saneamento basico
agrotoxico

SC investirá no controle de resíduos de agrotóxicos

A medida irá estimular também os sistemas de rastreabilidade de produtos de origem vegetal

O Governo de Santa Catarina investirá R$ 1,2 milhão no Programa Estadual de Controle e Monitoramento de Resíduos de Agrotóxicos. O estado, que é referência nacional em sanidade vegetal, pretende reduzir ainda mais as inconformidades no uso dos defensivos, intensificando as fiscalizações e promovendo ações para a melhoria da qualidade dos alimentos e da saúde pública. O Programa Estadual de Controle e Monitoramento de Resíduos de Agrotóxicos foi autorizado durante reunião do Conselho de Desenvolvimento Rural (Cederural) nesta terça-feira, 28.

“Produzir alimentos saudáveis é a grande missão da agricultura catarinense e existe um grande esforço da Secretaria da Agricultura, através da Cidasc, para reduzir o uso inadequado de agrotóxicos. Vamos reforçar o trabalho de conscientização dos produtores rurais e combater o mau uso dos defensivos químicos. Garantir a sanidade vegetal é cuidar também dos alimentos que chegam à mesa da população”, ressalta o secretário Ricardo de Gouvêa.

O Programa contará com recursos do Fundo de Desenvolvimento Rural (FDR) e será executado pela Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc). O objetivo é controlar a qualidade dos alimentos em relação aos resíduos de agrotóxicos, identificar fontes de contaminação de polinizadores, e fiscalizar insumos ofertados aos agricultores catarinenses a fim de coibir o comércio e uso de agrotóxicos falsificados e sem registro junto ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

A medida irá estimular também os sistemas de rastreabilidade de produtos de origem vegetal. A Secretaria da Agricultura pretende criar um indicador estadual de qualidade dos alimentos ofertados à população catarinense quanto ao uso de agrotóxicos.

O secretário lembra que o Programa faz parte das ações do Agroconsciente, diretriz do Governo do Estado para o desenvolvimento de ações que oportunizem mais renda aos produtores rurais e pescadores, ganhos ao meio ambiente e maior segurança alimentar à população.

LEIA TAMBÉM: PROJETO DETERMINA RASTREABILIDADE DE RESÍDUOS DE AGROTÓXICOS

O programa

Com investimento de R$ 1,2 milhão, Santa Catarina irá aprimorar o controle do comércio, armazenamento e uso de agrotóxicos, através da coleta e análise de amostras de produtos de origem vegetal produzidos de forma convencional e orgânica, abelhas e insumos agrícolas.

“Esse programa é de fundamental importância para toda sociedade catarinense, já que envolve a análise de resíduos de agrotóxicos através do monitoramento e da fiscalização e está estritamente relacionada à saúde pública, seja do consumidor final ou do produtor. Além disso, tem também uma grande importância ambiental”, destaca o secretário adjunto da Agricultura Ricardo Miotto.

Caso sejam encontradas irregularidades nas coletas, será instaurado um processo administrativo e os responsáveis poderão ser penalizados. “Há um grande esforço de educação também. A Cidasc e a Epagri trabalham na educação sanitária e orientação técnica. É um programa bastante amplo, que passa a ser coordenado pela Secretaria da Agricultura e colaboração de todos os envolvidos”, afirma Miotto.

Santa Catarina já possui um dos menores índices de inconformidades no uso de agrotóxicos do país e a intenção é reduzir ainda mais esse número. Segundo informações da Cidasc, em 2019 cerca de 18% das amostras coletadas possuíam alguma irregularidade, uma redução de 50% em relação aos índices de 2011, por exemplo. A melhoria nos índices foi um dos resultados do Programa Alimento Sem Risco, executado pela Cidasc e Epagri em parceria com o Ministério Público de Santa Catarina.

Fiscalização dos pontos de venda de agrotóxicos

Para diminuir a venda irregular de agrotóxicos, a Secretaria da Agricultura, através da Cidasc, fiscaliza os estabelecimentos ligados ao comércio armazenamento, produção, importação, exportação, transporte e empresas prestadoras de serviços na aplicação desses produtos em Santa Catarina. Passa pela Cidasc também o registro obrigatório dos estabelecimentos e o cadastro estadual de agrotóxicos.

Desde a publicação do Decreto 1.331 de 2017, a Cidasc passou a fiscalizar o uso dos agrotóxicos. Com a possibilidade de coleta de amostras fiscais através deste programa, as ações para coibir o uso irregular de agrotóxicos terão ganhos em eficiência.

Fonte: Agrolink.

Últimas Notícias:
Concessão Saneamento Itaú de Minas

Concessão do saneamento de Itaú de Minas já tem interessadas

Pelo menos duas empresas de saneamento do setor privado manifestaram interesse na concessão do serviço em Itaú de Minas, no Sul do Estado, durante a etapa de consulta pública, concluída em 21 de janeiro deste ano. As empresas são a Cristalina Saneamento e a Orbis Ambiental, que também disputou a licitação do serviço em Alpinópolis, cidade da mesma região e de tamanho similar a Itaú.

Leia mais »
Serviços de Coleta de Lixo

Mais de 90% dos brasileiros contam com serviço de coleta de lixo

Os serviços de coleta de lixo, direta ou indireta, beneficiavam 90,9% dos brasileiros em 2022, segundo dados do Censo 2022 divulgados na sexta-feira (23) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A pesquisa mostra que 82,5% dos moradores têm seus resíduos sólidos coletados diretamente no domicílio por serviços de limpeza.

Leia mais »
Risco Ambiental Fármacos Esgoto

Avaliação de risco ambiental de fármacos e desreguladores endócrinos presentes no esgoto sanitário brasileiro

Este estudo investigou a ocorrência, remoção e impacto na biota aquática de 19 contaminantes de preocupação emergente (CEC) comumente reportados no esgoto brasileiro bruto e/ou tratado. Para 14 CEC (E1, E2, EE2, GEN, DCF, PCT, BPA, IBU, NPX, CAF, TMP, SMX, CIP, LEV), sua presença em esgoto tratado apresentou um alto risco ambiental em pelo menos 2 dos 6 cenários de diluição considerados.

Leia mais »