saneamento basico
tocantins-regulacao-residuos-solidos

No Nordeste, cerca de 75% das cidades destinam resíduos sólidos a lixões

Mais de mil municípios brasileiros não informaram o que fazem com o lixo produzido

Há dez anos, no dia 2 de agosto, a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) – Lei 12.305/10 – entrou em vigor, após quase 20 anos de discussões para a sua aprovação. Ela instituiu a responsabilidade compartilhada dos geradores de resíduos: fabricantes, importadores, distribuidores, comerciantes, cidadãos e titulares de serviços de manejo dos resíduos sólidos urbanos na Logística Reversa dos resíduos e embalagens pós-consumo.

Também criou metas com foco na eliminação dos lixões e institui instrumentos de planejamento nacional, estadual, microrregional, intermunicipal e metropolitano e municipal; além de impor que os particulares elaborem seus Planos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos.

Num primeiro momento, a Lei foi recebida com grandes expectativas. Mas, se tomarmos por base a extinção dos lixões, cujo primeiro prazo era o ano de 2014, os avanços são desanimadores, sobretudo nas regiões Nordeste e Norte do país. No Brasil, dos 5.570 municípios, 2.402 destinam os resíduos a lixões ou aterros controlados, 2.064 a aterros sanitários e 1.104 não informaram ao Observatório dos Lixões da Confederação Nacional dos Municípios (CNM). De acordo com o Estudo Técnico da Gestão Municipal de Resíduos Sólidos, realizado pela CNM em 2015, no Nordeste, 75,8% dos resíduos eram destinados a lixões, 23,3% a aterros sanitários e 28,4% realizavam coleta seletiva.


LEIA TAMBÉM: AVALIAÇÃO DO TRATAMENTO DE CHORUME DO ATERRO SANITÁRIO DE LAJEADO, UTILIZANDO SISTEMA FÍSICO-QUÍMICO E OSMOSE REVERSA


Aterro Sanitário

Em números absolutos, por este levantamento, o estado do Nordeste com maior número de municípios servidos por aterros sanitários é a Bahia, com 47. Mas este é também o estado com maior número de municípios na região, 417, o que torna o percentual bem pequeno. O segundo estado com mais cidades a destinar seus resíduos a aterros sanitários é Pernambuco, com 40, um percentual considerável para os 184 municípios. Na outra ponta, dos 217 municípios do Maranhão, apenas sete destinam resíduos a aterros.

Declaradamente, a Bahia tem o maior número de cidades a destinar seus resíduos a lixões, 286; seguida pela Paraíba, com 112 municípios de 223; e o Ceará, 104 de 184. O estado do Nordeste que menos destina resíduos a lixões declaradamente é Alagoas: 35 dos seus 102 municípios; seguido por outro estado pequeno, Sergipe, 38 de apenas 75. Depois vem o Maranhão, com 51. Muito importante destacar que estes são os dados informados. Ao todo, 159 municípios do Maranhão não informaram; seguidos por 110 do Piauí; e 84 na Bahia.

Fonte: Dom Total.


NOTÍCIA DO DIA: CERCA DE 6 TONELADAS DE LIXO SÃO RETIRADAS TODOS OS DIAS DAS REDES DE ESGOTO DE SÃO LUÍS/MA

Últimas Notícias:
Risco Ambiental Fármacos Esgoto

Avaliação de risco ambiental de fármacos e desreguladores endócrinos presentes no esgoto sanitário brasileiro

Este estudo investigou a ocorrência, remoção e impacto na biota aquática de 19 contaminantes de preocupação emergente (CEC) comumente reportados no esgoto brasileiro bruto e/ou tratado. Para 14 CEC (E1, E2, EE2, GEN, DCF, PCT, BPA, IBU, NPX, CAF, TMP, SMX, CIP, LEV), sua presença em esgoto tratado apresentou um alto risco ambiental em pelo menos 2 dos 6 cenários de diluição considerados.

Leia mais »
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »