garantir a qualidade da água distribuída em cada um dos imóveis que atendemos. Seguimos com rigor as normas que estabelecem o padrão de potabilidade e temos corpo técnico altamente profissional. A Sanepar garante que a água de Umuarama é de excelente qualidade”, ressaltou.

LEIA TAMBÉM: QUALIDADE DA ÁGUA DE BARRAGENS

Sem agrotóxico

A Sanepar ressalta que segue rigorosamente a legislação brasileira que determina os parâmetros da potabilidade da água para abastecimento público. Nas análises realizadas pela empresa não foi detectada presença de agrotóxicos acima do Valor Máximo Permitido (VMP) pela Portaria de Consolidação 5, anexo XX, do Ministério da Saúde, conforme histórico disponibilizado a este Ministério.

Matérias veiculadas na mídia utilizaram de forma incompleta as informações do Sistema de Informação de Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano (Sisagua).

No momento de registrar os resultados de suas análises, não há no cadastro do Sisagua a opção de informar a não detecção do princípio ativo do composto. O Sistema de Informação aceita apenas o registro como “no limite” em vez de “ausente”. Desta forma, fica registrada a presença de agrotóxico na água, mesmo que não tenha sido detectada, distorcendo a informação.

Quatro laboratórios da Sanepar realizam semestralmente análises de agrotóxicos de todas as localidades atendidas pela empresa, conforme determina a legislação do Ministério da Saúde. São investigados 27 tipos de agrotóxicos e, em todos os testes, os resultados ficam abaixo dos limites permitidos, ou seja, não sendo detectada a presença de agrotóxicos na água distribuída para a população.rio

Fonte: Sanepar.

Últimas Notícias:
Concessão Saneamento Itaú de Minas

Concessão do saneamento de Itaú de Minas já tem interessadas

Pelo menos duas empresas de saneamento do setor privado manifestaram interesse na concessão do serviço em Itaú de Minas, no Sul do Estado, durante a etapa de consulta pública, concluída em 21 de janeiro deste ano. As empresas são a Cristalina Saneamento e a Orbis Ambiental, que também disputou a licitação do serviço em Alpinópolis, cidade da mesma região e de tamanho similar a Itaú.

Leia mais »
Serviços de Coleta de Lixo

Mais de 90% dos brasileiros contam com serviço de coleta de lixo

Os serviços de coleta de lixo, direta ou indireta, beneficiavam 90,9% dos brasileiros em 2022, segundo dados do Censo 2022 divulgados na sexta-feira (23) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A pesquisa mostra que 82,5% dos moradores têm seus resíduos sólidos coletados diretamente no domicílio por serviços de limpeza.

Leia mais »
Risco Ambiental Fármacos Esgoto

Avaliação de risco ambiental de fármacos e desreguladores endócrinos presentes no esgoto sanitário brasileiro

Este estudo investigou a ocorrência, remoção e impacto na biota aquática de 19 contaminantes de preocupação emergente (CEC) comumente reportados no esgoto brasileiro bruto e/ou tratado. Para 14 CEC (E1, E2, EE2, GEN, DCF, PCT, BPA, IBU, NPX, CAF, TMP, SMX, CIP, LEV), sua presença em esgoto tratado apresentou um alto risco ambiental em pelo menos 2 dos 6 cenários de diluição considerados.

Leia mais »