saneamento basico

Remuneração em concessões levará em conta custo e risco de construção, diz Barbosa

O ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, aproveitou o “Fórum de Infraestrutura – Os desafios para o futuro do Brasil”, promovido pela Câmara Espanhola de Comércio, para garantir aos investidores, incluindo os internacionais, que o novo plano de concessões em infraestrutura será diferente, com preços e taxas determinados pelo mercado.

Barbosa afirmou que o governo busca melhorar os marcos regulatórios, com alterações nos critérios de licitação e editais, por exemplo. “Vamos adotar remuneração compatível com os custos e riscos de construção, já foi assim no leilão da Ponte Rio-Niterói. Vai ser fixado com base nos custos e taxas de mercado”, afirmou.

O ministro tentou forçar a viabilidade do plano, que soma R$198,4 bilhões. Segundo ele, antes de anunciar os projetos o governo conversou com as administrações regionais e o setor privado para saber quais eram as concessões mais viáveis. “Todos nossos projetos têm pelo menos duas empresas que já demonstraram interesse privadamente”, garantiu.

O chefe do Planejamento afirmou que a realidade econômica brasileira e internacional mudou é preciso se adaptar, mas algumas coisas continuam iguais, como as oportunidades de investimento em infraestrutura. “Temos uma demanda reprimida muito elevada”, afirmou. Ele citou dados sobre a produção de grãos, o movimento de passageiros nos aeroportos, o aumento da frota de veículos e o uso dos portos brasileiros, todos com crescimento de mais de 100% desde 2000. “Há demanda e há oportunidade de investimento. O desafio do governo é transformar isso em projetos viáveis”.

Ele mencionou ainda o uso do crédito direcionado, via BNDES, para incentivar e alavancar o crédito privado, com a emissão de debêntures, e assim desenvolver o mercado de capitais mais rapidamente.

Barbosa disse que nos últimos anos o governo vem tentando aumentar a taxa de investimento, que atualmente está abaixo de 20% do PIB. “Nossa taxa de investimento é relativamente baixa para um país de renda média que tem de acelerar o crescimento”. Segundo ele, elevar os investimentos é essencial para que a recuperação do crescimento seja sustentável, ou seja, dure vários anos.

O ministro mostrou gráficos que mostram que a taxa de investimento do Brasil está mais ou menos no meio termo entre os principais países do mundo. Na subdivisão, em máquinas e equipamentos o Brasil vai até bem, mas fica para trás quando se trata de investimentos em construção civil.

 

Fonte: InfoMoney

Últimas Notícias:
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »
Lei do Bem Cagece

Lei do Bem: Cagece alcança R$ 3,6 milhões em benefícios fiscais através de investimentos em projetos de inovação tecnológica

A Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) é pioneira no Ceará em aliar os investimentos em projetos de inovação tecnológica e transformá-los em benefícios fiscais. Por meio da chamada “Lei do Bem” (nº 11.196/2005), a companhia conseguiu rastrear e inserir junto ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação um total de R$ 17 milhões, aportados em projetos de inovação nos últimos três anos, rendendo um retorno total de R$ 3,6 milhões em benefícios.  

Leia mais »
Política de Gerenciamento Resíduos Sólidos

Política de gerenciamento de resíduos sólidos em instituições públicas

O presente estudo aborda a problemática ambiental da geração de resíduos sólidos e a inadequação do gerenciamento destes nas instituições públicas. Considerando as limitações das opções de destinação final para os resíduos, é imprescindível minimizar as quantidades utilizadas dentro destas organizações por meio da redução, reutilização e reciclagem. Diante da Política Nacional de Resíduos Sólidos e em consonância com a agenda 2030, busca-se contribuir e apontar caminhos para o enfrentamento da grave questão.

Leia mais »