saneamento basico

Saneamento Básico no Brasil cresce apenas 1% em um ano

A rede de esgoto no Brasil se move a passos lentos. De 2012 para 2013 foi registrado um avanço de apenas 1%. A cobertura das fossas sépticas ligadas à rede que antes era de 63,3% atingiu 64,3%. A região Norte foi a que apresentou o pior desempenho, com uma em cada cinco – 19,3% – residências ligada à rede de esgoto. Já no Sudeste do País, a cobertura chegou a 88,6%. Os dados foram divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE.

De acordo com o Plano Nacional de Saneamento Básico – PLANSAB, a meta é atingir a universalização dos serviços de saneamento até 2030. Entretanto, especialistas ressaltam a importância de se aumentar os investimentos em saneamento para cumprir a proposta. Caso o ritmo de crescimento de 1% ao ano permaneça, em 2018 a cobertura média brasileira será de 68,3%, quando o esperado no plano é de 76%.

O abastecimento de água por rede geral também demonstrou estagnação. Conforme apontam dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios – PNAD, o Brasil tinha 85,3% de residências atendidas em 2012. Porém, no ano seguinte, essa percentagem praticamente se manteve alcançando 85,4%.
A Confederação Nacional de Municípios – CNM alerta que o investimento em saneamento gera efeitos positivos na Saúde e Meio Ambiente. Portanto, é necessário maior apoio técnico e financeiro os municípios para enfrentar os desafios existentes e universalizar os serviços até 2030.

Redação/CNM

Últimas Notícias:
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »
Lei do Bem Cagece

Lei do Bem: Cagece alcança R$ 3,6 milhões em benefícios fiscais através de investimentos em projetos de inovação tecnológica

A Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) é pioneira no Ceará em aliar os investimentos em projetos de inovação tecnológica e transformá-los em benefícios fiscais. Por meio da chamada “Lei do Bem” (nº 11.196/2005), a companhia conseguiu rastrear e inserir junto ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação um total de R$ 17 milhões, aportados em projetos de inovação nos últimos três anos, rendendo um retorno total de R$ 3,6 milhões em benefícios.  

Leia mais »
Política de Gerenciamento Resíduos Sólidos

Política de gerenciamento de resíduos sólidos em instituições públicas

O presente estudo aborda a problemática ambiental da geração de resíduos sólidos e a inadequação do gerenciamento destes nas instituições públicas. Considerando as limitações das opções de destinação final para os resíduos, é imprescindível minimizar as quantidades utilizadas dentro destas organizações por meio da redução, reutilização e reciclagem. Diante da Política Nacional de Resíduos Sólidos e em consonância com a agenda 2030, busca-se contribuir e apontar caminhos para o enfrentamento da grave questão.

Leia mais »