saneamento basico

Vantagens e desvantagens do biodiesel de algas

Os biocombustíveis tornam-se cada dia mais importantes. Advindos de fontes naturais e renováveis, eles se apresentam como formas alternativas para garantir o funcionamento de carros e fábricas e, menos poluentes, auxiliam na diminuição dos gases do efeito estufa na atmosfera.

Na busca por matérias primas para biocombustíveis, as algas marinhas são uma novidade bem-vinda. Elas apresentam, por exemplo, um teor energético cem vezes maior do que a soja. O ambiente que elas necessitam para se desenvolver é extremamente simples: basta água, luz e gás carbônico para que se multipliquem.

Outra vantagem é o fato de que, além de possibilitarem a criação de um combustível limpo, as algas marinhas absorvem uma quantidade enorme de CO2 em seu processo de crescimento. Ou seja, o investimento no biodiesel de algas marinhas pode ser considerado duplamente sustentável.

Embora a lista de vantagens seja bastante convincente, também existem alguns pontos negativos que ainda precisam ser levados em conta quando se pensa no uso de biodiesel de algas marinhas em larga escala. A atual tecnologia para o processo de produção – em atividade em alguns países europeus, como Portugal – ainda apresenta custos muito altos, o que impede a sua popularização e o uso mais amplo.

Outra desvantagem é o fato dos canais e máquinas atualmente utilizados para a geração deste tipo de biocombustível ainda gerarem grande quantidade de poluição atmosférica. Mesmo que as algas apresentem uma série de vantagens enquanto matéria prima, ainda são necessários avanços em sua tecnologia de extração para que elas possam ser utilizadas como matérias primas para um combustível limpo. Esta é uma aposta para o futuro e, certamente, um dos destaques dentre os biocombustíveis nos próximos anos.

Fonte: Pensamento Verde
Veja mais: http://www.pensamentoverde.com.br/economia-verde/vantagens-e-desvantagens-biodiesel-de-algas/

Últimas Notícias:
Risco Ambiental Fármacos Esgoto

Avaliação de risco ambiental de fármacos e desreguladores endócrinos presentes no esgoto sanitário brasileiro

Este estudo investigou a ocorrência, remoção e impacto na biota aquática de 19 contaminantes de preocupação emergente (CEC) comumente reportados no esgoto brasileiro bruto e/ou tratado. Para 14 CEC (E1, E2, EE2, GEN, DCF, PCT, BPA, IBU, NPX, CAF, TMP, SMX, CIP, LEV), sua presença em esgoto tratado apresentou um alto risco ambiental em pelo menos 2 dos 6 cenários de diluição considerados.

Leia mais »
greenTalks Sustentabilidade de Embalagens

greenTalks entrevista Bruno Pereira, CEO da Ecopopuli, sobre sustentabilidade de embalagens

O segundo episódio da temporada 2024 do videocast greenTalks – uma iniciativa pioneira entre a green4T e NEO MONDO para discutir o papel fundamental da tecnologia na promoção de um futuro mais sustentável – tem como entrevistado especial Bruno Pereira, Especialista em Sustentabilidade Positiva, Líder do Comitê de Sustentabilidade da Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) e CEO da Ecopopuli.

Leia mais »
Gestão Resíduos Sólidos Urbanos

Estudo aponta caminhos para a gestão de resíduos sólidos urbanos

Apenas a cidade de São Paulo produz cerca de 20 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos (RSU) todos os dias, sendo 12 mil domiciliares e 8 mil da limpeza urbana, decorrentes de atividades de varrição, recolhimento de restos de feiras, podas e capinas. Considerando somente as 12 mil toneladas produzidas nas residências, isso dá uma média de aproximadamente 1 quilo de lixo por habitante ao dia.

Leia mais »