saneamento basico

Arboviroses no caminho do saneamento

O saneamento básico está diretamente relacionado à maior ou menor incidência de arboviroses. Dito de outra forma, onde precisa acumular água, tem-se ali um lugar propício à reprodução do temido Aedes aegypti, transmissor de dengue, zika, chikungunya e febre amarela.

O epidemiologista Luciano Pamplona, professor da Universidade Federal do Ceará (UFC), adverte que se a muriçoca acompanha quadros de precariedade, sobretudo em periferias, o mosquito ‘Aedes’ não tem classe social. Não havendo plenitude na cobertura de saneamento (água, esgoto e resíduos sólidos) nas cidades e estados do País, estão todos suscetíveis.

Isso porque a intermitência no fornecimento de água – e não tem exemplo melhor que nas regiões com estiagem, a necessidade de acumular água cria lugar de perigo.

“A partir do momento em que a população não tem água suficiente, ela vai acumular. Mesmo em áreas nobres de Fortaleza, como Meireles e Aldeota, se abrisse a torneira, não teria água, não fosse a caixa para acúmulo, pois o fornecimento de água não ocorre de forma contínua. A intermitência do fornecimento de água prejudica porque aumenta os focos”, diz Luciano Pamplona.

Dengue

O estado de São Paulo viveu, no ano de 2015, epidemia de dengue com raros precedentes. Foram mais de 690 mil casos e, aproximadamente, 450 mortes no mesmo ano. A explicação da Secretaria de Saúde do Estado, apoiada por infectologistas: Com a seca ocorrida na região, as pessoas tiveram que acumular água em recipientes, e o Aedes aegypti fez sua casa.

passare
Toda a família de Ana Lúcia, no Passaré, pegou chikungunya. O esposo, Fernando, não está na foto porque, mesmo doente, precisou ir trabalhar. Há um lixão na rua, e moradores decidiram proibir a entrada do agente de endemias nas casas

“Estou preocupado com o surto que Fortaleza está vivendo”, disse o epidemiologista João Bosco Siqueira Júnior, doutor em medicina tropical, enquanto ministrava palestra em São Paulo, acompanhada pelo Diário do Nordeste, para jornalistas da América Latina. Falava no já distante 23 de maio de 2017, quando os números indicavam mais de 16 mil casos e ao menos cinco mortes.

Cenário epidêmico

Ao fim da primeira semana de junho, boletim epidemiológico da Secretaria da Saúde do Estado do Ceará já apontava situação mais grave. E recorrente, segundo boletim epidemiológico de 9 de junho: “em 2016, houve transmissão sustentada da chikungunya no Estado, caracterizando um cenário epidêmico, com 49.516 casos suspeitos, sendo que 63,6% foram confirmados, distribuídos em 139 municípios. Em 2017, observa-se uma tendência crescente de notificações. Dos casos confirmados, 67,2% (ou 20.596), concentraram-se nas faixas etárias entre 20 e 59 anos, e o sexo feminino foi predominante em todas as faixas etárias à exceção das idades até 14 anos”

“Não basta ter água, tem que ser de qualidade e com fornecimento pleno. Não é suficiente tratar o esgoto, é preciso limpar o meio ambiente. Problema dos países pobres para combater as arboviroses? Não necessariamente. Cingapura, um dos países mais ricos do mundo, enfrentou epidemia de dengue, mas mudou de tal forma a maneira de combater a doença, com educação e controle do vetor, que hoje é referência”, afirma o epidemiologista João Bosco, considerado, pelo próprio Ministério da Saúde, uma das maiores autoridades em investigações de surtos e epidemias. Continua preocupado com o Ceará.

Fonte: Diário do Nordeste

Últimas Notícias:
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »
Lei do Bem Cagece

Lei do Bem: Cagece alcança R$ 3,6 milhões em benefícios fiscais através de investimentos em projetos de inovação tecnológica

A Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) é pioneira no Ceará em aliar os investimentos em projetos de inovação tecnológica e transformá-los em benefícios fiscais. Por meio da chamada “Lei do Bem” (nº 11.196/2005), a companhia conseguiu rastrear e inserir junto ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação um total de R$ 17 milhões, aportados em projetos de inovação nos últimos três anos, rendendo um retorno total de R$ 3,6 milhões em benefícios.  

Leia mais »
Política de Gerenciamento Resíduos Sólidos

Política de gerenciamento de resíduos sólidos em instituições públicas

O presente estudo aborda a problemática ambiental da geração de resíduos sólidos e a inadequação do gerenciamento destes nas instituições públicas. Considerando as limitações das opções de destinação final para os resíduos, é imprescindível minimizar as quantidades utilizadas dentro destas organizações por meio da redução, reutilização e reciclagem. Diante da Política Nacional de Resíduos Sólidos e em consonância com a agenda 2030, busca-se contribuir e apontar caminhos para o enfrentamento da grave questão.

Leia mais »